TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Sábado, 17 de Setembro de 2016
Ay Carmela!

Guerracivilespanhola_Avt

As canções dos revolucionários são a banda sonora da História, desde a Revolução Francesa à Unidade Popular do Chile, da Revolução de Outubro à de Abril, aqui connosco.

Desta Espanha aqui ao lado, houve um tempo em que soprou bom vento (bons casamentos sempre os houve), enchendo de entusiasmo popular a bandeira tricolor da República. E de canções. O golpe foi profundo para uma Europa capitalista em perda dos impérios coloniais e a ver sair às ruas os ideais do socialismo e do comunismo. Então, como agora, o Capital não se deitou a dormir e, como sempre quando se levanta o sopro da tal «terra sem amos», armou-se fascismo e caiu com a máxima violência em cima da República de Espanha e dos republicanos do mundo inteiro. No Alentejo dos nossos dias ainda há quem se lembre daquele tempo de maus ventos mas bons casamentos – os republicanos fugidos aos fascistas de Franco para a protecção das gentes de Ficalho e de outros lugares de consciência colectiva, a PIDE a entregar os que encontrava aos pelotões de fuzilamento.

«Ay Carmela!» permaneceu símbolo desse tempo, memória já de si memória de outro tempo em que a Espanha se defendia dos exércitos de Napoleão e a canção se chamava «El Paso del Ebro» ou «El Ejército del Ebro». O texto original cedia por vezes o lugar ao de «Viva la Quince Brigada», com palavras de homenagem à Brigada de combatentes comunistas da Guerra Civil. Fosse com que letra fosse esta era uma das canções da República Espanhola, por quem deram a vida milhares de espanhóis e de revolucionários de todo o mundo nos anos em que a Espanha era a trincheira antifascista da Europa Ocidental. Eram estas as palavras:

 

Ay Carmela!

 

El Ejército del Ebro/ ¡Rumba la rumba la rum bam bam!/ Una noche el río pasó,/ ¡Ay, Carmela, ay, Carmela!/ Y a las tropas invasoras/ ¡Rumba la rumba la rum bam bam!/ Buena paliza les dio,/ ¡Ay, Carmela, ay, Carmela!/  

El furor de los traidores/ ¡Rumba la rumba la rum bam bam!/ Lo descarga su aviación,/¡Ay, Carmela, ay, Carmela!/ Pero nada pueden bombas/ ¡Rumba la rumba la rum bam bam!/ Donde sobra corazón,/ ¡Ay, Carmela, ay, Carmela!/

Contrataques muy rabiosos/ ¡Rumba la rumba la rum bam bam!/ Deberemos combatir,/ ¡Ay, Carmela, ay, Carmela!/ Pero igual que combatimos/ ¡Rumba la rumba la rum bam bam!/ Prometemos resistir,/ ¡Ay, Carmela, ay, Carmela!//

 

Para ver e ouvir «Ay Carmela!»:

 

 

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:12
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 19 de Junho de 2016
UPP: 3 dias no Alentejo (programa)

UPP Alentejo Programa

Clicar na imagem para ampliar

 

29, 30 de Setembro e 1 de Outubro 

3 dias no Alentejo" Pelo 10º ano consecutivo”!

Agora, pela “margem esquerda do Guadiana, para revisitar os Municípios de Moura e Serpa e, pela 1ª vez, depois de um cruzeiro no grande lago do Alqueva, a aldeia da Luz.

Neste cirandar, a primeira sensação que temos ao chegarmos à região é o encontro com a beleza natural da paisagem, forte, imensa, perturbante.

Vamos conhecer, nas suas diversas vertentes, o riquíssimo património existente.

Vamos também reencontrar as Gentes do Alentejo para as conhecer melhor e saber o que pensam do passado e presente com os olhos postos no futuro.

Depois, experimentar a riqueza, os sabores e os aromas e o prazer da cozinha alentejana é uma vivência tão perfeita que justifica, por si só, a visita à Região.

Seja Alentejo por 3 dias!

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:21
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 21 de Maio de 2016
UPP: 3 dias no Alentejo

UPP 3 dias Alentejo

Clicar na imagem para ampliar

 

29, 30 de Setembro e 1 de Outubro 

3 dias no Alentejo" Pelo 10º ano consecutivo”!

Agora, pela “margem esquerda do Guadiana, para revisitar os Municípios de Moura e Serpa e, pela 1ª vez, depois de um cruzeiro no grande lago do Alqueva, a aldeia da Luz.

Neste cirandar, a primeira sensação que temos ao chegarmos à região é o encontro com a beleza natural da paisagem, forte, imensa, perturbante.

Vamos conhecer, nas suas diversas vertentes, o riquíssimo património existente.

Vamos também reencontrar as Gentes do Alentejo para as conhecer melhor e saber o que pensam do passado e presente com os olhos postos no futuro.

Depois, experimentar a riqueza, os sabores e os aromas e o prazer da cozinha alentejana é uma vivência tão perfeita que justifica, por si só, a visita à Região.

Seja Alentejo por 3 dias!

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 16:56
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 8 de Dezembro de 2015
Recordando a Reforma Agrária

ACR-Reforma Agrária

Clicar na imagem para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:01
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 28 de Junho de 2015
UPP: Visita de estudo 3 dias no Alentejo

UPP Alentejo 2015

Clicar na imagem para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:07
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 29 de Novembro de 2014
CANTE ALENTEJANO - para memória futura...

 

Cimbal 2012-03-12

Para memória futura

 

Sem comentários...

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 15:14
link do post | comentar | favorito
|

Cante Alentejano como Património Cultural Imaterial da Humanidade

entrada_pavilhao_alentejo_festa_avante_2012_cante_

Clicar na imagem para visualizar a ligação

 

O PCP saúda a decisão do Comité Internacional da UNESCO de inscrever o cante alentejano como Património Cultural Imaterial da Humanidade.

Tal decisão reconhece a relevância patrimonial do cante, o seu valor excepcional como símbolo identificador do Alentejo e identitário dos alentejanos, o seu enraizamento profundo na tradição e história cultural do País, a sua importância como fonte de inspiração e de troca intercultural entre povos e comunidades, sendo motivo de satisfação e orgulho para todos os portugueses.

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:20
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 3 de Setembro de 2014
UPP: 8ª Visita de estudo - 3 dias no Alentejo

-

Clicar na imagem para ampliar

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:12
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 28 de Junho de 2014
UPP: Seja alentejano por 3 dias

-

Clicar na imagem para ampliar

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 4 de Setembro de 2013
UPP: Alentejo - Património, Beleza Natural, Sabores, Aromas (programa)

-

Clicar na imagem para ampliar

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 13 de Julho de 2013
UPP: Alentejo - Património, Beleza Natural, Sabores, Aromas

-

Clicar na imagem para ampliar

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 13:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 11 de Setembro de 2012
Seja Alentejano por 3 dias!

-

O Alentejo não é um lugar. Um sítio. O Alentejo é um estado de alma. O Alentejo é uma região com uma identidade própria e um riquíssimo e diversificado património histórico, cultural e ambiental, onde cada recanto é uma surpresa, uma descoberta, permitindo o desfrute da tranquilidade de cada momento, onde o tempo ainda tem tempo.

O Alentejo tem uma beleza natural única, onde o branco, das casas caiadas, se cruza com a água, os campos de cultivo, a vinha, o montado e um céu azul, sem fim. 

O Alentejo é a riqueza dos aromas e o prazer da sua cozinha, que teve raízes na sobrevivência, com predominância do azeite, das ervas e do pão, onde os vinhos, os queijos e os enchidos completam uma vivência perfeita.

O Alentejo é o “Cante” alentejano, que define “o povo alentejano como sendo o mais «musical» da gente portuguesa” (Lopes-Graça: “A Canção Popular Portuguesa”).

O Alentejo é um povo afetuoso e hospitaleiro, de carácter, de trabalho e de luta, que nos franqueia as portas das suas memórias, do seu dia-a-dia.
-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:28
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 7 de Novembro de 2010
30 anos: «Levantado do Chão» - a terra a quem a trabalha

Clicar na imagem para visualizar a ligação

-

Publicado neste blog:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:07
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 21 de Julho de 2010
Levantado do chão - Ou a história da epopeia do operariado agrícola Alentejano contada ao mundo

José Saramago, Prémio Nobel da Literatura em 1998 e recentemente falecido, escreveu e publicou o essencial da sua obra nos 20 anos anteriores à conquista desse prémio. O primeiro dos romances em que se revela o seu estilo próprio de escrita é precisamente Levantado do Chão. Publicado em 1980, representa para o autor «o último romance do Neo-Realismo, fora já do tempo neo-realista» (Reis, 1998, p.118). De facto, não sendo estritamente um romance neo-realista, Levantado do Chão pode ser visto como um entroncamento para onde confluiu toda uma forma de fazer literatura em Portugal no século XX.

Nesta obra de ficção Saramago aborda, por um lado, a história da vida e morte do latifúndio, com efeito, desde a Idade Média até finais dos anos 70 e, por outro lado, num espaço histórico mais curto, a saga da família Mau-Tempo «que, em três gerações (Domingos Mau-Tempo, seu filho João e seus netos António e Gracinda, esta casada com outra personagem central, António Espada), vai conquistar a terra para as capacidades do seu trabalho, vai arrancar-se à vergonha das humilhações, vai preencher a fome de uma falta total. O romance é, assim, a história de um fatalismo desenganado, constantemente combatido pelo apontar da esperança feita luta» (Seixo, 1987, p.39). As duas ondas históricas entrelaçam-se num período de tempo que vai do final do século XIX até aos anos seguintes à Revolução de 25 de Abril de 1974. Esta articulação entre dois planos tem a vantagem de oferecer uma problematização assaz instigante do papel e do lugar do(s) indivíduo(s) no desenvolvimento histórico mais vasto.

Ler Texto Integral

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 20 de Fevereiro de 2010
Momento marcante da História do nosso País

     Estamos aqui, hoje, a assinalar o 35º aniversário do início da Reforma Agrária, momento marcante da História do nosso País, em que os assalariados agrícolas do Alentejo e Ribatejo - levando por diante as conclusões da I Conferência dos Trabalhadores Agrícolas do Sul, realizada pelo PCP, em Évora, em 9 de Fevereiro de 1975 - avançaram audaciosamente no caminho da construção concreta da Reforma Agrária e substituíram o desemprego e a miséria pela produção, o trabalho e o pão.

Como incisivamente afirmou, na altura, o camarada Álvaro Cunhal, «vivemos um momento histórico nos campos do Sul. Pelas mãos dos trabalhadores, a Reforma Agrária deu os primeiros passos. Do Alentejo das terras incultas, das charnecas, dos pousios, do gado raro e miserável, dos baixos rendimento das culturas; do Alentejo do desemprego, da fome a da miséria, os trabalhadores, com o apoio do Estado democrático, farão um Alentejo com uma agricultura que dará em abundância os produtos de que os trabalhadores e o País necessitam». E assim foi.

                                                   


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009
Médicos cubanos em Portugal

Duas notícias recentes:

Sobre a medicina em Cuba neste blogue:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                      

Adenda em 02/09  às 08h55m:

  • Protocolos médicos com Cuba (a partir dos 11m30s até aos 16m20s) Novos protocolos entre Vila Real de Santo António e Cuba (SIC, 31 de Agosto de 2009)


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:07
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 11 de Março de 2009
Manuel da Fonseca (15 de Outubro de 1911 — 11 de Março de 1993)

     Manuel Lopes Fonseca

                                                                                                                                           


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:07
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 20 de Setembro de 2007
Leitura Obrigatória (XX)

    Lutas de Massas em Abril e Maio de 1962 no Sul do País (António Gervásio)

A presente brochura é constituída, fundamentalmente, por um relatório sobre as lutas de Abril e Maio de 1962 nos campos do Sul, da autoria de António Gervásio, que interveio de forma directa na organização dessa jornada heróica.

Natural de Montemor-o-Novo, António Gervásio, operário agrícola, aderiu ao PCP com 18 anos. Em 17 de Julho de 1947, foi preso pela primeira vez por ter participado numa greve de ceifeiros na sua terra natal. Julgado, foi condenado a dois meses de prisão, saindo em liberdade em 20 de Novembro do mesmo ano. Em 1952, entra para o quadro de funcionários do Partido, passando à clandestinidade. De novo preso em 8 de Agosto de 1960, é condenado a cerca de seis de anos de prisão, acrescidos das famigeradas «medidas de segurança». A 4 de Dezembro de 1961, na célebre fuga de Caxias, evade-se para logo retomar, na clandestinidade, o seu posto de combate.

Em 31 de Julho de 1971 é preso pela terceira da vez. Sempre brutalmente torturado, sofre nesta última prisão mais de 400 horas de tortura do sono. Condenado a 14 anos de prisão e ainda a «medidas de segurança», sai em liberdade na madrugada de 27 de Abril de 1974.

É membro do Comité Central do PCP e foi membro da sua Comissão Política de 1974 a 1990.

Actualmente faz parte da Direcção da Organização Regional de Évora do PCP.

 

In Edições «Avante!»

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:08
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
15
16

17
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Ay Carmela!

UPP: 3 dias no Alentejo (...

UPP: 3 dias no Alentejo

Recordando a Reforma Agrá...

UPP: Visita de estudo 3 d...

CANTE ALENTEJANO - para m...

Cante Alentejano como Pat...

UPP: 8ª Visita de estudo ...

UPP: Seja alentejano por ...

UPP: Alentejo - Patrimóni...

UPP: Alentejo - Patrimóni...

Seja Alentejano por 3 dia...

30 anos: «Levantado do Ch...

Levantado do chão - Ou a...

Momento marcante da Histó...

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

câmara municipal

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds