TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Sexta-feira, 2 de Dezembro de 2016
Hasta la victoria siempre!

Hasta la victoria siempre

Hasta la victoria siempre1

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:06
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 30 de Novembro de 2016
Fidel Castro deixa legado de firmeza revolucionária

Fidel Castro_PCP

Revolução é sentido do momento histórico;

é mudar tudo o que deve ser mudado;

é igualdade e liberdade plenas;

é ser tratado e tratar os demais como seres humanos;

é emanciparmo-nos por nós próprios e com os nossos próprios esforços;

é desafiar poderosas forças dominantes dentro e fora do âmbito social e nacional;

é defender valores nos quais se acredita acima de qualquer sacrifício;

é modéstia, desinteresse, altruísmo, solidariedade e heroísmo;

é lutar com audácia, inteligência e realismo;

é não mentir jamais nem violar princípios éticos;

é convicção profunda de que não existe força no mundo capaz de soterrar a força da verdade e das ideias.

Revolução é unidade, é independência, é lutar pelos nossos sonhos de justiça para Cuba e para o mundo, que são a base do nosso patriotismo, do nosso socialismo e do nosso internacionalismo.

 

Venceremos!

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 15:35
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sábado, 26 de Novembro de 2016
Fidel Alejandro Castro Ruz (13 de agosto de 1926 / 25 de novembro de 2016)

Fidel Castro13

 

Perante o falecimento do camarada Fidel Castro, o Comité Central do Partido Comunista Português expressa os seus sentimentos de profundo pesar e transmite ao Comité Central do Partido Comunista de Cuba e por seu intermédio a todos os comunistas, ao povo de Cuba, ao camarada Raúl Castro e restante família de Fidel os sentidos pêsames e a solidariedade dos comunistas portugueses.

Neste momento de tristeza para os comunistas, revolucionários e progressistas de todo o mundo, o PCP presta homenagem à sua excepcional figura de patriota e de revolucionário comunista evocando o exemplo de uma vida inteiramente consagrada aos ideais da liberdade, da paz e do socialismo em que, com os seus companheiros de armas, numa epopeia que passou por Moncada e pela heróica guerrilha da Sierra Maestra, libertou Cuba de uma cruel ditadura e que, enfrentando a agressão e o bloqueio dos EUA, uniu e mobilizou a energia criadora dos trabalhadores e do povo na construção de uma nova sociedade liberta da exploração e da opressão imperialista, uma sociedade socialista, solidária com a luta libertadora de todos os povos do mundo. A luta, a acção e a palavra inspirada de Fidel animaram e continuarão a animar a luta das forças progressistas e revolucionárias de todos os continentes.

Fidel deixa-nos num momento em que, depois de importantes avanços de soberania e progresso social na América Latina e Caraíbas, inseparáveis do exemplo e da solidariedade internacionalista de Cuba, o imperialismo e a reacção passaram à contra-ofensiva, procurando a todo o custo reverter conquistas e recuperar posições perdidas. Mas é nossa profunda convicção de que, confiando no papel das massas populares e da sua luta organizada, e inspirados pelo exemplo de Fidel e da Revolução Cubana, os projectos imperialistas serão derrotados.

A melhor forma de honrar a memória do camarada Fidel Castro, é prosseguir a luta pelos ideais e o projecto a que se consagrou até ao fim da sua vida, é fortalecer a solidariedade com Cuba e a sua revolução socialista exigindo o incondicional respeito pela soberania da Ilha da Liberdade, o imediato fim do criminoso bloqueio norte-americano e a restituição ao povo cubano de Guantanamo.

Fidel Castro4

 

Publicado neste blogue:

Fidel Castro12

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:49
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 6 de Novembro de 2016
Convite: Exposição A MEMÓRIA DAS PEDRAS | 10/NOV | 17h30

MAR Convite Exp A MEMÓRIA DAS PEDRAS

Clicar na imagem para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:12
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Novembro de 2016
Fotografia nº 10 000...

manipulaca_em_massa

10 000 fotografias, 161 álbuns...

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 19:06
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 13 de Fevereiro de 2016
Árvores que nascem, vivem e morrem no meio do rio...

Rio Coja 2016-02-06

Rio Coja1 2016-02-06

Rio Coja2 2016-02-06

Clicar nas imagens para ampliar

 

Fotografias tiradas na minha casa. Mas o panorama é o mesmo para todo o curso do rio Côja (ou Coja?) até encontrar o rio Dão.

 

A prova provada para todos os que duvidam da existência de tal realidade...

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:23
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 7 de Agosto de 2013
Vitivinicultores voltaram a manifestar-se na Régua

-

Reclamações dos Vitivinicultores

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 18:57
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 2 de Abril de 2013
Concurso de Fotografia «O Trabalho e os trabalhadores»
Clicar na imagem para visualizar a ligação

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:08
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011
Contra o pacto de agressão «aqui dizemos Não»

Mais de 5000 pessoas responderam ao apelo do PCP e participaram no desfile que percorreu as ruas da «baixa» de Lisboa. Numa jornada de luta contra o pacto de agressão que se insere no movimento de massas e marca o arranque de um conjunto de iniciativas promovidas pelo PCP.

Num desfile, marcado pelo espirito combativo, os manifestantes demonstraram a sua posição contra o roubo ao país e ao povo português, em favor da banca e dos grandes grupos económicos e financeiros. Jerónimo de Sousa, Secretário-geral do PCP, afirmou que este caminho de desastre não é uma inevitabilidade, que está nas mãos dos trabalhadores e do povo português através da luta organizada derrotar a política de direita e construir uma política alternativa que vise a valorização dos salários, a taxação dos lucros dos grandes grupos económicos e do controlo pelo Estado dos sectores estratégicos da economia.

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 29 de Julho de 2011
Milhares de agricultores do Douro manifestam-se na Régua

Milhares de agricultores do Douro manifestam-se na Régua

-

Galeria Fotografias

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 11 de Julho de 2011
Tomar nas mãos o futuro das próprias vidas

«É possível e viável outro modelo de desenvolvimento mais justo, que vise a dignidade da pessoa e não o lucro, que combata as desigualdades, que ponha fim ao desemprego, à precariedade, aos baixos salários, à destruição dos direitos laborais, da contratação colectiva e aos entraves à emancipação dos jovens, como por exemplo as dificuldades para aquisição de habitação». considera-se na resolução conjunta, aprovada no fim dos trabalhos, pelas quatro organizações promotoras do Pic-nic contra a precariedade, Interjovem/CGTP-IN, Associação dos Bolseiros de Investigação Científica (ABIC), Juventude Operária Católica (JOC) e o Movimento 12 de Março (M12M).

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:01
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 2 de Maio de 2011
Dia Internacional dos Trabalhadores em 45 localidades

Festa de Maio com forte apelo de luta

-

Galeria de Fotografias

-

Dossier - 1º de Maio - 120 anos

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:03
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 26 de Abril de 2011
Cuba e a Revolução

Os média trataram o VI Congresso do Partido Comunista Cubano como um Congresso em que tudo está decidido à partida «pelo chefe», dando simultaneamente a ideia de um País que resiste desesperado economicamente à inexorável marcha do fim do socialismo. Mas a realidade é outra. O que sobressai destes dias de Congresso não é qualquer imobilismo, centralismo burocrático ou «entrincheiramento» desesperado.

O que sobressai deste Congresso é em primeiro lugar uma importantíssima e ampla participação e discussão colectivas. O VI Congresso foi o culminar de um extraordinariamente amplo debate envolvendo 1000 delegados ao congresso eleitos nos 61 000 núcleos do Partido, mais de 800 000 militantes do PCC e cerca de oito milhões de cubanos que num admirável processo de democracia participativa tiveram oportunidade de participar directamente na definição da política económica e social de Cuba.

Trata-se de facto de uma gigantesca discussão colectiva sobre a actualização do modelo económico e social do PCC e da Revolução socialista. Uma discussão que iniciou a sua fase decisiva em Novembro do ano passado e que resultou no assinalável facto de cerca de 70% das 291 teses postas à discussão terem sido alteradas, tendo algumas mesmo sido abandonadas de acordo com as opiniões recolhidas, assim com outras (36) acrescentadas com base em propostas apresentadas.

 

Para Ler, Ouvir e Ver:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:05
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 3 de Abril de 2011
Paco Ibañez canta José Agustín Goytisolo: No sirves para nada

No sirves para nada

-

Cuando yo era pequeño
estaba siempre triste
y mi padre decía
mirándome y moviendo
la cabeza: hijo mío
no sirves para nada.

Después me fui a la escuela
con pan y con adioses
pero me acompañaba
la tristeza. El maestro
graznó: pequeño niño
no sirves para nada.

Vino luego la guerra
la muerte-yo la vi-
y cuando hubo pasado
y todos la olvidaron
yo triste seguí oyendo
no sirves para nada.

Y cuando me pusieron
los pantalones largos
la tristeza en seguida
mudó de pantalones.
Mis amigos dijeron:
no sirves para nada.

De tristeza en tristeza
caí por los peldaños
de la vida. Y un día
la muchacha que amo
me dijo –y era alegre-
no sirves para nada.

Ahora vivo con ella
voy limpio y bien peinado.
Tenemos una niña
a la que siempre digo
-también con alegría-
no sirves para nada.

De: Salmos al viento

José Agustín Goytisolo / Paco Ibañez

 

Para ver e ouvir Paco Ibañez a cantar «No sirves para nada» de José Agustín Goytisolo:

Cuando yo era pequeño estaba siempre triste

Para Ler e Ouvir:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:04
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 19 de Novembro de 2010
Mais de 7000 estudantes do ensino superior em luta por mais acção social

Mais de 7000 estudantes do ensino superior em luta

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 06:06
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 5 de Junho de 2010
Definitivamente só há comunistas velhos

Juventude Comunista Portuguesa

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 06:05
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 4 de Junho de 2010
Ele só há mesmo comunistas velhos

Juventude Comunista Portuguesa

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 06:01
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 3 de Junho de 2010
Só há comunistas velhos

Juventude Comunista Portuguesa

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 06:07
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Junho de 2010
Definitivamente não há comunistas jovens

Juventude Comunista Portuguesa

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 06:04
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Junho de 2010
Ele não há mesmo comunistas jovens

Juventude Comunista Portuguesa

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 06:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Segunda-feira, 31 de Maio de 2010
Não há comunistas jovens

Juventude Comunista Portuguesa

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 06:06
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Terça-feira, 27 de Abril de 2010
Julio Cortázar: Casa Tomada

Nos gustaba la casa porque aparte de espaciosa y antigua (hoy que las casas antiguas sucumben a la más ventajosa liquidación de sus materiales) guardaba los recuerdos de nuestros bisabuelos, el abuelo paterno, nuestros padres y toda la infancia.

Nos habituamos Irene y yo a persistir solos en ella, lo que era una locura pues en esa casa podían vivir ocho personas sin estorbarse. Hacíamos la limpieza por la mañana, levantándonos a las siete, y a eso de las once yo le dejaba a Irene las ultimas habitaciones por repasar y me iba a la cocina. Almorzábamos al mediodía, siempre puntuales; ya no quedaba nada por hacer fuera de unos platos sucios. Nos resultaba grato almorzar pensando en la casa profunda y silenciosa y cómo nos bastábamos para mantenerla limpia. A veces llegábamos a creer que era ella la que no nos dejó casarnos. Irene rechazó dos pretendientes sin mayor motivo, a mí se me murió María Esther antes que llegáramos a comprometernos. Entramos en los cuarenta años con la inexpresada idea de que el nuestro, simple y silencioso matrimonio de hermanos, era necesaria clausura de la genealogía asentada por nuestros bisabuelos en nuestra casa. Nos moriríamos allí algún día, vagos y esquivos primos se quedarían con la casa y la echarían al suelo para enriquecerse con el terreno y los ladrillos; o mejor, nosotros mismos la voltearíamos justicieramente antes de que fuese demasiado tarde.

Continuar a ler aqui: Casa tomada - Julio Cortázar - Ciudad Seva

Para Ouvir e Ler Julio Cortázar:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_



publicado por António Vilarigues às 12:02
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 23 de Fevereiro de 2010
O Haiti visto pelo fotógrafo Alejandro Ramírez Anderson

                                                

Para Ver galeria de imagens:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   



publicado por António Vilarigues às 12:04
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010
Qual destes foi eleito democraticamente?

Ver neste blogue:

Ver neste blogue:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                    


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:08
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2010
Trabalhadores da Administração Pública em Luta


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 16:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Enfermeiros: 29 de Janeiro de 2010


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 08:01
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010
Administração Pública: Contra todas as injustiças


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 18:08
link do post | comentar | favorito
|

Enfermeiros fizeram História


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 06:06
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 6 de Fevereiro de 2010
A propriedade privada e aqueles que são privados de tudo

Iván Lira, Rebelión de 3 de Fevereiro

                                                                   

 - Aqueles que nos seduzem com a propriedade privada são os mesmos que nos mantêm privados de propriedades

Para Ver e Ler:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:18
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010
Chico Buarque: A casa do Oscar

Casa das Canoas (Residência de Oscar Niemeyer)

                                           

A casa do Oscar

A casa do Oscar era o sonho da família. Havia um terreno para os lados da Iguatemi, havia o anteprojeto, presente do próprio, havia a promessa de que um belo dia iríamos morar na casa do Oscar. Cresci cheio de impaciência porque meu pai, embora fosse dono do Museu do Ipiranga, nunca juntava dinheiro para construir a casa do Oscar. Mais tarde, num aperto, em vez de vender o museu com os cacarecos dentro, papai vendeu o terreno da Iguatemi. Desse modo a casa do Oscar, antes de existir, foi demolida. Ou ficou intacta, suspensa no ar, como a casa no beco de Manuel Bandeira.

Senti-me traído, tornei-me um rebelde, insultei meu pai, ergui o braço contra minha mãe e saí batendo a porta da nossa casa velha e normanda: só volto para casa quando for a casa do Oscar! Pois bem, internaram-me num ginásio em Cataguases, projeto do Oscar. Vivi seis meses naquele casarão do Oscar, achei pouco, decidi-me a ser Oscar eu mesmo. Regressei a São Paulo, estudei geometria descritiva, passei no vestibular e fui o pior aluno da classe. Mas ao professor de topografia, que me reprovou no exame oral, respondi calado: lá em casa tenho um canudo com a casa do Oscar.

Depois larguei a arquitetura e virei aprendiz de Tom Jobim. Quando minha música sai boa, penso que parece música do Tom Jobim. Música do Tom, na minha cabeça, é casa do Oscar.

In A casa do Oscar

Para Ver e Ouvir:

                                                            

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                    


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:04
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30


posts recentes

Hasta la victoria siempre...

Fidel Castro deixa legado...

Fidel Alejandro Castro Ru...

Convite: Exposição A MEMÓ...

Fotografia nº 10 000...

Árvores que nascem, vivem...

Vitivinicultores voltaram...

Concurso de Fotografia «O...

Contra o pacto de agressã...

Milhares de agricultores ...

Tomar nas mãos o futuro d...

Dia Internacional dos Tra...

Cuba e a Revolução

Paco Ibañez canta José Ag...

Mais de 7000 estudantes d...

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

câmara municipal

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds