TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Domingo, 12 de Novembro de 2017
12 de Novembro de 1991 – Massacre de Santa Cruz

A luta do povo timorense pela independência ficou marcada pelo massacre do Cemitério de Santa Cruz, a 12 de Novembro de 1991.

As imagens da chacina, recolhidas pelo repórter inglês Max Stahl, acordaram o mundo para a realidade que se vivia em Timor-Leste desde a invasão do território pela Indonésia, ocorrida com a cumplicidade dos EUA em Dezembro de 1975.

Nesse dia, mais de duas mil pessoas marcharam desde a igreja onde se celebrou uma missa em memória do jovem Sebastião Gomes, assassinado pelas forças indonésias, até ao cemitério, para lhe prestar homenagem.

O exército abriu fogo sobre a população, matando 271 pessoas no local e ferindo outras 127, que morreram nos dias seguintes.

Depois do massacre, a causa timorense ganhou força, com inúmeros países a reconhecer o seu direito à independência, o que se veio a concretizar em 30 de Agosto de 1999.

AQUI

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 25 de Outubro de 2016
25 de Outubro de 1975 – Ditadura brasileira assassina Vladimir Herzog

Director da TV Cultura e responsável pelo telejornal «Hora da Notícia», Vladimir Herzog (Vlado) foi assassinado no dia 25 de Outubro de 1975, em São Paulo, nas instalações do Destacamento de Operações de Informações, do Centro de Operações de Defesa Interna.

Vlado, que após intimação se apresentou voluntariamente para «prestar depoimento» sobre a sua alegada ligação ao Partido Comunista do Brasil, na clandestinidade desde o golpe militar de 1964, foi torturado até à morte.

A versão de «suicídio», divulgada pelas autoridades militares, só foi rectificada em 2013, no âmbito dos trabalhos da Comissão Nacional da Verdade.

Segundo o relatório da Comissão, Vlado foi morto pela «Operação Radar», que tinha como objectivo liquidar a organização do Partido Comunista do Brasil e foi responsável pela morte de 20 militantes do partido entre 1974 e 1976, 11 deles ainda desaparecidos.

AQUI

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:05
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Outubro de 2013
Instigação ao terror

-

«A máquina de morte estadunidense prossegue a política de terrorismo de Estado»

-



publicado por António Vilarigues às 17:36
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Julho de 2013
A guerra dos drones

-

Tal como se imagina que fazem os chefes mafiosos, o “Nobel da PazBarack Obama tem uma reunião semanal em que decide quem vai ser assassinado a seguir. Essas execuções extrajudiciais são levadas a cabo pela mais sofisticada tecnologia, e comandadas à distância. O mesmo sistema monstruoso que tem o mundo inteiro sob escuta tem igualmente o mundo inteiro como alvo, se Obama assim o entender. É um criminoso de guerra, como os seus antecessores.

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 08:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2011
José Dias Coelho (19 de Junho de 1923 / 19 de Dezembro de 1961)

José Dias Coelho

Artista militante e militante revolucionário

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Sexta-feira, 19 de Março de 2010
Honduras: Jornalistas assassinados

      Sem que o governo de facto das Honduras dê qualquer explicação ou tome uma posição pública, prossegue a onda de assassinatos perpetrados por grupos armados no país, os quais, aparentemente, actuam com total impunidade.

Na noite de domingo, na cidade de Tocoa, a vítima foi o director de notícias da estação local de televisão, Bahún Palacios Arteaga. Segundo informações divulgadas segunda-feira, o carro de Arteaga foi interceptado por dois outros veículos donde foram disparados 42 tiros. O jornalista teve morte imediata.

Três dias antes, em La Ceiba, também o jornalista David Meza foi abatido a tiro por desconhecidos, isto depois de ter recebido diversos telefonemas anónimos que o avisavam para «ter cuidado com os assuntos que cobria».

Já na segunda-feira, o Alto Comissariado para os Direitos Humanos da ONU recomendou que sejam levadas a cabo investigações sérias sobre as denúncias de violações dos direitos humanos no país – desaparecimentos e assassinatos, raptos e torturas, elevado número de detenções arbitrárias, repressão policial – e considerou que, desde o golpe de Estado de 28 de Junho, as liberdades e garantias não têm sido respeitadas nas Honduras.

(sublinhados meus)

In jornal «Avante!» - Edição de 18 de Março de 2010

                                                                                        


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 23 de Janeiro de 2010
Abaixo a impunidade!

Abaixo a Impunidade Latuff2 (Carlos Latuff)

                                                 

Ler o comentário de Latuff:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2010
Lei da Amnistia no Brasil

Punidos e impunes da Anistia   Latuff2 (Carlos Latuff)

                                                

Comentários de Carlos Latuff:

Com todo esse burburinho sobre a revisão da Lei de Anistia prevista no Programa Nacional de Direitos Humanos, um discurso tem sido frequente. Que se deva apurar os crimes cometidos de ambos os lados durante o regime militar, tanto dos militantes de esquerda quanto das forças de repressão.

O que a primeira vista pode parecer uma posição de aparente equilíbrio, traz na verdade um conceito reacionário, de que a resistência armada a um regime de exceção seja vista como crime (criminalização).

Não nos esqueçamos de que os militantes de esquerda que lutaram contra a ditadura militar no Brasil já tiveram punição suficiente. Foram presos, cassados, implacavelmente torturados, executados, desaparecidos. Já seus carrascos, sem nenhum arranhão, escaparam tranquilos da Justiça, indo se refugiar nos braços da Lei de Anistia, inclusive reverenciados pelos seus atuais colegas de farda nos clubes militares da vida.

Levar ao banco dos réus ex-militantes que pegaram em armas para enfrentar fascistas no Brasil seria tão absurdo quanto julgar os partisans pelos atentados cometidos contra militares alemães durante a ocupação da França na Segunda Guerra Mundial. É confundir, maliciosamente, vítimas com algozes...mais uma vez.

Por isso, meus caros internautas, eu lhes trago este checklist, para que possam imprimir em papel cartão, num tamanho que caiba no bolso ou dentro da carteira. Quando o assunto for revisão da Lei de Anistia e alguém lhe disser que "ambos os lados devam ser punidos", mostre essa charge, só como um lembrete de mais essa verdade inconveniente.

Para Ler:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:05
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009
Paco Ibañez sobre Barack Obama

    Pergunta do jornalista da Visão:

Com que olhos vê a vitória de Obama, nos EUA? Com alguma esperança?

Resposta de Paco Ibañez:

Não, esperança nenhuma. Como vai Obama mudar algo se vai governar um país que é, em si, imperialista e se construiu sobre massacres, crimes e ocupações, em todo o mundo? Os centros de poder são exactamente os mesmos e se ele não os respeitar vai voltar a ser só um negro... Entendes? Não é nada pessoal contra Obama, é uma questão estrutural dos Estados Unidos. Não, nenhuma esperança. Não enganemos mais as pessoas, que já são suficientemente enganadas...

In revista "VISÃO" nº 827 - Edição de 8 de Janeiro de 2009 

 

Para Ver e Ouvir:

  • Vídeo:  PACO IBAÑEZ (Aniversário do assassinato de José Couso. Paco Ibañez canta "A GALOPAR" em frente à embaixada dos EUA)      


Lembram-se de José Couso? Se não se lembram:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                   

Notícias AQUI

                       


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:07
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 9 de Março de 2008
Anedota da Semana (IX)

    O cidadão e ministro Augusto Santos Silva disse ontem, no seguimento disto, perante as câmaras da RTP1 algumas inverdades e outras tantas meias verdades.

  • A propósito do «essencial» o ministro escondeu factos. Porquê? Sabe perfeitamente que o secretário geral do PCP, Jerónimo de Sousa, quando de outros incidentes semelhantes, salvo erro em Castelo Branco, telefonou ao 1º Ministro José Sócrates. Sabe que assegurou que o PCP nada tinha a ver com manifestações à porta de reuniões do PS. O mesmo foi reafirmado na Assembleia da República, num debate com o 1º ministro, pelo presidente do grupo parlamentar do PCP, Bernardino Soares. E por Jerónimo de Sousa. O ministro dos Assuntos Parlamentares estava presente. Esqueceu-se ou a insinuaçãozinha rasca dá jeito?...
  • Mário Soares foi militante do PCP até finais dos anos 40. Salgado Zenha foi militante do PCP até finais dos anos 60. Manuel Alegre foi militante do PCP até finais dos anos 60.
  • O PS foi fundado em 19 de Abril 1973.
  • Manuel Alegre só aderiu ao PS DEPOIS do 25 de Abril de 1974.
  • Significa que a maior parte da actividade de resistência à ditadura fascista de Salgado Zenha e Manuel Alegre, e uma boa parte da de Mário Soares, foi feita nas fileiras do Partido Comunista Português.
  • Isto são factos. E factos são factos. Não implicam nenhum juizo de valor.
  • O cidadão Augusto Santos Silva tinha obrigação de estar mais bem informado sobre os militantes do seu partido...

Não há dúvida que a ignorância é atrevida...

                        


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 16:34
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 8 de Março de 2008
Carta Aberta ao Senhor Ministro dos Assuntos Parlamentares

    Exmº Senhor Ministro Augusto Santos Silva,

Venho por este meio informá-lo que me sinto insultado pelas suas afirmações proferidas ontem à noite, em Chaves e dadas hoje à estampa na comunicação social escrita.

Foi o comunista do meu pai, Sérgio Vilarigues, que esteve preso 7 anos (dos 19 aos 26) no Aljube, em Peniche, em Angra e no campo de concentração do Tarrafal para onde foi enviado já com a pena terminada. Que foi libertado por «amnistia» em 1940, quatro anos depois de ter terminado a pena. Que passou 32 anos na clandestinidade no interior do país, o que constitui um recorde europeu. Não foi ao seu pai, e ainda bem, que tal sucedeu.

Foi a comunista da minha mãe, Maria Alda Nogueira, que, estando literalmente de malas feitas para ir trabalhar em França com a equipa de Irène Joliot-Curie, pegou nas mesmas malas e passou à clandestinidade em 1949. Que presa em 1958 passou 9 anos e 2 meses nos calabouços fascistas. Que durante todo esse período o único contacto físico próximo que teve com o filho (dos 5 aos 15 anos) foi de 3 horas por ano (!!!). Que, sublinhe-se, foi condecorada pelo Presidente da República Mário Soares com a Ordem da Liberdade em 1988. Não foi à sua mãe, e ainda bem, que tal sucedeu.

Foi a mãe das minhas filhas, Lígia Calapez Gomes, quem, em 1965, com 18 anos, foi a primeira jovem legal, menor (na altura a maioridade era aos 21 anos), a ser condenada a prisão maior por motivos políticos – 3 anos em Caxias. Não foi à sua esposa, e ainda bem, que tal sucedeu.

Foi a minha filha mais velha, Sofia Gomes Vilarigues, quem até aos 2 anos e meio não soube nem o nome, nem a profissão dos pais, na clandestinidade de 1971 a 1974. Não foi à sua filha, e ainda bem, que tal sucedeu.

Fui eu, António Vilarigues, quem aos 17 anos, em Junho de 1971, passou à clandestinidade. Não foi a si, e ainda bem, que tal sucedeu.

Foi o caso do primeiro Comité Central do Partido Comunista Português eleito depois do 25 de Abril de 1974. Dos 36 membros efectivos e suplentes eleitos no VII Congresso (Extraordinário) do PCP em 20 de Outubro de 1974, apenas 4 não tinham estado presos nas masmorras fascistas. Dois tinham mais de 21 anos de prisão. Com mais de 10 anos de prisão eram 15, entre eles Álvaro Cunhal (13 anos).

São casos entre milhares de outros (Haja Memória) presos, torturados e até assassinados pelo fascismo. Para que houvesse paz, democracia e liberdade no nosso país.

Para que o senhor ministro pudesse insultar em liberdade. Falta-lhe a verticalidade destes homens e mulheres. Por isso sei que não se retratará, nem muito menos pedirá desculpas. As atitudes ficam com quem as praticam.

                    

Penalva do Castelo, 8 de Março de 2008

António Nogueira de Matos Vilarigues

                        


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:47
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
28
29
30

31


posts recentes

12 de Novembro de 1991 – ...

25 de Outubro de 1975 – D...

Instigação ao terror

A guerra dos drones

José Dias Coelho (19 de J...

Honduras: Jornalistas ass...

Abaixo a impunidade!

Lei da Amnistia no Brasil

Paco Ibañez sobre Barack ...

Anedota da Semana (IX)

Carta Aberta ao Senhor Mi...

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

câmara municipal

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds