TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Quarta-feira, 4 de Março de 2015
Soluções para o País - uma enorme maturidade de reflexão

newsletter_encontro_nacional_pcp_2015-02-28

Soluções para o País

 

«Este é um tempo para os trabalhadores e o povo fazerem ouvir a sua voz e, com o seu apoio ao PCP e à CDU, pôr fim ao círculo vicioso da alternância sem alternativa e abrir portas a uma vida nova de progresso e desenvolvimento para os portugueses.»

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:18
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 2 de Março de 2015
CDU: nas autarquias como no governo

Bernardino Soares_2015-02-28

A tarefa mais importante que temos até às eleições legislativas é a de demonstrar ao povo que temos soluções para o país e de que para elas serem possíveis o PCP e a CDU têm de ter mais força e mais votos; demonstrar que outra política é possível e que os partidos não são todos iguais. Nas autarquias fazemos essa demonstração e o que fazemos nas autarquias estamos em condições de fazer no país.

Aqui em Loures muitos não acreditavam na vitória da CDU, quando nas eleições anteriores o PS atingira 48% contra 28% nossos – mas ela aconteceu. E cá estamos para concretizar uma política alternativa como em todas as autarquias da CDU.

Aqui em Loures, ao contrário do Governo que preferiu cortar nos salários e nas pensões, renegociámos uma parte significativa da nossa dívida – mais de 8 milhões de euros a pagar em dois anos em vez de em dois meses; ao contrário do Governo acabámos com os favorecimentos, renegociámos contratos, reduzimos os gabinetes e as avenças; por isso conseguimos, com mais atividade e menos 5 milhões de euros de receita, diminuir a dívida em 18,6 milhões desde o início do mandato.

Aqui em Loures, ao contrário do Governo que aplicou e mantém o enorme aumento de impostos, as taxas não aumentaram e algumas foram mesmo reduzidas, a água não aumentou e o IMI até baixou ligeiramente em 2015 e vai baixar mais um pouco em 2016.

Aqui em Loures, ao contrário do Governo, estamos a melhorar os serviços públicos, por exemplo na recolha do lixo e no abastecimento de água – que o PS degradou profundamente – ou no reforço do horário de iluminação pública.

Aqui em Loures, enquanto o Governo privatiza tudo o que pode, impedimos a privatização da água e dos resíduos dos serviços municipalizados no território de Odivelas e vamos impedir a privatização da Valorsul. Já na próxima segunda-feira, por proposta de Loures, em que se juntam todos os outros municípios participantes, vai ser provavelmente aprovada em assembleia geral a exclusão da EGF de sócio da Valorsul, por atos lesivos à sociedade, colocando um pedregulho no caminho da privatização que o Governo já dava como certa.

Aqui em Loures, ao contrário do Governo que corta na educação, investimos em obras nas escolas 1,5 milhões em 2014, com a criação de mais 4 salas de jardim de infância, a diminuição dos regimes duplos de 91 para 54 e a contratação de mais auxiliares.

Aqui em Loures queremos mais investimento e por isso aprovámos um empréstimo de 12 milhões de euros para os próximos dois anos, para aplicar em escolas, na rede viária e na reabilitação urbana. E chegaremos ao final do mandato com menos dívida de empréstimos e menos serviço da dívida bancária em cada ano. Já o Governo, apesar de cortar radicalmente no investimento, aumentou brutalmente a dívida e paga cada vez mais juros.

Aqui em Loures acordámos com os sindicatos as 35 horas, enquanto o Governo continua teimosamente a querer impor as 40 horas com prejuízo para os trabalhadores e para os serviços públicos. Ao contrário do Governo, que despede, abrimos concursos para mais de 50 trabalhadores.

Ao contrário do Governo estamos de cara levantada perante a população...

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 11:40
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 22 de Fevereiro de 2014
Encontro Nacional do PCP

 

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 23:09
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 17 de Junho de 2008
Quem manda nas televisões cala o PCP!...

    Nos 31 dias de Maio, a iniciativa política do PCP esteve ausente ou teve uma presença residual (foi feita apenas uma referência num dos noticiários - das 13h e das 20h - principais) durante 29 dias na SIC, 24 dias na TVI e 21 dias na RTP1.
Nos dois dias restantes na SIC, o PCP surgiu uma vez em cada noticiário. Nesta estação não houve um só noticiário em que o PCP fosse referido mais do que uma vez.
Na RTP1, houve, no máximo, três referências ao Partido num só dia e isso sucedeu duas vezes durante o mês.
Na TVI, obtido uma vez o recorde de seis notícias por dia, nunca mais foi ultrapassado o limite de duas.

                                                                           

Se isto não é censura, então o que é?

                                                


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:02
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 16 de Junho de 2008
O silenciamento em factos

    No mês de Maio a evidente exclusão do Partido dos principais noticiários da RTP, da SIC e da TVI levou a que, na semana passada, seguisse para as respectivas direcções de Informação um protesto formal. Aqui apresentamos mais alguns factos sobre o silenciamento dos comunistas no pequeno écran.
Maio foi um mês de fortíssima actividade e iniciativa política do PCP, quer na denúncia da ofensiva do Governo contra os trabalhadores e o povo português, quer na afirmação das propostas dos comunistas para resolução dos graves problemas do País. A intervenção do Partido ocorreu na Assembleia da República (foi neste mês apresentada uma moção de censura ao Governo) e no Parlamento Europeu, mas ganhou igualmente expressão na participação de Jerónimo de Sousa em várias iniciativas.
Objectivamente, trata-se de uma actividade partidária que não tem paralelo na vida política nacional. Com igual objectividade, a simples contagem das notícias em que surge o PCP, nos dois noticiários mais vistos (às 13 e às 20 horas) dos três principais canais, revela que aos telespectadores foi mostrado outro quadro, muito empobrecido.
Para esta análise, não se recorreu a mecanismos e métodos mais elaborados. Não foi levado em consideração um muito importante conjunto de dados (como a duração destas presenças televisivas, ou os traços principais do seu conteúdo), que certamente acentuariam o retrato do tratamento discriminatório.
Esta simples contagem foi suficiente para concluir que o PCP ficou completamente ausente dos noticiários das 13 e das 20 horas, durante 12 dias na RTP1, 14 dias na TVI e 22 dias na SIC. Os «dias zero» do Governo foram 6 na RTP, 5 na TVI, e 3 na SIC. Apenas houve um dia em que a TVI não falou do PSD, que teve 6 dias sem referências na RTP e 8 «dias zero» na SIC.
Os dias em que não existiu PCP nas notícias das três estações incluiram o fim-de-semana (dias 3 e 4) em que Jerónimo de Sousa esteve com emigrantes, em França e no Luxemburgo. Não foi noticiado o Encontro Nacional do PCP sobre educação (dia 31). O primeiro dia de Junho já teve a mesma marca, com todas as televisões a ignorarem o grande comício, em Guimarães, que culminou a visita do secretário-geral ao Vale do Ave.
Além do encontro sobre educação, a SIC e a TVI ignoraram por completo:

– o encontro nacional sobre os direitos das mulheres (dia 10),
– o encontro de Jerónimo de Sousa com jovens militantes do PCP, no âmbito da preparação do 18.º Congresso (dia 13),
– a homenagem a Catarina Eufémia, em Baleizão (dia 25),
– e a marcha de protesto contra o aumento custo de vida, em Queluz (dia 28).

O encontro do secretário-geral do Partido com orizicultores do Baixo Mondego, na Figueira da Foz (dia 23), passou em branco na RTP e na TVI.
No dia 1 de Maio, nos seis noticiários contados, apenas surgiu uma presença do PCP. E, realmente, os dias em que, nos dois noticiários principais, o PCP surgiu apenas uma vez (ou às 13 ou às 20 horas), preenchem mais uma boa parcela do mês: 9 dias na RTP1, 10 dias na TVI, e 7 dias na SIC. Entre estes dias incluem-se as datas em que ocorreram duas importantes assembleias de organização do PCP, no concelho de Almada (dia 11) e no distrito de Aveiro (dia 17).
Temos assim um quadro que nos diz que, nos 31 dias de Maio, a iniciativa política do PCP esteve ausente ou teve uma presença residual (foi feita apenas uma referência num dos noticiários principais) durante 29 dias na SIC, 24 dias na TVI e 21 dias na RTP1.
Nos dois dias restantes na SIC, o PCP surgiu uma vez em cada noticiário. Nesta estação não houve um só noticiário em que o PCP fosse referido mais do que uma vez.
Na RTP1, houve, no máximo, três referências ao Partido num só dia e isso sucedeu duas vezes durante o mês.
Na TVI, obtido uma vez o recorde de seis notícias por dia, nunca mais foi ultrapassado o limite de duas.
No protesto enviado aos directores de Informação, o PCP declarou que não se conforma com esta situação, expressou o protesto contra o deliberado silenciamento do Partido e exigiu que a RTP, a SIC e a TVI procedam à cobertura da actividade e intervenção do PCP na sociedade portuguesa, em igualdade de circunstâncias com as restantes forças políticas.

              

In jornal "Avante!" - Edição de 12 de Junho de 2008

                

A prova aqui está mais uma vez: Quem manda nas televisões cala o PCP!...

                                                     


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:23
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
15
16

17
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Soluções para o País - um...

CDU: nas autarquias como ...

Encontro Nacional do PCP

Quem manda nas televisões...

O silenciamento em factos

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

câmara municipal

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds