TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Sexta-feira, 13 de Março de 2015
É que vale mesmo a pena!

25 Maio 2013 Lisboa_4

O ano de 2015 leva ainda pouco mais de dois meses e eis os trabalhadores, as populações e a juventude na luta diária pelo seu presente sabendo que essa é a forma mais segura de garantir o seu futuro.

  • Neste período, a par da realização de centenas de plenários de trabalhadores, desenvolvem-se greves com formas e objectivos diferenciados na Vadeca, Lourilimpeza, Soflusa, Carris, ForCargo, Horários do Funchal, Hotel Estação, Metro Lisboa, Escola Beira Aguieira, call centers da PT, Granitos de Maceira, Efacec, TST, Abrigada, BA Vidro, Cottogarden, Sublime Conforto, CRM.Unip e em muitas outras empresas.
  • Os trabalhadores não docentes e os técnicos de diagnóstico avançam para a greve.
  • Têm lugar concentrações e outras expressões de luta na Solnave, Clube Praia da Rocha, Beiralã, Scotturb, Somelos, Amorim Cork, Transtejo, CarrisBus, Logística da Sonae da Maia e na Santa Casa da Misericórdia em Lisboa.
  • A luta pelas 35 horas desenvolve-se em dezenas de autarquias locais, em acções de rua diárias e com uma grande manifestação pública.
  • Na rua faz-se ouvir o protesto dos reformados e dos trabalhadores do Metro de Lisboa, da PT e do sector ferroviário, dos professores do ensino artístico e aposentados, dos trabalhadores transferidos da Câmara de Lisboa para as freguesias, assim como a rejeição da privatização da TAP.
  • Multiplicam-se as vigílias pela defesa dos postos de trabalho na Segurança Social.
  • A resistência assume diferentes formas. Funcionárias da loja de Turismo de Ponte de Lima contrariam a ordem de fechar as portas; os trabalhadores da Prégaia impedem a saída de camiões da fábrica; o pré-aviso de greve desbloqueia o conflito na Magpower; trabalhadores da MFS recusam, pela terceira vez, 12 horas trabalho diário.
  • Os estudantes da secundária Soares dos Reis lutam por melhores condições; na Manuel Cargaleiro pela cantina; na Francisco Simões pelo Pavilhão; na João de Barros e no Conservatório Nacional de Música pelas urgentes obras; em Estarreja por mais funcionários; nos Casquilhos e na Júlio Dinis pelo aquecimento.
  • Nas Belas-Artes do Porto, os estudantes voltam aos protestos; na Faculdade de Ciências de Lisboa, no IST, na ESE do Porto, na FCSH, na FLUL e no ISEL luta-se por melhores condições e pelo acesso às cantinas; em Letras de Coimbra pela revogação do Regulamento Pedagógico e, ontem mesmo, estudantes do Superior de Lisboa concentram-se no Ministério da Educação.
  • Avança a luta das populações em defesa do SNS, em marchas em Lisboa e Benavente e acções em Aveiro e Portimão, nos hospitais Amadora-Sintra, S. Bernardo, Garcia de Orta e em dezenas de centros de saúde.
  • Centenas de carros marcham no IC1 a exigir obras entre Alcácer e Grândola e, em Beja, para exigir o reinício das obras no IP2 e na A26/IP8. Os reformados saem à rua em dezenas de locais, os bolseiros de investigação protestam contra o processo de candidaturas e bolsas.

O que atrás se disse é exemplo de uma luta imensa que está muitas vezes afastada dos holofotes da comunicação social, a quem convém desvalorizá-la e desacreditá-la.

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 11:46
link do post | comentar | favorito
|

Vale a pena lutar?

19 Outubro 2013 Porto2

Vale!

  • Que o digam os STCP, obrigados a passar motoristas com contratos precários a efectivos;
  • a Soturim, condenada a indemnizar 15 trabalhadores;
  • a Forcargo forçada a recuar no pagamento reduzido do trabalho extra
  • os TST sobre o pagamento dos descansos compensatórios.
  • Que o digam os cem assistentes operacionais do Hospital da Universidade de Coimbra, que viram repostos os seus salários;
  • ou os trabalhadores reintegrados na Isporeco, Vanpro, Bosch, Such ou Goodrest.
  • Que o digam os trabalhadores temporários ou a prazo integrados nos quadros da Visteon, Delphi, Bosch, Entreposto Lidl, Portucel, Autoneum;
  • os 23 enfermeiros que estavam a recibo verde e passaram a contrato no Garcia de Orta;
  • os trabalhadores da Ecalma e os largos milhares que, com a sua luta, levaram à assinatura em mais de 200 autarquias dos horários das 35 horas de trabalho.
  • Que o digam ainda os milhares de trabalhadores que conquistaram aumentos salariais ou que viram ser pagos salários em atraso;
  • as populações que, com a luta, conseguiram travar encerramentos de serviços de saúde e obrigar à colocação de mais profissionais;
  • os que alcançaram o aumento de funcionários, a colocação de professores, o alargamento dos horários das bibliotecas, papelarias e cantinas, a realização de obras e a retirada de amianto.

Vale a pena lutar e continuar a lutar, mesmo para aqueles que ainda não conseguiram os seus objectivos, pois em cada processo desenvolvido reforça-se a sua unidade, a sua consciência e aumenta a sua força colectiva. E essas são razões bastantes para valer a pena. Foi a luta que derrotou social e politicamente o Governo; é com a luta que se derrota a política de direita e se abre caminho à alternativa.

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:35
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 26 de Outubro de 2010
O valor dos apelos e dos consensos

Dois mil, novecentos e treze milhões, vinte e oito mil e duzentos e sessenta e cinco euros, nem mais nem menos, é o escandaloso número dos lucros obtidos pelas 23 maiores empresas portuguesas no primeiro semestre de 2010, o ano de mais PEC`s, mais austeridade, mais sacrifícios.

Assim se entende a razão de tantos apelos ao consenso, «necessário» para a manutenção da política de direita expressa no PEC III e nas medidas inscritas na proposta de Orçamento do Estado. Assim ficam mais claras as razões de tanta preocupação com as contas públicas, a despesa do Estado e as percentagens.

A questão não é se o défice se cifra em 7, 8 ou 15 por cento, mas se o percentual do aumento dos lucros das maiores empresas se mantém em 8,5 por cento, ou, até, se continua a crescer. Este sim é o valor que interessa!

(sublinhados meus)

Ler Texto Integral

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:08
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2008
Movimento operário e sindical

Paulo Raimundo

    «Num quadro de agravamento da exploração, os últimos anos caracterizam-se por uma intensa, profunda e alargada luta da classe operária e dos trabalhadores, das maiores desde a Revolução de Abril.  

A CGTP-IN, no quadro das suas características de classe reafirmadas no seu XI Congresso, assumiu uma intervenção notável na dinamização da luta, alargando o seu prestígio e confirmando-se como a grande central sindical dos trabalhadores portugueses, foi assim na Greve Geral de 30 de Maio de 2007, nas comemorações do 1.º de Maio e nas grandiosas manifestações nacionais de 12 de Outubro de 2006, 2 de Março e 18 de Outubro de 2007 e 5 de Junho de 2008; 

Foi assim com as manifestações nacionais da juventude trabalhadora, com papel destacado da Interjovem, a propósito do 28 de Março, Dia Nacional da Juventude e na campanha nacional e a Estafeta contra a precariedade.»

                      

Ler Texto Integral                                

                           

Notícias AQUI

              


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:08
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

É que vale mesmo a pena!

Vale a pena lutar?

O valor dos apelos e dos ...

Movimento operário e sind...

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

câmara municipal

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds