TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Segunda-feira, 7 de Novembro de 2016
Gorbatchov: do oportunismo teórico à contra-revolução

Mikhail Gorbachev1

Porém, o problema não reside nem nas qualidades pessoais de Gorbatchov, nem no seu acto de traição.

A este propósito é pertinente recordar as palavras de Friedrich Engels: «Quando se inquire das causas dos sucessos contra-revolucionários, é-se confrontado de todos os lados com a resposta de que foi o senhor Este ou o cidadão Aquele que "traiu" o povo. Resposta esta que pode ser muito verdadeira ou não, consoante as circunstâncias, mas que em circunstância alguma explica o que quer que seja — nem mesmo mostra como é que veio a acontecer que o "povo" consentisse, desse modo, em ser traído. E quão poucas hipóteses tem um partido político cujos inteiros recursos consistam num conhecimento do facto solitário de que o cidadão Tal ou Tal não é digno de confiança!»[1]

Que Gorbatchov traiu o socialismo, isso é claro para todos. É um tal lugar-comum que nem temos vontade de o repetir. Será mais interessante mostrar que os pressupostos teórico-ideológicos, nos quais a direcção de Gorbatchov se apoiou para liquidar o socialismo na URSS, continuam a existir no movimento de esquerda pós-soviético, o qual, na sua grande parte, à semelhança de Bourbon, «não aprendeu nada, nem esqueceu nada».[2]

 

[1] Friedrich Engels, Revolução e Contra-Revolução na Alemanha, Marx e Engels, Obras Escolhidas em três tomos, Ed. Avante! – Progresso, Lisboa – Moscovo, 1982, t. 1, p. 311. (N. Ed.)

[2] Da expressão francesa «Ils n 'ont rien appris, ni rien oublié», geralmente atribuída Charles-Maurice de Talleyrand (ministro de Napoleão e depois da monarquia da Casa de Bourbon), que teria dito esta frase referindo-se à nobreza emigrante que regressava a França após a queda de Napoleão em 1814. (N. Ed.)

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:45
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 23 de Setembro de 2016
Um dia negro para a Rússia

Bandeira Federação Russa2

Em 12 de Junho de 1990, dia que hoje está inscrito no calendário como uma data histórica, você era um político activo, estava quase a tornar-se ministro da Imprensa da RSFSR [foi nomeado para este cargo passado um mês (Nota da Redacção – N.R.)]. Mas temos dois 12 de Junho na nossa história recente: um é o dia da aprovação da declaração sobre a independência e o outro, no ano seguinte, o dia da eleição de Éltsine como presidente. São dois elos ligados entre si, dois anéis de serpente, que se cerraram em torno da União Soviética agonizante. Celebra hoje esta data? Este é para si um dia luminoso ou uma data negra do calendário?

Para mim, naturalmente, é um dia negro do calendário. O segundo 12 de Junho decorre do primeiro: a eleição de Borís Éltsine decorre da declaração da independência da RSFSR. Posso afirmar-lhe que a declaração da independência não foi de todo uma decisão política espontânea, mas o resultado de um plano longamente amadurecido, uma vez que o projecto desse documento foi esboçado ainda em 1974 no Instituto IIASA.

Entrevista com Mikhail Poltaránine

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:02
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 8 de Março de 2016
O marxismo e o bolchevismo na URSS pós-Stáline: torpor e ruptura

marx_engels_lenin

 

Portanto, na segunda metade do século XX, o anticomunismo e o anti-sovietismo intervieram sob a bandeira do anti-stalinismo.

Hoje analisámos três das maiores e mais dramáticas barreiras, do meu ponto de vista, que o anti-stalinismo militante conseguiu erguer ao longo da via de desenvolvimento normal e objectivo do nosso país.

A primeira barreira foi a difamação da lei da correspondência das relações de produção ao carácter e nível de desenvolvimento das forças produtivas.(...)

A segunda barreira foi a renúncia ao modelo de Stáline na economia. (...)

E a terceira barreira foi a renúncia na prática, em geral, à filosofia do materialismo dialéctico e histórico como fundamento ideológico, base ideológica da política do partido e do Estado. (...)

Estas e outras barreiras eram intransponíveis? Não, não eram. Desde meados dos anos 70 que existem materiais, e em grande quantidade, dos quais ressalta de forma absolutamente inegável que a catástrofe da contra-revolução que amadureceu no país, inspirada e alimentada a partir do exterior, era previsível com precisão científica e foi prevista múltiplas vezes. Ao mesmo tempo foram permanentemente apresentadas propostas e variantes profusamente argumentadas de solução dos diferentes problemas que, em grande parte, foram criados artificialmente; esses problemas não tinham nada de imperscrutável para a análise marxista competente. (...)

A questão não é pois saber se existem ou não esses materiais, mas a quem aproveitou mantê-los na gaveta durante décadas e impedir desesperadamente que penetrassem na imprensa de esquerda de grande tiragem; a quem aproveitou apresentar o povo soviético como um bando de cobardes e idiotas, que alegadamente ou não tinham inteligência suficiente para perceber as intrigas da guerra informativa, ou não tinham coragem para assumir firme e abertamente as suas conclusões. A quem aproveitou esconder do povo, da opinião pública soviética, o facto de que a ciência marxista, que se bateu intelectualmente na Terceira Guerra Mundial, saiu efectivamente vencedora e não derrotada.

 

É que os problemas de que falamos não pertencem ao passado, são os nossos problemas do futuro.

(sublinhados meus)

Ler texto integral

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:05
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2016
Para trás de nós não ficou apenas o PCUS

Estátua Vera Mukhina3

 

Tudo o que foi dito não é, naturalmente, mais um «bota-abaixo» do socialismo, do PCUS, etc.

Mas também é excessiva a presunção política, a certeza de que supostamente não foi a estrutura socialista que sofreu um fiasco mas, sim os diversos desvios no seu seio e as pessoas que protagonizaram esses desvios.

Seguramente que hoje isto também está fora de propósito.

São precisamente esses desvios que estão hoje na crista da onda, quanto ao socialismo como tal nem vê-lo.

Isto aconteceu porque os desviacionistas, e juntamente com eles o inimigo externo, infiltraram-se através de fissuras reais, fracturas e pontos de ruptura abertos no desenvolvimento socialista, em resultado da não resolução ao longo de muito tempo de contradições internas objectivas do regime socialista.

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:14
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 30 de Janeiro de 2016
A guerra em que estamos é intelectual

marx_engels_lenin

 

Nos dias do XXXI Congresso do UPC-PCUS, o redactor do Slovo Kommunista, Guram Tsuchbaia, encontrou-se com a secretária-coordenadora da Plataforma Bolchevique no PCUS, membro do Comité Executivo do Congresso de Cidadãos da URSS, doutorada em Ciências Filosóficas, Tatiana Khabarova, e entrevistou-a.

Segue-se o texto dessa entrevista.

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:21
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 14 de Outubro de 2015
Carta a Suslov

Mikhail Suslov_Life1

Neste caso só há uma resposta realmente admissível (e continuarei incessantemente a exigi-la): a resolução dos problemas levantados (levantados pela própria realidade e não por uma qualquer arbitrariedade minha), a resolução dos problemas levantados a partir de posições marxistas, no espírito dos princípios leninistas do debate político-ideológico, no respeito incondicional da legalidade socialista em relação aos iniciadores desse debate, às pessoas que intervêm com críticas argumentadas e construtivas. Não sei que outros materiais críticos (além daqueles entregues por mim) desconhecidos da opinião pública em vão têm sido enviados ao CC; é possível que entre eles se encontrem trabalhos muito melhores que os meus, mais dignos de constituírem a base do referido debate; mas se em todo o caso as minhas intervenções vierem a ser consideradas, é desnecessário precisar que qualquer selecção só será reconhecida por mim, na condição de nela participar directamente.

Tatiana Khabarova, Doutorada em Ciências Filosóficas

26 de Abril de 1976

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:07
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 30 de Junho de 2015
Porque criticamos Gorbatchov

Mikhail Gorbachev1

Nas vésperas da Conferência do Partido recentemente decorrida, o jornal Pravda e outros órgãos de imprensa confrontaram os seus leitores com a pergunta: Qual o assunto, quais as propostas que apresentaria na tribuna do próximo encontro nacional do partido?

Pois bem, pensamos que a razão e o pretexto para tal convite não surgem apenas episodicamente, mas existem sempre; e por isso tenho a ousadia de propor ao próximo fórum partidário de nível correspondente o seguinte: encontrar a forma de transferir Mikhail Gorbatchov do cargo de secretário-geral do CC do PCUS para qualquer outra função, que lhe seja, digamos assim, mais apropriada. Considero isto uma necessidade impreterível, e à natural pergunta «porquê?», respondo: porque o país, objectivamente não precisa de uma «reedição» nacional de Alexander Dubcek, nem de todo o «programa» de alegada «reorganização» política e económica do socialismo, o qual está ligado ao nome, entre outros, da referida figura. Ao mesmo tempo, com as considerações que adiante exporei, tentarei participar na polémica que está longe de terminar nos jornais Pravda e Sovietskaia Rossia, onde, ao longo deste ano, várias intervenções que se tornaram conhecidas sob a relevante rubrica «Marcos».

Tatiana Khabarova, Doutorada em Ciências Filosóficas

Este trabalho foi escrito em Novembro de 1988, em Moscovo, e enviado ao CC do PCUS, à Comissão Central Eleitoral para as Eleições dos Deputados do Povo da URSS, às redacções das revistas Izvéstia TsK KPSS, Ogoniok e Moskva.

 

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 17 de Junho de 2015
Carta ao Comité Central do PCUS (1988)

Escudo URSS.png

Solicito que dê conhecimento dos presentes documentos aos membros do Comité Central do PCUS (e não só aos funcionários do aparelho).

É preciso que o Comité Central compreenda a necessidade de pôr termo ao fomento de mais um culto da personalidade, na realidade o mais vergonhoso de todos os que existiram no nosso país.

É preciso, finalmente, ouvir a voz das pessoas (e serão seguramente muitas) que consideram que em vez de «renunciar» ao socialismo na URSS, às suas conquistas e à sua história (sem a qual o país não tem futuro), é mais sensato dispensar Gorbatchov do cargo de secretário-geral. E quanto mais depressa melhor.

Não será demasiado elevado o preço que nos é exigido para que o senhor Reagan ou a senhora Thatcher, em sinal de aprovação, passem a mão pela melena de alguém que escuta as suas opiniões como se fossem a mais importante orientação política? 

Tatiana Khabarova, Doutorada em Ciências Filosóficas

1 de Dezembro de 1988

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 04:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 2 de Junho de 2015
Carta aberta a Mikhail Gorbatchov secretário-geral do PCUS

Mikhail Gorbachev

 

«A este propósito, parece-me (e penso que não só a mim de longe) que seria oportuno e seguramente justificado que acedêsseis ao pedido de explicar publicamente a Vossa opinião pessoal sobre as declarações dos meios de informação burgueses no sentido de que há três coisas na União Soviética que «não convêm» ao Ocidente: o marxismo, o leninismo e o stalinismo; que Gorbatchov «acabou» com o stalinismo; que no Plenário de Junho assestou um golpe apreciável contra a teoria económica marxista e há a esperança de que, mais cedo ou mais tarde, golpeará o leninismo; que a atractividade da Vossa política para os observadores capitalistas (do que Vós tanto vos orgulhais) se baseia, essencialmente, no facto ela permitir antever o «destronamento» das conquistas da Grande Revolução Socialista de Outubro (e apenas nisso vêem a «continuidade», o «paralelo», etc., entre a «perestroika e Outubro»); e que a Vossa permanência «no poder» depende unicamente de conseguirdes impedir a revelação e o desmascaramento do carácter anti-socialista das mudanças por Vós preconizadas.»


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:09
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 6 de Abril de 2015
Duas cartas a Andrópov (II)

Yuri Andropov_August_1983      Em 1978 havia na URSS quem escrevesse isto:

«Por esta via desenvolve-se uma diversão ideológica e política com tal dimensão e força destruidora que, enquanto não se lhe puser fim, tarefa que incumbe à vossa organização, podemos calmamente dizer adeus a tudo o resto, uma vez que este trabalho «teórico» de sapa (como demonstrou a lição checoslovaca) é mais do que suficiente para destruir o regime socialista na URSS


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:08
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Terça-feira, 24 de Março de 2015
Duas cartas a Andrópov (I)

Yuri Andropov_August_1983

 Duas cartas a Andrópov (I)

 

Um bom exemplo de «O camarada é aquele que, vendo a sua opinião minoritária ou isolada, mas julgando-a certa, não desiste de lutar por ela - e que trava essa luta no espaço exacto em que ela deve ser travada: o espaço democrático, amplo, fraterno e solidário, da camaradagem.» AQUI

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 9 de Dezembro de 2014
A crise de 1929

ModernTimes.jpg

«Se o capitalismo pudesse ajustar a produção não para a obtenção do lucro máximo, mas para a melhoria sistemática da situação material das massas populares, se pudesse dirigir o lucro não para a satisfação dos caprichos das classes parasitárias, não para o aperfeiçoamento dos métodos de exploração, não para a exportação de capitais, mas para a elevação sistemática da situação material dos operários e camponeses, então não haveria crises. Mas então também o capitalismo não seria capitalismo. Para eliminar as crises é preciso eliminar o capitalismo.»

In Relatório Político ao XVI Congresso do PCU (b), 27 de Junho de 1930

 

Crise 1929_Bank_of_the_U_S_failure_1931

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:14
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 25 de Junho de 2014
O colapso da URSS revisitado

O colapso da URSS revisitado

-

Publicado neste blogue:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 15:44
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 24 de Outubro de 2013
O último Congresso do PCUS… Antes que a história seja reescrita

-

O último Congresso do PCUS
Antes que a história seja reescrita

-

Onde em 22 páginas, escritas na 1ª pessoa, se demonstra que o PCUS (Partido Comunista da União Soviética) em 1990 já era uma «coisa» (expressão com que em Itália passou a ser designado o Partido Comunista Italiano quando mudou de ideologia).

E os Congressos uma autêntica choldra...

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 13 de Agosto de 2013
Que Fazer?

-

Não é uma relíquia marxista mas um guia para a acção
Por ocasião do centenário [em 2002] da publicação do livro de V.I. Lénine Que Fazer? Problemas candentes do nosso movimento

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:08
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 17 de Julho de 2013
No 80.º aniversário do nascimento de V. M . Gluchkov (1923-1982)

A alternativa rejeitada à reforma de mercado de 1965

Por ocasião do 80.º aniversário do nascimento de V. M . Gluchkov

(1923-1982)


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 15:05
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Quarta-feira, 12 de Junho de 2013
Sobre algumas causas da restauração do capitalismo na URSS

-

Sobre algumas causas da restauração do capitalismo na URSS
As relações de produção na URSS (1960-1980)

-

«(...)

Afirmações bastante difundidas na literatura política e na imprensa sobre a uniformidade das relações de produção existentes entre 1930 e 1980 induzem-nos a analisar os fundamentos económicos e sociais da sociedade soviética e a sua evolução e, nesta base, tirar conclusões sobre a sua essência. Antes de mais, é preciso definir o carácter das relações de produção na sociedade soviética nos diferentes períodos da sua história, distinguindo os principais: o período da NEP, o período dos anos 30 aos anos 50 e período dos anos 60 aos anos 80, que precederam a desagregação da URSS.

(...)»

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 15 de Maio de 2013
A economia soviética vista pelos analistas da CIA

-

Este trabalho, interessante a vários títulos, da autoria de um ex-funcionário da CIA, seguramente insuspeito de simpatias pelo sistema socialista, dá-nos uma perspectiva geral da evolução economia soviética ao longo das últimas quatro décadas da existência da URSS.

-

sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:57
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 18 de Junho de 2012
Ludo Martens: Balanço do colapso da União Soviética

Balanço do colapso da União Soviética

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 15:14
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 9 de Março de 2012
Dia 9: Gagárin é o primeiro também na Cinemateca

-

No dia 9 de Março, assinalando o 78.º aniversário do nascimento de Iúri Gagárin e ainda celebrando o 50.º aniversário do histórico primeiro voo cósmico da humanidade (12 de Abril de 1961), a Associação Portuguesa de Amizade e Cooperação Iúri Gagárin (Antiga Associação Portugal-URSS) e a Cinemateca Portuguesa realizam as primeiras sessões em que vão ser exibidos filmes da nossa colecção de cinema soviético.

Com a mudança de sede, o espólio cinematográfico da Associação foi depositado no Arquivo Nacional de Imagens em Movimento, da Cinemateca. Trata-se de uma colecção de filmes de curta e longa-metragem, em bitolas de 35mm e 16mm, com cerca de 4500 cópias e 1300 títulos, entre os quais se encontram clássicos do cinema soviético e muito diversificados documentários. Foram igualmente depositados equipamentos de projecção, cartazes, catálogos e outros materiais.

Na sala Luís de Pina terão lugar, dia 9, duas sessões.

Às 19.30 horas, passam os documentários “Quando Gagárin Ainda Andava na Escola” e “O Voo Cósmico de Iúri Gagárin”. Representantes da Associação e da Cinemateca farão breves alocuções sobre o acordo de depósito e o significado desta primeira iniciativa.

Às 22 horas, será exibido “O Começo da Lenda”, um drama biográfico sobre a infância do cosmonauta soviético. Esta sessão vai ser apresentada por Francisco Silva, investigador e autor, especialista em tecnologias da informação e comunicação.

-

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 08:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 27 de Novembro de 2011
No 94.º Aniversário da Revolução de Outubro: A actualidade do ideal comunista
-

Todos sabemos, mas é necessário termos sempre presente, que a Revolução de Outubro foi ponto de partida para a primeira grande tentativa, na história da humanidade, de construção de uma sociedade nova, liberta de todas as formas de opressão e de exploração. O impacto e as consequências planetárias deste acontecimento constituem uma realidade objectiva que nenhuma ofensiva ideológica conseguirá apagar. E hoje, como sabemos, essa ofensiva, tendo como objectivo primeiro a criminalização do comunismo, faz da Revolução de Outubro, da sua importância histórica, do seu significado, dos seus ideais, um alvo preferencial.

Percebe-se o objectivo dessa ofensiva: a Revolução de Outubro foi o primeiro grande acto de ruptura com o capitalismo e a exploração do homem pelo homem; foi o primeiro exemplo concreto da aplicação, na construção de uma nova sociedade, da ideologia do proletariado – nascida e desenvolvida a partir da análise da história da sociedade e das suas leis objectivas essenciais; foi a primeira demonstração concreta de que o socialismo é a única alternativa histórica ao capitalismo. E por tudo isto, porque a Revolução de Outubro mostrou que o socialismo é, não apenas possível, mas inevitável, o grande capital tremeu… e 94 anos passados, apesar de dominante, continua a tremer.

(...)

-

sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 11 de Novembro de 2011
Das memórias de Lazar Kaganóvitch: Notas soltas sobre a personalidade de Khruchov

-

Um importante texto sobre um dos períodos mais complexos da História da URSS

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Segunda-feira, 7 de Novembro de 2011
Outubro vive e viverá

«Para os comunistas portugueses evocar o 7 de Novembro e celebrar a primeira revolução socialista vitoriosa é um acto de coerência revolucionária e de fidelidade às raízes do seu partido.»

-

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011
Das memórias de Lazar Kaganóvitch: Os últimos anos na direcção do partido

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 19 de Agosto de 2011
Os acontecimentos de 19 de Agosto de 1991 na URSS

1. Os acontecimentos de 19 de Agosto de 1991 na URSS que os apologistas do capitalismo estão a assinalar com uma clássica operação de diversão ideológica constituíram uma tentativa desesperada e fracassada de altos dirigentes do Partido e do Estado soviéticos para impedir a desagregação da URSS, num episódio mais da aguda luta que então se travava na União Soviética pelos destinos deste poderoso país multinacional e do seu sistema socialista. Tratou-se de um acontecimento que serviu então de pretexto para uma violentíssima campanha internacional anti-comunista, campanha que além de visar o enfraquecimento, divisão e degenerescência dos partidos comunistas, pretendia sobretudo justificar a brutal ingerência do imperialismo nos assuntos internos do Estado Soviético e dar cobertura política e ideológica às forças contra-revolucionárias que, rasgando a Constituição soviética, preparavam já o assalto ao poder. Assalto que veio a consumar-se pouco tempo depois com a dissolução e proibição do PCUS e, ulteriormente com todo um conjunto de actos violentos e criminosos, de que o bombardeamento do Soviete Supremo é exemplo particularmente significativo.

Ler Texto Integral

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:03
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 24 de Abril de 2011
Povos do Árctico «saem perdedores» com o fim da antiga URSS

 

A maioria dos povos do Árctico russo «saem perdedores» com o fim da antiga União Soviética e têm «perspectivas extremamente negativas» do futuro considerou o antropólogo José Mendonça.

«São povos isolados, muitas vezes completamente desprotegidos, marginalizados. São perdedores com o fim da União Soviética, porque deixam de ter o apoio estatal, nomeadamente transportes subsidiados e apoio económico e técnico às actividades económicas»

(...)

Até meados dos anos oitenta, os transportes «tinham um custo irrelevante, hoje têm preços de mercado» e estas populações «não geram recursos suficientes para se suportarem», disse à margem da conferência.

«Ao perderem tudo isso, esses povos têm, muitas vezes, uma soberania precária. Têm perspectivas extremamente negativas», adiantou. São «povos com uma cultura e língua própria», «várias dezenas de pequenas populações, às vezes de 200/300 pessoas», disse ainda.

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:21
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 23 de Abril de 2011
Iúri Alieksieievitch Gagárin: O primeiro cosmonauta

Iúri Alieksieievitch Gagárin (9 de Março de 1934 / 27 de Março de 1968)


Depois de sobrevoar a Terra numa nave-satélite, eu vi como é lindo o nosso planeta. Pessoal, vamos conservar e multiplicar esta beleza, e não destruí-la.

Gagárin

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Março de 2011
As várias cascas da cebola Gorbatchov

 

As várias cascas da cebola Gorbatchov

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 18:03
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 9 de Novembro de 2010
93º aniversário da Revolução de Outubro

(...)

Na intensa dinâmica de intervenção que a situação nos impõe, nem podemos subestimar as pequenas tarefas concretas e imediatas que tecem a ligação do Partido à classe operária e às massas, nem perder de vista o nosso ideal  e o projecto de construção em Portugal de uma sociedade socialista e comunista.

É por isso que faz todo o sentido esta bela tradição do PCP de comemorar o 7 de Novembro e evocar o significado histórico universal da Revolução de Outubro, as suas grandiosas realizações, o gigantesco avanço libertador que significou para o mundo, e parar um pouco para reflectir sobre a epopeia de construção de um novo tipo de sociedade, voltados para o futuro, procurando inspiração e lições úteis à nossa intervenção transformadora e revolucionária.

(...)

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:06
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009
Revolução de Outubro foi há 92 anos - Lénine e a Revolução

«Só quando “os de baixo” não querem o que é velho e “os de cima” não podem continuar como dantes, só então a revolução pode vencer.»
                                         


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
15
16

17
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Gorbatchov: do oportunism...

Um dia negro para a Rússi...

O marxismo e o bolchevism...

Para trás de nós não fico...

A guerra em que estamos é...

Carta a Suslov

Porque criticamos Gorbatc...

Carta ao Comité Central d...

Carta aberta a Mikhail Go...

Duas cartas a Andrópov (I...

Duas cartas a Andrópov (I...

A crise de 1929

O colapso da URSS revisit...

O último Congresso do PCU...

Que Fazer?

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

câmara municipal

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds