TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»
Domingo, 18 de Janeiro de 2009
25 anos sem Ary

Poeta da resistência e poeta de Abril, Declamador de entre os melhores. Comunista convicto e activo.

Ary dos Santos, ou de nome completo José Carlos Ary dos Santos, morreu a 18 de Janeiro de 1984, na sua casa, na rua da Saudade, em Lisboa, quando preparava um livro autobiográfico intitulado «Estrada da Luz-Rua da Saudade» e a edição de dois livros de versos, "Trinta e Cinco Sonetos" e as "Palavras das Cantigas".

Morreu o poeta
ficou-nos a sua vasta obra para o recordar:
«A Liturgia do Sangue» 1963
«Tempo da Lenda das Amendoeiras» 1964
«Adereços, Endereços» 1965
«lnsofrimento in sofrimento» 1969
«Fotos-Grafias» 1970
«Resumo» 1972
«As Portas que Abril Abriu» 1975
«O Sangue das Palavras» 1978.
«20 Anos de Poesia» 1983
«VIII Sonetos» — dos 30 sonetos que se propunha publicar, mas que a morte não lhe permitiu que acabasse.
Autor de várias centenas letras para canções teve uma
acção preponderante na inovação da canção portuguesa.
É um dos autores presentes na Antologia da nova poesia portuguesa.
Participou como autor de textos para o teatro de revista.

Além de autor, Ary dos Santos era um dos melhores declamadores da sua própria poesia.
Editou vasta obra discográfica.

Grande conhecedor do seu povo, que amava, Ary dos Santos, para além de um grande poeta, foi um grande pedagogo da verticalidade e da dignidade humana. Através da poesia, exaltou a alegria dos portugueses, e ridicularizou os seus preconceitos e tabus que longas décadas de obscurantismo tinham incutido nas mentes. Imponente, corajoso, esmagava mas também educava quem o ouvia.

Foi um exemplo de intelectual progressista.
Aliado incondicional dos trabalhadores, escolheu o PCP para nele lutar, convicto de que o Partido que escolheu era o melhor.
Percorreu o país de Norte a Sul, em comícios, sessões de esclarecimento e festas do PCP. Está cá o Ary, ouvia-se. E cada verso era uma bandeira desfraldada, um punho que se erguia, uma esperança que renascia.
Porque se fizermos de Maio a nossa lança isto vai meus amigos, isto vai..

José Carlos Ary dos Santos, Poeta.
Poeta da Revolução.
Poeta dos trabalhadores e dos excluídos.
Poeta do amor.

POETA CASTRADO NÃO!

In Festa Avante - 2003

                                                                                    

Ary, sempre!

                                                                  

   

Recordando o que foi publicado neste blog:

 

Para Ver:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge                                                          

                                


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:01
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13

19
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Carta aos eleitores do Co...

ACES Dão Lafões: Despacho...

CDU Divulga Primeiros Can...

CDU em Real: Um projecto ...

Jerónimo de Sousa em Vise...

CDU Apresentou Primeiros ...

Jerónimo de Sousa em Real...

Jerónimo de Sousa, Secret...

Colmatar os prejuízos ca...

CDU Apresentou Primeiros ...

Apresentação dos Primeiro...

Apresentação dos Primeiro...

6 de Julho de 1871 – Morr...

Despedimentos na PT/MEO/A...

Visita ao Museu Grão Vasc...

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

sistema capitalista

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds