TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Terça-feira, 20 de Junho de 2017
Candidatos CDU à Câmara e à Assembleia Municipal de Oliveira de Frades

Apresentação candidatos.jpg

 

Apresentação dos Candidatos CDU à Câmara e à

Assembleia Municipal de Oliveira de Frades

 

Oliveira de Frades - 17-06-2017.jpg

Clicar nas imagens para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 06:39
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 16 de Junho de 2017
Apresentação dos primeiros Candidatos da CDU à Câmara e Assembleia Municipal de Penalva do Castelo

Penalva candidatos1.jpg

 

 Apresentação dos primeiros Candidatos da CDU à

Câmara e Assembleia Municipal de Penalva do Castelo

 

penalva16 de junho.jpg

Clicar nas imagens para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 21:25
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 13 de Junho de 2017
Encontro Distrital de Viseu de Eleitos e Activistas da CDU

Encontro CDU 11-06-2017_3.jpg

O Encontro Distrital de Viseu de Eleitos e Activistas da CDU, reuniu no Solar dos Peixotos, mais de uma centena de participantes e procedeu à avaliação da situação do Poder Local no Distrito, da acção e intervenção da CDU e dos seus eleitos nos diversos órgãos, à troca de experiências e tomada de medidas para melhorar a ligação às populações e o apoio aos eleitos.

A constituição de uma Comissão Coordenadora Distrital da CDU, com vista à preparação das próximas eleições autárquicas, foi outra das decisões do Encontro.

(...)

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:11
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 2 de Junho de 2017
Encontro Distrital da CDU - 11 Junho, 14:30, Solar dos Peixotos, Viseu

Cartaz 2017-06-11.jpg

Clicar na imagem para ampliar

 

(...)

Não é por acaso que a Freguesia de Real, em Penalva do Castelo, de maioria CDU, é considerada a nível nacional um exemplo ímpar, de gestão participada e democrática, com o envolvimento constante da população na elaboração e execução de cada orçamento.

O resultado está à vista: em 8 anos de exercício de poder pela CDU, o desenvolvimento da Freguesia e a melhoria das condições de vida materiais e imateriais da população não têm parado de crescer.

(...)

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 15:19
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 31 de Maio de 2017
Apresentação dos Primeiros Candidatos da CDU em Viseu

CDU Viseu 2017.jpg

 

Apresentação dos Primeiros Candidatos da CDU em Viseu

 

CDU_Foto Apresentação_2017.jpg

Clicar nas imagens para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 11:32
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2016
As notícias sobre o princípio do fim do PCP são manifestamente exageradas...

2016 SJM

 

No passado dia 24 de Janeiro realizaram-se eleições para a Câmara Municipal de São João da Madeira. Em simultâneo (os eleitores recebiam dois boletins de voto - 1 para cada eleição) decorreram as eleições para Presidente da República.

Como se pode constatar a CDU, que em em 2013 obtivera 620 votos (AQUI), alcançou em 2016 os 603.Ou seja, manteve o seu eleitorado.

Nos resultados da candidatura do camarada Edgar Silva, no mesmo momento, mas numa eleição diferente, pesaram os factores constantes da análise do Comité Central do PCP (AQUI).

 

Quod erat demonstrandum as notícias e as análises sobre o princípio do fim do PCP são manifestamente exageradas...

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 17:09
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 19 de Outubro de 2015
Vale sempre a pena lutar

Manifestação STAL 2015

Num acórdão datado de 7 de Outubro, o Tribunal Constitucional declarou a inconstitucionalidade da ingerência do Governo na celebração de acordos colectivos de emprego público (ACEP) com as autarquias.

Como refere o STAL, este comportamento do Governo «abusivo, ilegal e inconstitucional», feriu «a liberdade de exercício do direito à contratação colectiva» e violou a «a autonomia do Poder Local Democrático».

Relembremos o processo: a partir de 2013, contrariando a imposição pelo Governo do horário das 40 horas semanais aos trabalhadores da Administração Pública muitas autarquias, em particular as da CDU, negociaram e subscreveram ACEP com o STAL e o STML que estabeleciam, entre outras matérias, o horário das 35 horas semanais para os seus trabalhadores sem adaptabilidade e banco de horas.

Boicotando este processo, o Governo recusou a sua publicação, o que levou a uma longa luta pelos trabalhadores da Administração Local conduzida pelo STAL/CGTP-IN: paralisações, greves, concentrações, manifestações, denúncias, recurso aos tribunais incluindo uma queixa-crime contra o Secretário de Estado da Administração Pública por abuso de autoridade e uma exposição ao Provedor de Justiça que, por sua vez, pediu a intervenção do Tribunal Constitucional com o desfecho agora conhecido.

Este acórdão vai obrigar o Ministério das Finanças a publicar os mais de seiscentos ACEP boicotados, nova derrota política para o Governo a somar à sua pesada derrota eleitoral e grande vitória para o STAL e o STML, para os trabalhadores da Administração Local e para as autarquias que, apesar do bloqueio, não só subscreveram os ACEP como mantiveram o horário das 35 horas.

Luta a que o PCP e a CDU deram o seu apoio activo por considerarem justa a reclamação e verem a luta de massas como factor determinante e decisivo na acção reivindicativa e por uma alternativa política que afirme e defenda os direitos e interesses dos trabalhadores e do povo.

Luta vitoriosa que vem criar melhores condições para alargar esta conquista a todos os trabalhadores da Administração pública.

Afinal, vale sempre a pena lutar. Porque quem não luta já perdeu.

(sublinhados meus)

AQUI

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 18:08
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 16 de Julho de 2015
Boletim CDU de Pinheiro (Julho 2015)

Boletim_Pinheiro_01

Boletim_Pinheiro_02

Clicar nas imagens para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:56
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 2 de Março de 2015
CDU: nas autarquias como no governo

Bernardino Soares_2015-02-28

A tarefa mais importante que temos até às eleições legislativas é a de demonstrar ao povo que temos soluções para o país e de que para elas serem possíveis o PCP e a CDU têm de ter mais força e mais votos; demonstrar que outra política é possível e que os partidos não são todos iguais. Nas autarquias fazemos essa demonstração e o que fazemos nas autarquias estamos em condições de fazer no país.

Aqui em Loures muitos não acreditavam na vitória da CDU, quando nas eleições anteriores o PS atingira 48% contra 28% nossos – mas ela aconteceu. E cá estamos para concretizar uma política alternativa como em todas as autarquias da CDU.

Aqui em Loures, ao contrário do Governo que preferiu cortar nos salários e nas pensões, renegociámos uma parte significativa da nossa dívida – mais de 8 milhões de euros a pagar em dois anos em vez de em dois meses; ao contrário do Governo acabámos com os favorecimentos, renegociámos contratos, reduzimos os gabinetes e as avenças; por isso conseguimos, com mais atividade e menos 5 milhões de euros de receita, diminuir a dívida em 18,6 milhões desde o início do mandato.

Aqui em Loures, ao contrário do Governo que aplicou e mantém o enorme aumento de impostos, as taxas não aumentaram e algumas foram mesmo reduzidas, a água não aumentou e o IMI até baixou ligeiramente em 2015 e vai baixar mais um pouco em 2016.

Aqui em Loures, ao contrário do Governo, estamos a melhorar os serviços públicos, por exemplo na recolha do lixo e no abastecimento de água – que o PS degradou profundamente – ou no reforço do horário de iluminação pública.

Aqui em Loures, enquanto o Governo privatiza tudo o que pode, impedimos a privatização da água e dos resíduos dos serviços municipalizados no território de Odivelas e vamos impedir a privatização da Valorsul. Já na próxima segunda-feira, por proposta de Loures, em que se juntam todos os outros municípios participantes, vai ser provavelmente aprovada em assembleia geral a exclusão da EGF de sócio da Valorsul, por atos lesivos à sociedade, colocando um pedregulho no caminho da privatização que o Governo já dava como certa.

Aqui em Loures, ao contrário do Governo que corta na educação, investimos em obras nas escolas 1,5 milhões em 2014, com a criação de mais 4 salas de jardim de infância, a diminuição dos regimes duplos de 91 para 54 e a contratação de mais auxiliares.

Aqui em Loures queremos mais investimento e por isso aprovámos um empréstimo de 12 milhões de euros para os próximos dois anos, para aplicar em escolas, na rede viária e na reabilitação urbana. E chegaremos ao final do mandato com menos dívida de empréstimos e menos serviço da dívida bancária em cada ano. Já o Governo, apesar de cortar radicalmente no investimento, aumentou brutalmente a dívida e paga cada vez mais juros.

Aqui em Loures acordámos com os sindicatos as 35 horas, enquanto o Governo continua teimosamente a querer impor as 40 horas com prejuízo para os trabalhadores e para os serviços públicos. Ao contrário do Governo, que despede, abrimos concursos para mais de 50 trabalhadores.

Ao contrário do Governo estamos de cara levantada perante a população...

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 11:40
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2015
Boletim CDU de Cinfães (Janeiro 2015)

Boletim_Cinfaes_Jan2015_Vertical_03-01

 

Boletim_Cinfaes_Jan2015_Vertical_03-02

 Clicar nas imagens para visualizar a ligação

A Comissão Concelhia de Cinfães da CDU, intervém com regularidade sobre os problemas que afectam a população do Concelho, mantendo uma postura atenta, construtiva e singular, com resultados positivos na elevação da qualidade de vida dos cinfanenses.

Neste Boletim de Janeiro de 2015, a CDU aborda temas prementes como os do risco de encerramento dos Postos Médicos de Oliveira do Douro, Nespereira, Moimenta, Santiago de Piães e Souselo, os ataques de lobos na Serra de Montemuro ao gado ovino e bovino e a não intervenção adequada dos serviços do Ministério da Agricultura, o encerramento do Tribunal e da Comarca de Cinfães e as graves consequências para o acesso à justiça das gentes já de si tão isoladas desta região, questões ligadas ao exercício autárquico e à falta de resposta a questões colocadas reiteradamente pela CDU.

Este Boletim vai ser distribuído por todo o Concelho de Cinfães, levando ao conhecimento das populações a postura da CDU sobre alguns dos problemas que influenciam o seu presente e o seu futuro.

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 25 de Novembro de 2014
Encontro de eleitos e activistas da CDU do distrito de Viseu

Encontro Distrital CDU 2014-11-22_1

Decorreu no passado Sábado, dia 22 de Novembro, com inicio às 14,30 horas, na Sede da Junta de Freguesia de Real, Penalva do Castelo, um Encontro de Eleitos e Activistas da CDU.

O Encontro contou com de cerca de 60 eleitos e activistas, tendo-se registado mais de 20 intervenções por parte dos presentes, nas quais foram relatadas experiências de participação dos eleitos, problemas com que se defrontam, necessidades de mais acompanhamento para melhorar os níveis de intervenção nos órgãos e dar a conhecer às populações o trabalho realizado.

O desempenho das autarquias do distrito (13 Câmaras PSD e 11 PS), a definição de formas orgânicas de melhoramento do acompanhamento do trabalho autárquico unitário e o apontar de soluções para qualificar e agilizar a intervenção pública sobre os problemas das populações, em articulação com os eleitos, foram outras questões a que o Encontro deu particular atenção.

Encontro Distrital CDU 2014-11-22_3

Constituíram a Mesa do Encontro João Almeida, do Gabinete Nacional de Apoio ao Trabalho nas Autarquias e da Comissão Nacional de Eleições, Pedro Pina Nóbrega, Presidente da Junta de Freguesia de Real, Miguel Martins, da Comissão Executiva e do Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes” e João Abreu, do Comité Central e Responsável da DORV do PCP.

A escolha de Real para a realização do Encontro, uma Freguesia CDU do Concelho de Penalva do Castelo, foi intencional. Real afirma-se no panorama das freguesias do País como um exemplo único de boa gestão, de prática permanente da democracia participativa, expressa na discussão com a população de todos os orçamentos e planos de actividades e obras fundamentais, de respostas sociais humanizadas e não caritativas, de recuperação e valorização do património natural e cultural, de pioneirismo nas soluções encontradas para a ocupação dos tempos livres dos habitantes de todas as idades, de preocupação constante com o bem estar e a elevação da qualidade de vida dos seus fregueses.

Como conclusão do Encontro, fica também o reconhecimento da qualidade de intervenção e o empenhamento dos eleitos da CDU em defesa das populações, o exercício de uma prática de análise crítica do trabalho das maiorias, sempre acompanhado de positivas propostas para a resolução dos problemas.

Encontro Distrital CDU 2014-11-22_4

Por se estar  em terras de boa castanha e melhor jeropiga, o Encontro terminou com um animado Magusto Convívio (as castanhas de Penedono foram assadas no Forno Comunitário de Real), que ajudou a cimentar o conhecimento mútuo e a sã amizade entre os participantes.

Em anexo os documento de conclusões do Encontro

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:51
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 19 de Novembro de 2014
Encontro de eleitos e activistas da CDU do distrito de Viseu

EncontroCDU_Real

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A escolha de Real para a realização do Encontro, uma freguesia CDU do Concelho de Penalva do Castelo, foi intencional. Real afirma-se no panorama das freguesias do País como um exemplo único de boa gestão, de prática permanente da democracia participativa, expressa na discussão com a população de todos os orçamentos e planos de actividades e obras fundamentais, de respostas sociais humanizadas e não caritativas, de recuperação e valorização do património natural e cultural, de pioneirismo nas soluções encontradas para a ocupação dos tempos livres dos habitantes de todas as idades, de preocupação constante com o bem estar e a elevação da qualidade de vida dos seus fregueses.

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:42
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 21 de Dezembro de 2013
Venezuela: Em 14 anos de Revolução realizaram-se 19 actos eleitorais

-

Neste país que a União EUropeia (UE) não aceita como uma democracia – ao contrário da Colômbia dos criminosos paramilitares – em 14 anos de Revolução realizaram-se 19 atos eleitorais, sempre ganhos pelo movimento bolivariano.
Note-se que em 40 anos de alternância entre social-democratas e democratas cristãos (a democracia que os oligarcas gostam) houve apenas 15 processos eleitorais, com a exclusão de uma massa enorme de cidadãos impedidos de votar por serem analfabetos. Este “regime”, para o “mundo livre” uma democracia, procedia á tortura, assassínio, desaparecimento de oposicionistas incluindo jovens estudantes. Não consta que cá ou em qualquer país da UE os “bons espíritos” da Internacional Socialista e dos direitos humanos se preocupassem com o que se passava.
Jimmy Carter classificou o sistema eleitoral venezuelano como o melhor dos 98 que tinha observado por todo o mundo. Para a comunicação social controlada porém, continua a ser o “regime”de Chavez ou Maduro que se esforçam por apresentar como tresloucados.

-

-

Publicado neste blogue:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 11:21
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2013
Venezuela – Uma vitória notável!

-

A direita reaccionária e golpista venezuelana viu na morte do presidente Chavéz, em Março deste ano, uma oportunidade para fazer reverter as conquistas que o povo venezuelano alcançou ao longo dos últimos 15 anos de transformações progressistas e revolucionárias. O capitalismo cavou fundo na sociedade venezuelana, demonstrando o quão criminoso, inumano e violento pode ser. Sentando-se em cima de imensas massas de gente pobre, sem direitos, indigente, o grande capital venezuelano e o imperialismo erigiram um sistema de poder que ainda hoje, em variados aspectos, não foi destruído. Um sistema que essas mesmas classes dominantes sempre usaram para torpedear o processo revolucionário na Venezuela.

-

«As forças progressistas e revolucionárias venezuelanas triunfaram na esmagadora maioria dos municípios do país. O Partido Comunista da Venezuela (PCV) governa nove autarquias.

Embora os resultados definitivos não tenham sido ainda divulgados pelo Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, com cerca de 98 por cento dos votos escrutinados a tendência indica que os bolivarianos venceram em mais de 250 municípios, contra 74 ganhos pela opositora Mesa de Unidade Nacional (MUD).»

-

Publicado neste blogue:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 11:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 6 de Outubro de 2013
Análise dos resultados das eleições autárquicas de PSD, CDS, PS e BE

-

A expressiva derrota do PSD e CDS (traduzida na perda de mais de 550 mil votos e de mais de 10 pontos percentuais) é indissociável de uma clara condenação dos trabalhadores e do povo português, da política de ruína e de empobrecimento para que está arrastar o País e a vida dos portugueses.

As manobras já ensaiadas para procurar afastar leituras nacionais destas eleições não iludem que estes resultados traduzem uma expressão significativa no plano eleitoral do crescente isolamento político e social dos partidos do governo, que só reforçam a necessidade, possibilidade e urgência da sua demissão.

O resultado eleitoral do PS – que regista uma redução de votação face a 2009 (menos 263 mil votos, passando de 36.7% para 34.9 %) – traduz, apesar dos esforços para tentar apresentar-se com um discurso de oposição e distanciamento do governo, um sinal de distanciamento de muitos eleitores face, não apenas ao seu percurso governativo num passado recente, mas também, e sobretudo, quanto ao seu comprometimento com o Pacto de Agressão e os eixos essenciais da política do actual governo.

Assume particular significado que os partidos da Troika nacional – PS, PSD, CDS – tenham perdido mais de 800 mil votos, traduzindo uma clara condenação da política de direita que há anos promovem.

Regista-se ainda uma nova erosão eleitoral do BE, a par da ampliação de mandatos obtidos por listas designadas como de cidadãos eleitores, resultante do crescimento do número de candidaturas com diferentes e contraditórias origens, e de uma clara promoção de que beneficiaram.

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 5 de Outubro de 2013
Juntas de freguesia de presidência CDU

-

A CDU elegeu:

  • 44 presidentes de Junta no distrito de Setúbal

  • 37 em Beja

  • 26 em Évora

  • 16 em Lisboa

  • 16 em Portalegre

  • 11 em Santarém

  • 4 em Coimbra

  • 3 em Faro

  • 3 em Leiria

  • 2 em Braga

  • 2 no Porto

  • 2 em Viana do Castelo

  • 1 em Castelo Branco

  • 1 na Guarda

  • 1 em Viseu [Penalva do Castelo: Real].

Lista de Juntas de Freguesia de presidência CDU

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:46
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 4 de Outubro de 2013
Câmaras municipais de presidência CDU

-

A CDU ganha as presidências das câmaras municipais de Alandroal, Alcácer do Sal, Beja, Cuba, Évora, Grândola, Loures, Monforte, Silves e Vila Viçosa.

Perde as presidências das câmaras municipais de Chamusca, Crato, Nisa e Vendas Novas.

Lista de Câmaras Municipais de presidência CDU

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

O voto, a CDU, a luta

-

É por demais significativo que os activistas e candidatos da CDU tenham sido os únicos que em Penalva do Castelo deram a cara e fizeram do contacto directo com as populações o seu principal instrumento de acção.

E foi assim por serem os únicos que podiam olhar os eleitores, olhos nos olhos:

  • lembrando-lhes que trabalho, honestidade, competência é imagem de marca exclusiva da CDU como se pode comprovar na freguesia de REAL;

  • lembrando-lhes que as forças que integram esta Coligação estiveram sempre na primeira fila da luta contra a política de desemprego, de roubos nos salários, de assaltos a pensões e reformas, de afundamento de Portugal;

  • lembrando-lhes que os que ali estavam, agora, a pedir-lhes o voto, eram os mesmos que lá estiveram a lutar pelo Serviço Nacional de Saúde, pela Escola Pública, contra a liquidação dos postos de Correio e outros serviços públicos essenciais.

E assim confirmando, também neste aspecto, que, ao contrário do que propalam os ideólogos da política de direita, os partidos não são todos iguais.

No domingo, a luta deu mais força ao voto.

É agora a vez de o voto dar mais força à luta.

E assim será já no dia 19 de Outubro.

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:03
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 1 de Outubro de 2013
Um conjunto de resultados de inegável valor, importância e significado

     

Declaração de Jerónimo de Sousa:

1. A CDU saúda os milhares de candidatos, activistas e militantes do PCP, do PEV, da Intervenção Democrática, da juventude CDU e independentes que com a sua dedicação e a sua intervenção contribuíram para construir esta importante vitória eleitoral.

Uma vitória da confiança e da esperança sobre a desilusão e o conformismo, comprovando que os trabalhadores e o povo têm nas suas mãos e também no seu voto a possibilidade de com o apoio à CDU, juntar vontades e energias indispensáveis a uma empenhada e confiante intervenção na luta por um País mais justo, desenvolvido e soberano. Um resultado que dá mais força e confiança à luta por uma política alternativa que derrote o rumo de desastre imposto pela política de direita e abra perspectivas de uma política alternativa, patriótica e de esquerda.

CDU saúda todos aqueles que lhe confiaram o seu apoio e o seu voto reafirmando-lhes o firme compromisso de que encontrarão agora na acção dos milhares de eleitos da Coligação uma presença de trabalho e dedicação para a construção de uma vida melhor e para o progresso e desenvolvimento das suas freguesias e concelhos. E sublinha especialmente que o apoio e a confiança agora depositadas na CDU estará presente para dar voz e expressão, em todos os locais e em todos os momentos, à luta em defesa dos direitos, pelo emprego, a protecção social e a uma vida digna.

2. A expressiva votação alcançada com o significativo reforço da percentagem eleitoral, aumento do número de vereadores, a confirmação da generalidade das suas posições de maioria e a conquista de novas maiorias, como são os casos de Évora, Beja, Grândola, Alcácer do Sal, Alandroal, Cuba, Vila Viçosa, Monforte, Silves, com a possibilidade de vencer em mais municípios, nomeadamente Loures.

Este reforço representa uma sólida progressão da CDU que testemunha a ampla corrente de apoio e confiança de um número crescente de portugueses e portuguesas.

3.CDU sublinha o inegável valor, importância e significado do conjunto dos resultados hoje obtidos. Resultados que são expressão do reconhecimento da intervenção da CDU nas autarquias, do seu percurso de trabalho, honestidade e competência, de dedicação aos interesses populares e à causa pública.

Mas o importante progresso e avanço eleitoral, e o expressivo avanço da votação e posições obtidas traduz igualmente o reconhecimento da intervenção coerente e determinada das forças que integram a CDU – o PCP, o PEV, a Intervenção Democrática - na defesa dos interesses dos trabalhadores e das populações e na resistência e combate à política de direita.

A votação obtida pela CDU constitui um factor de confiança e esperança de que é possível um outro caminho e um outro rumo, um estimulo à luta e ao que ela pode abrir de perspectivas e concretização de uma política alternativa, e um testemunho de que, como temos afirmado, está nas mãos dos trabalhadores e do povo com a sua acção, opções e voto derrotar os partidos da política de direita e dar mais força à CDU e à concretização de uma política patriótica e de esquerda.

4.CDU reafirma a sua convicção de que cada posição agora conquistada, cada um dos mais de três mil mandatos alcançados pela CDU constituirão um elemento mais de trabalho, intervenção e inteira entrega na defesa dos interesses das populações, na promoção das condições de vida local e na luta por um Portugal mais justo e desenvolvido.

Uma intervenção que terá continuidade já amanhã na luta de todos os dias – em que avulta essa grande acção de luta nacional a “Marcha Por Abril, Contra a exploração e o empobrecimento” já convocada pela CGTP para o próximo dia 19 de Outubro.

Uma intervenção para fazer avançar as propostas que assegurem a melhoria dos salários e pensões, o respeito pelos direitos de quem trabalha, o reforço da protecção social, a defesa e valorização dos serviços públicos, a aposta na produção nacional e na criação de emprego.

O avanço da CDU é um importante estímulo na intervenção activa e confiante para o reforço de posições nas eleições do Parlamento Europeu de 25 de Maio do próximo ano, na defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo e do País, da soberania e independência nacionais.

5. Independentemente da natureza, factores e dinâmica locais destas eleições, a expressiva perda de votação de PSD e CDS é indissociável de uma clara condenação dos trabalhadores e do povo português da política de ruína e de empobrecimento para que estão a arrastar o país e a vida dos portugueses.

As manobras já ensaiadas para procurar afastar leituras nacionais destas eleições não iludem que estes resultados traduzem uma expressão significativa o plano eleitoral do crescente isolamento político e social dos partidos do Governo que só reforçam a necessidade, possibilidade e urgência da sua demissão.

6. Os resultados obtidos pela CDU, e sobretudo a corrente de apoio às suas propostas e intervenção, a expressiva participação de jovens e independentes que fazem desta coligação um grande espaço de convergência, são um sólido elemento de confiança para as batalhas políticas futuras que continuaremos a travar por uma vida melhor, pela indispensável demissão do Governo, pela rejeição do Pacto de Agressão e pela derrota da política de direita, por uma política patriótica e de esquerda, que afirme os valores de Abril no futuro de Portugal.

(sublinhados meus)

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 18:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 27 de Setembro de 2013
Domingo 29 de Setembro, é fácil votar na CDU!

-

O governo PSD/CDS, na sua proposta de Mapa Judiciário, insiste na transferência do nosso concelho da Comarca de Mangualde para o Sátão. Despreza assim a vontade dos penalvenses, expressa em abaixo-assinado com centenas de assinaturas e numa moção aprovada por unanimidade na Assembleia Municipal de manter Penalva do Castelo na Comarca de Mangualde. Recorde-se que esta ideia peregrina foi promovida pela maioria PSD/CDS do actual executivo camarário.

Prefigura-se no horizonte o encerramento da repartição de finanças e de outros serviços públicos. Discute-se, à luz do chamado Memorando com a troika, que concelhos vão desaparecer e que concelhos vão permanecer. 

Mas na campanha eleitoral PS, PSD e CDS, privilegiaram o espectáculo das bandeirinhas, garrafas de vinho, canetas, bonés, sacos, isqueiros, dos outdoors e outros cartazes, das promessas. Como é seu hábito, a maioria do executivo da Câmara Municipal não resistiu à tentação da obra em cima da hora.

Porque a verdade dos últimos anos é esta: PS, PSD e CDS são os partidos do encerramento de extensões e centros de saúde, de hospitais, de cortes no financiamento da saúde, da educação, de privatizações atrás de privatizações, do encerramento de milhares de escolas, de despedimento de milhares de professores, de roubos nos salários e pensões.

São os partidos da redução significativa de autarquias, da alteração à Lei de Finanças Locais, da lei dos compromissos, da destruição de emprego púbico, da privatização da água, que mais não são do que a concretização do Pacto que PS, PSD e CDS, que José Sócrates, Passos Coelho e Paulo Portas subscreveram com a troika do FMI/UE/BCE. Mas em Penalva do Castelo não se vê os seus candidatos a defender tal coisa!

No que diz respeito à Câmara Municipal basta ler as actas das suas reuniões para perceber a sua incapacidade para discutir assuntos estruturantes para o concelho. Quer porque a maioria PSD/CDS não o coloca na ordem de trabalhos, quer porque a «oposição» do PS também não o faz.

Pelo contrário a CDU deste concelho chega a estas eleições forte da maneira própria de estar na política dos seus membros que se caracteriza por não se servirem dos cargos para que são eleitos. Antes pelo contrário. Usam esses cargos para defender com firmeza o interesse das populações.

Os eleitos e activistas da CDU estiveram e estão na primeira linha da defesa intransigente do Centro de Saúde, contra a falta de médicos e enfermeiros; da luta contra as portagens na A25, na A24 e na A23; do combate pela instalação efectiva dos serviços do Julgado de Paz no nosso concelho e pela manutenção do Tribunal Judicial de Mangualde com todas as suas actuais competência e pela manutenção do nosso concelho na Comarca de Mangualde; da denúncia das causas e das consequências da sistemática poluição dos rios Dão e Côja; da batalha contra a extinção de freguesias.

Apesar da sua capacidade limitada de intervenção, apenas um membro na Assembleia Municipal, a CDU tentou rumar contra a maré questionando, propondo, debatendo, esclarecendo. E na Freguesia de Real os eleitos da CDU podem apresentar um balanço de 4 anos de mandato em que os compromissos apresentados em 2009 foram cumpridos quase na íntegra (mais de 90%). Valeu a pena a mudança!

Os candidatos da CDU são candidatos de confiança!

Gente séria é outra coisa! Os eleitos na CDU são reconhecidos pelo seu trabalho, honestidade e competência. Gente de uma só cara e uma só palavra que sabe honrar os seus compromissos. Eleitos inteiramente dedicados aos interesses das populações, reconhecidos pela sua seriedade e que não buscam no poder privilégios ou benefícios pessoais.

Domingo 29 de Setembro, é fácil votar na CDU.

Procure a sigla PCP-PEV. A seguir ao símbolo da Foice e Martelo e do Girassol, faça a sua cruzinha e já está!

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 15:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 25 de Setembro de 2013
Penalva do Castelo: Travessia no Deserto

    Na total falta de ideias e ausência de debate de que o nosso Concelho realmente precisa, tudo serve para impressionar o Zé. Obras que deveriam ser feitas há muito são agora concretizadas à pressa, sendo ou não prioritárias, gastando milhares de euros do nosso dinheiro que tanto falta fazia para colmatar as necessidades dos Penalvenses. Almoçaradas, petiscos, promessas de um subsídio de desemprego ou de um qualquer lugar na Câmara para o filho ou parente, tudo serve para tentar enganar o Zé-povinho.

O nosso Concelho perdeu nos últimos anos mais de um terço da sua população, sem que nada tenha sido feito para promover a natalidade, nem para a criação de emprego.

Os Penalvenses não têm a devida assistência médica. Não temos rede de transportes.

O saneamento básico pura e simplesmente não funciona - de verão cheira mal, de inverno transborda do seu leito, e todos os dias é despejado a céu aberto para o nosso rio – uma das nossas, senão a principal riqueza, sem qualquer tratamento. Um caso de saúde pública gravíssimo. Não existem ecopontos na maioria das localidades.

Num Concelho em que a qualidade da água da rede (nos anos bons) – em determinadas épocas do ano – apenas serve para uso sanitário.

Num Concelho onde não há emprego a não ser na Câmara.

Num Concelho onde o pouco que nos restava da nossa economia local, a feira, foi deslocada para um buraco sem acessos, matando de vez o que ainda sobrava do comércio e vida da Vila.

Num Concelho onde o aproveitamento escolar é dos últimos do Ranking Nacional.

É esta a nossa realidade!
Pensar que o povo é ignorante e se vai deixar levar por uma patuscada ou outra qualquer promessa é o que veremos.

Será que é desta que o zé-povinho finalmente acorda e dá um murro na mesa e reclama a mudança que merece? Ou pelo contrário vai ficar tudo na mesma e encolhe os ombros e exclama: á é a vida! Na próxima segunda-feira já o saberemos. De qualquer forma a responsabilidade do voto é toda nossa.

Adaptado de um e-mail enviado por um leitor (identificado) de Penalva do Castelo

 

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 18:39
link do post | comentar | favorito (1)
|

Terça-feira, 17 de Setembro de 2013
Penalva do Castelo: CDU - A Força que o Concelho Precisa

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 13 de Setembro de 2013
Penalva do Castelo: Debate autárquico na Rádio Alive (7/9)

-

Debate autárquico na Rádio Alive

-

Ouçam, reflictam e opinem...

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:23
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 11 de Setembro de 2013
O recurso dos vencidos

    Seja qual for a posição que cada um assuma perante o princípio da limitação de mandatos – e a do PCP é de há muito conhecida pelas razões e fundamentos que nos dispensamos de reapresentar – já tem outro significado, bem mais grave e inquietante, pretender que essa limitação ultrapasse as fronteiras de um impedimento a uma recandidatura numa determinada autarquia para ganhar a dimensão de expropriação do direito político de um qualquer cidadão se poder candidatar.

1. Merece contestação e repúdio, embora não se estranhe, que organizações fascizantes e de extrema-direita como a da Revolução Branca inconformada com o regime democrático, as liberdades e direitos fundamentais se assuma enquanto aríete da cruzada antidemocrática que a propósito da limitação de mandatos se empreendeu no país. Mais perplexidade causa ter visto o Bloco de Esquerda, não só acompanhar e animar essa campanha, como tomar nas suas mãos esse papel na fase do processo eleitoral.  

E por antecipação às vozes indignadas que venham a surgir acusando-nos de estar a comparar o incomparável em termos de doutrina e objectivos das organizações acima citadas, aqui se esclarece que não estamos. Apenas e tão só a constatar o que objectivamente não pode ser negado: o facto de que à vez, primeiro aquela agremiação por via de providências cautelares que, embora inúteis e sem sustentação jurídico-constitucional, algumas surpreendentes decisões judiciais animaram politicamente, e depois o Bloco de Esquerda por via de uma insensata fúria impugnadora (com a hipócrita companhia do PS, diga-se),  deram corpo à operação a que acabámos de assistir.  

E se a decisão agora conhecida do Tribunal Constitucional, esperada e óbvia, pôs termo a este processo bem se pode dizer que quem as animou contribuiu, e não pouco, para alimentar o populismo mais doentio e a demagogia mais rasteira, e para minar a credibilidade da política e dos direitos democráticos.  

Merece anotação que tudo o que o BE tenha para apresentar ao país nestas eleições autárquicas se confine à perseguição de candidaturas. Como não deixará de ser objecto de registo por todos os que vêem nestas eleições mais do que a pequenez dessa dimensão, que este tenha feito desta decisão o elemento central das conclusões da sua convenção autárquica e o eixo essencial da sua campanha eleitoral.

Um “projecto” autárquico que se esgota no anúncio de impedimento de elegibilidade de outros poderá ter como objectivo procurar ganhar na secretaria o que no terreno do debate eleitoral não obtém vencimento, mas será sem dúvida curto demais para o que está em discussão e decisão em eleições locais. O caminho da limitação de direitos fundamentais, e mais ainda da sua liquidação, é um caminho perigoso que todos quantos se identificam com o regime democrático deveriam conhecer e prevenir pela simples razão de que hoje são estes os invocados para serem cerceados e amanhã serão outros mais profundos e não menos inquietantes. Que forças e organizações fascizantes o queiram percorrer pelas razões que se antevêem percebe-se, embora se repudie. Que outros sem esse posicionamento e objectivos os acompanhem na ilusória ânsia de uns quantos votos fáceis é bem mais grave.

2. Dir-se-á com verdade que esta azáfama impugnadora poderá ficar para a história conhecida como a do recurso dos vencidos. Assim é. Deitando mão ao recurso julgado mais útil – o dos recursos judiciais de impugnação – o BE expôs à evidência um conjunto de concepções, posicionamentos e argumentos reveladores da inconsistência política que o caracteriza. 

No arsenal de argumentos e pretextos sempre apresentados como os mais moralizadores e válidos, o BE não olhou a meios e bem menos ao rigor. Para o Bloco princípios constitucionais como o direito fundamental de acesso a cargos públicos em condições de igualdade e liberdade, o princípio da elegibilidade enquanto regra e o da inelegibilidade como excepção, o juízo da proporcionalidade entre o direito fundamental em causa e os interesses com ele concorrentes, são chão que deu uvas. 

Umas quantas, datadas e descontextualizadas citações de Rousseau no século XIX são bastantes para, transformando o iluminismo deste com o obscurantismo teórico de quem o invoca, fazer tábua rasa do comando constitucional sobre direitos e garantias políticas fundamentais; a inflamada invocação da proposta do Governo de Cavaco Silva de 1991 sobre a limitação de mandatos, com recurso à citação do então ministro Valente de Oliveira no debate parlamentar de então, chega para atestar o conceito de moralização de vida política que o BE parece partilhar; a deliberada mistificação sobre o chamado princípio da renovação de mandatos, insinuando em sua contraposição um quadro de perpetuação de poder, para iludir que essa renovação está sempre garantida pelo voto soberano das populações; o trocadilho sobre o alcance de  uma preposição e a sua contracção com um artigo definido (sobre a dimensão jurídica do de e do da) para “na dúvida” optar pela restrição em detrimento do direito. Ao que se deve juntar a intolerável e insultuosa tentativa de transformar cada um dos milhares de eleitos locais em potenciais réplicas de Alberto João Jardim.

No vale tudo argumentativo, o Bloco recorreu sempre pelo lado dos vencidos: assumiu objectivamente o que de mais reaccionário a Revolução Branca propagandeou e promoveu, até esta ser desautorizada e vencida, quer por acórdão do Tribunal Constitucional sobre as providências cautelares, quer pela ilegitimidade superveniente para lhe dar seguimento no processo eleitoral; citou abundante e copiosamente em seu favor o voto vencido do presidente da Comissão Nacional de Eleições ignorando a deliberação largamente maioritária adoptada pela entidade sobre a matéria; invocou entusiasticamente em seu socorro o processo legislativo de 1991 sobre a limitação de mandatos fingindo desconhecer que a lei então aprovada foi declarada inconstitucional por acórdão do Tribunal Constitucional; sustentou repetida e falsamente a tese da inelegibilidade (absoluta e inibidora de direitos políticos apenas permitida em circunstâncias especial e obrigatoriamente previstas na Lei) em contraponto à da limitação que em concreto se encontra em vigor, escamoteando o facto de tendo o BE apresentado em 2005 um projecto-lei que explicitamente visava aquele objectivo esse diploma ter sido rejeitado pela esmagadora maioria do parlamento. 

3. Não deixa de ser significativo que alguns dos que fazem desta questão o centro de tudo e que associam o número de mandatos a alegados vícios do sistema político e as teias de interesses económicos percam, porque o não têm ou ignoram, o sentido de classe que por detrás destes fenómenos se escondem e em muito os ultrapassam.

O que determina aquelas situações é a natureza de classe e os interesses económicos que lhe estão associados independentemente do papel dos indivíduos. É uma pura ilusão admitir que a teia de interesses e dependências políticas, económicas e sociais não sobreviverá pela mão dos partidos que lhes dão expressão apenas pela mera mudança do eleito dessa mesma força política. Bastaria olhar para as remodelações governamentais para se perceber que vão as pessoas mas as políticas ficam. Só por imaturidade política se pode privilegiar a natureza pessoal no exercício dos cargos, ignorando a própria seriedade de cada um, para ocultar os interesses que estão presentes para lá dos indivíduos em si considerados. Alguns dos que fingem compromisso com a isenção ou transparência fazem-no para esconder agendas obscuras, ambições de poder, projectos de amputação e cerceamento democrático. 

E só por imprevidência política se pode prosseguir um caminho de criminalização da política e dos políticos, explorando profusamente concepções populistas e alimentando suspeições sobre o exercício de cargos públicos na base da generalização de práticas  e comportamentos. A campanha a que se assistiu deixou marcas bem mais profundas na democracia, é preciso que todos tenham disso consciência, do que aquelas que os que viram na coisa um filão rico de apoio eleitoral imaginam.

O recurso a expedientes, o exercício de surfar a onda da demagogia e do populismo, a busca de apoio fácil à corrente das ideias dominantes, mesmo que com a expectativa de algum proveito de curto prazo, acabará por ser paga com preço elevado. Seja o recurso à limitação de direitos seja a de animar e promover listas de cidadãos - quer por falta de apoio e projecto próprio, pretendida dissimulação ou porque é moda ser contra os partidos, a política e os políticos em abstracto - em contraponto às dos partidos, identificando nuns um paraíso de costumes e noutros um inferno de pecados.

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 07:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Domingo, 1 de Setembro de 2013
Cinfães: CDU reclama e local da assembleia de voto foi alterado

Cinfães: CDU reclama e local da assembleia de voto foi alterado

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 08:13
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 29 de Agosto de 2013
Jerónimo de Sousa em Viseu, Real e Mangualde

-

Arruada pela cidade de Viseu

-

-

Visita à freguesia de Real no concelho de Penalva do Castelo

-

-

Jantar em Mangualde

-

Clicar nas imagens para visualizar a ligação

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 18:15
link do post | comentar | favorito
|

Cinfães: Almoço / Convívio discute a estratégia de intervenção política da CDU

-

Clicar nas imagens para visualizar a ligação

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 25 de Agosto de 2013
Candidatos CDU à Assembleia de Freguesia de Ínsua

Assembleia de Freguesia da Ínsua:

 

Mafalda Sofia dos Lóios Serralha Vilarigues, 39 anos, técnica de Informática

Joaquim Campos Vinagre, 49 anos, assistente operacional

Luís Manuel Pires Barbosa, 51 anos, operário metalúrgico

Elisabete de Jesus Pereira Correia, 50 anos, professora

João José Soares, 52 anos, serralheiro

José Maria Pinto de Almeida Quadros, 53 anos, assistente operacional

Susana Isabel Albuquerque Peixoto, 22 anos, desempregada

Sérgio Sales de Almeida, 29 anos, operário especializado

José Luís de Castelo Branco Cardoso de Menezes, 50 anos, empresário agrícola

Fernanda da Costa Almeida Lopes, 62 anos, funcionária pública (aposentada)

José Luís Martins Batista, 58 anos, operário construção civil

José Campos Alves, 84 anos, alfaiate (reformado)

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:32
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 24 de Agosto de 2013
Candidatos CDU à Assembleia de Freguesia de Pindo

Assembleia de Freguesia de Pindo:

 

Dulce Helena Figueiredo Gonçalves, 21 anos, empregada restauração/bar

Laurindo Gonçalves da Costa, 67 anos, operador cardador (reformado)

Adriano de Almeida Gomes, 64 anos, carteiro (aposentado)

Alexandra Filipa Correia Pires, 21 anos, empregada hotelaria

Florentino Gonçalves, 51 anos, operário construção civil

Francisco Nunes Rodrigues, 45 anos, operário construção civil

Maria Idalina Figueiredo Lopes, 50 anos, cozinheira

José Alberto dos Santos Melo, 51 anos, motorista de pesados

Toni Coelho Ferreira, 56 anos, padeiro

Maria de Lurdes Sales de Almeida e Silva, 65, engenheira agrária

João Miguel Carvalho Lopes, 37 anos, agricultor

David Manuel Gonçalves Rebelo, 26 anos, bombeiro

-

 


-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:27
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 23 de Agosto de 2013
Candidatos CDU à Assembleia de Freguesia de Real

Assembleia de Freguesia de Real:

 

Pedro Pina Nóbrega, 32 anos, investigador

Paulo Jorge Sousa Lemos, 37 anos, serralheiro

António Manuel Correia Nunes, 34 anos, operário fabril

Manuel Martins Sarmento, 67 anos, reformado

Manuel Liberto Pina Almeida, 37 anos, motorista de distribuição

Marisa Matos Oliveira, 23 anos, engenheira electrotécnica

Lucia Maria Ferreira de Oliveira, 36 anos, professora

Fernando Manuel Rodrigues Sarmento, 48 anos, empregado restauração

Fernando de Pina e Silva, 57 anos, ferroviário

Joaquim Ferreira Lemos, 61 anos, agricultor

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 16:14
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
15
17

18
19

25
26
29
30


posts recentes

Candidatos CDU à Câmara e...

Apresentação dos primeiro...

Encontro Distrital de Vis...

Encontro Distrital da CDU...

Apresentação dos Prime...

As notícias sobre o princ...

Vale sempre a pena lutar

Boletim CDU de Pinheiro (...

CDU: nas autarquias como ...

Boletim CDU de Cinfães (J...

Encontro de eleitos e act...

Encontro de eleitos e act...

Venezuela: Em 14 anos de ...

Venezuela – Uma vitória n...

Análise dos resultados da...

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

sistema capitalista

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds