TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Sexta-feira, 6 de Janeiro de 2017
Que direitos para o povo palestino?

Cartaz direitos povo palestino 2017-01-18

Clicar na imagem para ampliar

 

MPPM

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:38
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Novembro de 2016
1 de Novembro de 1954 – Insurreição na Argélia

Insurreição Argélia 1954-11-01

A insurreição marca o início da luta armada para a libertação da Argélia, submetida desde 1830 pela França à exploração colonial, à discriminação racial e à opressão nacional.

Confrontada com a feroz repressão das mais elementares reivindicações democráticas e nacionais e com o massacre de populações inteiras, a resistência, organizada na Frente de Libertação Nacional, lança ataques em vários locais do país contra instalações militares, postos de polícia, centros de comunicações e organismos públicos.

A resposta das autoridades coloniais foi o terrorismo de estado mais brutal, incluindo o recurso indiscriminado à tortura e o bombardeamento de populações inteiras com napalm.

O povo árabe e berbere argelino pagou um elevado preço pela sua libertação: um milhão e meio de mortos.

A independência foi conquistada a 5 de Julho de 1962.

AQUI

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:03
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 14 de Agosto de 2016
O futuro de Israel é aterrador

Duma 2015-08-01

Se em 14 de Maio de 1948, aquando da criação unilateral do Estado de Israel, havia já uma forte identidade palestina, forjada por séculos de história, hoje os quase 70 anos após a partilha colectiva do sofrimento imposto por Israel a todos os palestinos, civis ou militantes de movimentos de libertação armados, homens ou mulheres, adultos ou crianças, tornam o povo palestino invencível aos olhos do mundo.

Há povos que surpreendentemente se tornam invencíveis nas circunstâncias mais difíceis.

É o caso do povo palestino.

A Sociedade israelense está permanentemente a desviar-se para a direita, pelo que todo o paradigma político do país está em constante redefinição. Israel, agora «governado pelo Governo de direita mais extrema da sua história», passou em poucos anos de uma apreciação informada a um cliché sem nexo.

De facto, ultrapassou essa fronteira exatamente em maio de 2015 quando o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, já ele da mais extrema da direita, com uma maioria de pessoas politicamente afins, fanáticos religiosos e ultranacionalistas. Ao trazer para o seu redil o ultranacionalista Avigdor Lieberman, Netanyahu repete a sua arquiconhecida fórmula.

Desde 25 de maio que Lieberman se tornou ministro da Defesa de Israel. Tendo em conta a política ruidosa e violenta de Lieberman – como ficou demonstrado nos seus dois mandatos como ministro das Relações Exteriores (2009-2012 e depois 2013-2015) – agora como ministro da Defesa de Israel do «Governo de direita mais extrema da história» alberga todo o tipo de aterradoras perspetivas.

 

palestina_ilustracao

«De Hollande a Obama, de Clinton a May, de Merkel a Renzi, a frente do combate «contra o terrorismo» é inexpugnável. No meio deles, Benjamin Netanyahu funciona como uma referência dessa grande confraria democrática e pacifista. Ele não hesita em usar a guerra e o terrorismo contra «o terrorismo», nem que tenha de arrasar a vida de crianças, sustentar bandos de criminosos, «islâmicos» ou não, ou fazer gato-sapato do direito internacional e dos mais elementares direitos humanos.

Quando os principais dirigentes mundiais dizem que estão «em guerra contra o terrorismo» ou são favoráveis à existência de dois Estados na Palestina, mentem com quantos dentes têm na boca. E são cúmplices, disso não haja qualquer dúvida, com o terrorismo de Estado tal como é praticado por Israel.»

 

Crianças Palestina Julho 2014

«O general Herzi Halevy, chefe dos serviços de espionagem militar do Estado de Israel, declarou recentemente, numa conferência em Herzlia, que “não queremos a derrota do Daesh (ou Isis, ou Estado Islâmico) na Síria”. Os seus “actuais insucessos colocam Israel numa posição difícil”, lamentou, de acordo com uma transcrição publicada no jornal Maariv, conotado com a direita política sionista.

A última coisa de que o general Halevy pode ser acusado é de usar uma linguagem hermética, hipócrita, ao contrário de tantos dirigentes políticos mundiais, de Hollande a Obama, de Mogherini a Hillary Clinton, do secretário-geral da NATO aos autocratas da União Europeia. Ele é directo, fala com clareza, respeitando, aliás, a prática do seu primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, que se deixa fotografar em hospitais israelitas visitando terroristas da Frente al-Nusra (al-Qaida) feridos durante a agressão à Síria soberana.»

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:08
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 22 de Junho de 2016
Não ao projecto LAW-TRAIN!

Projecto Law-Train

MPPM

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:08
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 21 de Maio de 2016
100 anos do acordo Sykes-Picot: um século de ingerência e prepotência

Mapa Palestina-Israel 1946-2010

No dia 16 de Maio de 2016 completam-se 100 anos desde a assinatura do documento que ficou para a história como «Acordo Sykes-Picot». Este acordo previa a divisão em «esferas de influência» francesa e inglesa das possessões árabes do Império Otomano.

Cem anos depois, fazem-se ainda sentir em todo o Médio Oriente as consequências funestas deste acto prepotente e traiçoeiro, particularmente para o povo da Palestina.

A própria história da elaboração do Acordo Sykes-Picot é bem um exemplo de perfídia, mentira e traição aos povos da região.

Ler texto integral

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:48
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 7 de Maio de 2016
NAKBA 68 anos - Sessão de solidariedade com a Palestina - 17 Maio - 18.30h

Nabka 2016

68 Anos de NAKBA - 68 Anos de Limpeza Étnica na Palestina

 

«Desde Outubro de 2015 Israel tem vindo a desencadear uma onda de repressão generalizada que já causou a morte de mais de 200 homens, mulheres e crianças palestinos, e provocou ferimentos em mais de 16.000. No mesmo período, mais de 4.000 palestinos foram presos pelas forças israelitas, elevando o número total de detidos para 7.000, dos quais 450 são crianças.

Israel prossegue, inexoravelmente, a sua política de apropriação de terras, de demolição de casas – 586 desde Janeiro deste ano, de deslocação forçada de centenas de famílias palestinas. A construção de colonatos prossegue, tanto na Margem Ocidental como em Jerusalém Oriental, engrossando o número de colonos que se juntam aos 650.000 que já residem ilegalmente em território palestino.

O MPPM considera que a existência da Nakba, que atinge o Povo Palestino, é incompatível com um Mundo onde se pretende que prevaleçam os princípios e direitos básicos da Humanidade. A prática de limpezas étnicas como esta e a cumplicidade e condescendência perante tais situações terroristas invalidam quaisquer declarações sobre a Paz, a Liberdade e a Justiça no Mundo. E desacreditam liminarmente aquilo a que convencionou chamar-se “a guerra contra o terrorismo”.»

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:05
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 18 de Abril de 2016
Dia internacional de solidariedade com os presos palestinos

Prisão Israel5.jpg

 MPPM

 

A 17 de Abril, assinala-se o Dia dos Presos Palestinos.

É o dia em que os palestinos homenageiam os seus familiares detidos nas prisões de Israel e é, também, o dia em que a comunidade internacional manifesta a sua solidariedade com os milhares de palestinos privado da liberdade, por Israel, e a quem são negados os mais elementares direitos humanos.

Nesta data, o MPPM, a CGTP-IN e a URAP associaram-se para denunciar e condenar as práticas de Israel contra os palestinos; manifestam a sua solidariedade com os presos palestinos, recordando quão importante foi a solidariedade internacional para com os presos políticos portugueses durante os anos do fascismo; e reclamam do Governo Português que se empenhe no cumprimento, por Israel, das sua obrigações à luz do direito internacional e dos direitos humanos.

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 16:35
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 29 de Março de 2016
Terrorismo - Um pilar da estratégia de dominação mundial

aeroporto_bruxelas_atentado_2016-03-22

 

Nunca se falou tanto em terrorismo, nunca se proferiram tantas declarações definitivas sobre os esforços necessários para a extinção do fenómeno, nunca se teorizou e debateu tanto sobre a matéria e, no entanto, o papel do terrorismo na sociedade jamais foi tão influente – e fatal – como nos 15 anos que o século XXI leva de existência.

Uma das mais nefastas atitudes perante o terrorismo é a deturpação ostensiva do conceito, a sua redução a determinadas e particulares formas de violência, prática que dissimula e pretende absolver expressões organizadas e poderosas de terror quase sempre apresentadas como actos legítimos de anti terrorismo ou de «guerra contra o terrorismo».

Isto é, resumir as notícias e o debate sobre o terrorismo, como actualmente se faz, ao terrorismo dito de inspiração «islâmica» ou assimilável, é uma manobra manipuladora que pretende fazer esquecer, ostensivamente, o terrorismo de Estado ou expressões de violência que florescem à sombra deste, as quais tanto podem ser os clássicos esquadrões da morte como o patrocínio clandestino de grupos e organizações com vocação para derrubar governos e organizar golpes de Estado. Ou, como já deixou de ser segredo, organizar, treinar, armar e financiar grupos terroristas ditos «islâmicos», os quais, em boa verdade, não passam de exércitos privados de mercenários.

Ler texto integral

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 07:39
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Março de 2016
Sessão Pública de Solidariedade com a Palestina - Dia da Terra - 30 de Março, 18:30h

Cartaz Dia da Terra - 2016

MPPM

 

«Assim, desde o início de Outubro de 2015, mais de 190 palestinos foram mortos em acções do exército israelita, trinta das quais em bombardeamentos lançados sobre a faixa de Gaza. No conjunto de vítimas mortais, o número de crianças eleva-se a 41, mas entre os feridos esse valor soma 2177. Desde o ano de 2000 até Janeiro de 2016, o exército de Israel é responsável pela morte de 1977 crianças na Palestina. O número de prisioneiros palestinos situava-se, em Dezembro de 2015, segundo as organizações de direitos humanos palestinas e israelitas, acima dos 6 mil (6066 exactamente), o valor mais alto desde Julho de 2010, entre as quais 398 crianças. Destes, encontravam-se em prisão administrativa – ou seja, sem culpa formada, sem indícios revelados e sem termo de detenção – 584 pessoas, o valor mais alto desde Setembro de 2008, incluindo 8 crianças. Em Dezembro de 2015, estavam presos nas cadeias israelitas 422 menores – o número mais alto desde Agosto de 2008 – dos quais 116 crianças com idades inferiores a 15 anos. O número de mulheres encarceradas, 44, é também o mais elevado desde Setembro de 2009, incluindo-se nesse conjunto oito raparigas menores.»

Ler texto integral

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 06:17
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 6 de Dezembro de 2015
MPPM analisa situação na Palestina e no Médio Oriente

Mapa Palestina-Israel 1946-2010

1. Desde há 68 anos, o povo da Palestina anseia pelo cumprimento da promessa de um Estado independente e soberano, com Jerusalém como capital e o correlato reconhecimento dos direitos dos refugiados, conforme o direito internacional.

A Palestina tem hoje assento na Assembleia Geral das Nações Unidas com o estatuto de “Estado não membro” e a sua bandeira está hasteada na sede da ONU.

Contudo, a cada dia que passa, o avanço da colonização sionista e a política sistemática de limpeza étnica levada a cabo pelo estado de Israel tornam cada vez mais difícil e longínqua a perspectiva de realização dos direitos nacionais do povo palestino: o Muro do apartheid continua de pé, e com projectos para a sua expansão, em violação da posição do Tribunal Internacional de Justiça; um ano decorrido desde a última agressão israelita contra a faixa de Gaza, nada foi feito para minorar a dura realidade do bloqueio, sucedendo-se as violações israelitas do cessar-fogo então negociado, em particular com os ataques às embarcações de pesca, os bombardeamentos punitivos e a repressão de manifestações pacíficas junto à fronteira; prosseguem as ocupações de terras, de água, de campos de cultivo palestinos; o número de presos políticos palestinos, alguns ainda adolescentes, e incluindo na condição de prisão administrativa, não pára de aumentar, assim como as torturas e violências a que estão sujeitos nas prisões de Israel.

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:18
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 25 de Novembro de 2015
A estratégia da direita e a teoria do PREC 2 (1)

Campanha de Dinamização Cultural e Cívica.jpg

"As ideias justas sempre vencerão"
Álvaro Cunhal

1 – Acerca do "PREC"

Quando o líder do CDS afirmou que um governo do PS com apoios à esquerda seria o PREC 2, revelou a estratégia que a direita se propõe seguir. Para parte da população, da qual a maioria não seria ainda nascida ou não teria idade para o qualificar devidamente, o PREC teria sido uma espécie de terrorismo de Estado sob a égide do PCP.

Não admira que assim seja, é esta a imagem que a comunicação social passa ou deixa passar. Trata-se do processo de destruição da memória de que falava Miguel Urbano Rodrigues [A recuperação da memória na luta dos Povos]. Mas o apagamento faz-se mesmo quanto ao que se passou nos últimos quatro anos.

O dito PREC, Processo Revolucionário em Curso, é usado através da calúnia, como arma ideológica contra as forças progressistas. Oculta-se que nesse período foram estabelecidos direitos laborais e sociais, salário mínimo, o embrião de serviço nacional de saúde, criados mecanismos de apoio às PME e de planeamento económico, estabelecida uma reforma agrária, etc, bases fundamentais para o desenvolvimento do país, além de que ter sido elaborada uma Constituição progressista.

Tudo isto face à conspiração da direita, à sabotagem económica dos monopólios, dos esforços da dita "extrema-esquerda" objetivamente aliada à direita no combate às forças que consequentemente defendiam o 25 de ABRIL. Tudo para desestabilizar o país e afastar largas camadas da população do que era efetivamente um processo revolucionário no sentido de alterar as estruturas económicas e sociais provenientes do fascismo. A batalha da produção proposta pelo primeiro-ministro Vasco Gonçalves foi ridicularizada. O humor reacionário fazia campanha pela desinformação e a boçalidade da extrema-direita.

A direita, aliada à extrema-direita, passou ao terrorismo, algo completamente omitido. Em Portugal, entre Maio de 1975 e meados de 1977 foram cometidas quase 600 ações terroristas: bombas, assaltos, incêndios, espancamentos, atentados a tiro. Mais de uma dezena de mortes, dezenas de feridos, milhares de pessoas perseguidas, aterrorizadas, às quais ou às famílias não foi dada qualquer compensação ou satisfação. Uma muralha do silêncio e cumplicidades acompanhou os crimes. O PCP e seus aliados do MDP/CDE foram as principais vítimas.

Com o 25 de ABRIL a direita queria apenas que "alguma coisa mudasse para ficar tudo na mesma". A simples possibilidade de governos que não se definissem em função dos interesses dos monopólios e dos latifundiários, deixava-a exasperada, procedendo a golpes reacionários e ataques ao regime democrático em construção. No entanto, só após a derrota da intentona reacionária do 28 de setembro de 1974 se pode falar em orientações de esquerda; só após o falhado golpe militar da direita em 11 de março de 1975 se começa a desenhar uma via de transição socializante. As nacionalizações impuseram-se para defender o país e a sua economia da sabotagem em curso.

Daniel Vaz de Carvalho

(continua)

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:41
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 21 de Novembro de 2015
Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino

Cartaz Sessão MPPM 2015

MPPM

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:09
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 18 de Novembro de 2015
Debate: Gaza - um ano depois da agressão

Cartaz Debate Gaza 2015

MPPM

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:49
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 31 de Outubro de 2015
Exposição: «GAZA 2014 - TESTEMUNHO DE UMA AGRESSÃO»

Convite Almada

MPPM

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 14:04
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 19 de Outubro de 2015
Brutal escalada de violência israelita face a uma Terceira Intifada

Duma 2015-08-01

28 palestinos mortos e 289 feridos por balas de borracha em confrontos na Cisjordânia

mapa palestineorientaleCisjordânia

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 15:36
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 19 de Maio de 2015
Solidariedade com a Palestina na Fundação Saramago

Cartaz Sessão Fundação Saramago

Clicar na imagem para ampliar

 

Na próxima quinta-feira, 21 de Maio, às 18.30h, na Casa dos Bicos, haverá uma Sessão de Solidariedade com a Palestina.

Vai ser apresentado o livro «Que Luz Estarias a Ler?» de João Pedro Mésseder (escritor) e Ana Biscaia (ilustradora). 

Haverá intervenções dos autores e de Carlos Almeida (MPPM) e Sara Figueiredo Costa. 

Esta é uma iniciativa da Fundação José Saramago, das Edicões Xerefe e do MPPM.

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:43
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 14 de Maio de 2015
14 de Maio de 1948: Proclamação do Estado de Israel

Declaration_of_State_of_Israel_1948_1

A proclamação do Estado de Israel foi feita pelo dirigente sionista David Ben Gurion, às 4 da tarde de 14 de Maio de 1948, numa cerimónia realizada no Museu de Telavive.

Israel nasceu sem fronteiras definidas, pois como o próprio Ben Gurion escreveu em finais de 1947, o importante era «erigir de imediato um Estado judeu (…) O resto virá com o tempo». O novo país, defendia, «terá os limites que os seus soldados forem capazes de traçar».

 

Passados 67 anos, a Palestina continua a ferro e fogo...

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 11:46
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 10 de Maio de 2015
NAKBA: 67 anos de limpeza étnica na Palestina

Nabka 2015

MPPM

 

Comemora-se em 15 de Maio o aniversário da NAKBA, que em árabe quer dizer Catástrofe, e que marca o princípio da tragédia que se abateu sobre o Povo Palestino, perseguido, massacrado e expulso da sua terra pelos novos ocupantes judeus.

A data será assinalada  com uma Sessão de Solidariedade com a Palestina em que será exibido o filme "A Terra Fala Árabe" e que contará com intervenções do Embaixador da Palestina, Dr. Hikmat Ajjuri, e de Jorge Cadima, dirigente do MPPM. 

É no Clube Estefânia, na sexta-feira 15 de Maio, a partir das 18.30 horas.

"A Terra Fala Árabe", da realizadora palestina Maryse Gargour, documenta as circunstãncias e os acontecimentos que levaram a implantação de um estado judaico na Palestina e à expulsão dos seus habitantes árabes.

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:12
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 27 de Março de 2015
Eleições em Israel

Mapa Palestina-Israel 1946-2010

Mas nos resultados das eleições em Israel é necessário ver também o avanço de forças que combatem o sionismo e apoiam a luta do povo palestiniano, como é o caso da Lista Conjunta, onde participa o Partido Comunista, que se tornou a terceira força eleitoral, derrotando os malabarismos de engenharia eleitoral que visavam afastá-lo do Knesset. Como necessário é não esquecer que Israel tem sido palco de importantes manifestações populares que evidenciam as agudas contradições que percorrem a sociedade israelita. E, sobretudo, que a luta do povo palestiniano continua, tal como a nossa activa solidariedade vai continuar.

 

«A Lista Conjunta apresentada pelos partidos árabes e pelo Partido Comunista de Israel (PCI) às legislativas elegeu 14 deputados no Knesset (parlamento), resultado que o PCP sublinha como «um elemento de esperança e alento».»

 

Publicado neste blog:

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:07
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 26 de Março de 2015
Solidariedade com a Palestina no Dia da Terra – 30 de Março

Dia da Terra 2015

MPPM

 

Em Março de 1976, as autoridades israelitas anunciaram a expropriação de grandes extensões de terras palestinas por “motivos de segurança” e para a construção de colonatos.

No dia 30 desse mês, uma greve geral e grandes manifestações de protesto sacudiram as localidades palestinas em território do Estado de Israel.

Na repressão sangrenta que se seguiu, seis palestinos foram mortos pelas autoridades de Israel e centenas foram presos ou feridos.

Desde então, o dia 30 de Março ficou conhecido como o Dia da Terra, uma data que simboliza a luta do povo palestino pelo direito aos seus lares, às suas terras de cultivo, à sua Pátria.

 

Publicado neste blog:

 



publicado por António Vilarigues às 12:41
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 4 de Agosto de 2014
O que é esmagado que se levante!

-

Fotografias dos protestos em todo o Mundo contra a intervenção de Israel em Gaza

-

Publicado neste blog:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 18:06
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 1 de Agosto de 2014
Eric Hobsbawm sobre Gaza (2009)
-

Desenho de Fernando Campos (o sítio dos desenhos)

-

Este depoimento do grande pensador de origem judaica Eric Hobsbawm foi publicado na altura da ofensiva sionista de 2009. Continuaria válido face à ofensiva de 2012. Permanece válido em 2014, perante a actual acção genocida desencadeada por Israel. É importante recordá-lo, além do mais para desmontar a histérica argumentação que pretende fazer crer que a condenação dos crimes de Israel significa anti-semitismo. Muitos judeus são também vítimas do sionismo.

-

Publicado neste blog:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 07:20
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 31 de Julho de 2014
Não ao terror sionista!

-

Mas sim, há algo de novo. Na arrogância, no cinismo, no propósito de provocar destruição, sofrimento e morte numa dimensão tal que gere o terror e o desespero capaz de finalmente impor a rendição. Na afirmação de força, no culto da violência e no desprezo pela vida que são características do nazifascismo. O comportamento criminoso do Estado de Israel atingiu tal nível que pode considerar-se pronúncio de crimes ainda maiores, nomeadamente contra a Síria e o Irão, que têm sido repetidamente ameaçados de agressão militar. Algo de novo também no grau de conivência e apoio expresso das grandes potências capitalistas, que não só assistem insensíveis ao massacre que diariamente se desenrola sob os nossos olhos, como o justificam em nome do «direito de Israel a defender-se», sem mesmo acrescentar uma palavra que seja quanto às raízes do problema que reside no espezinhamento dos direitos nacionais do povo palestiniano.

-

Brecht deu-nos a receita:

O que é esmagado que se levante!

O que está perdido, lute!

O que sabe ao que se chegou, que há aí que o retenha?

E nunca será: ainda hoje

Porque os vencidos de hoje são os vencedores de amanhã.

«Ao fim de 21 dias de ofensiva, o número de palestinianos mortos ou feridos ultrapassava os oito mil. Mortos contavam-se, anteontem, 1113, e os feridos ascendiam a cerca de sete mil, informavam as autoridades de saúde da Faixa de Gaza. Metade das vítimas são mulheres e crianças e a maioria dos mortos, civis, contabilizam-se a partir do início da segunda fase da campanha militar lançada por Israel.»

-

Publicado neste blog:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 08:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 25 de Julho de 2014
O cheiro a gás... e a sangue

-

O massacre israelita prossegue em Gaza. Os números são elucidativos do crime contra a Humanidade que ali está a acontecer. Os mortos palestinianos ascendem, no momento em que escrevemos, a 512. Apenas no passado domingo o exército israelita matou 100 palestinianos. As vítimas são civis e na sua maioria mulheres, crianças e idosos. Os alvos são zonas residenciais como o bairro de Shejaiya onde ocorreu o massacre que o mundo viu. Nas praias de Gaza crianças são assassinadas enquanto brincam. Sentem o primeiro bombardeamento lançado de um submarino israelita. Põem-se em fuga, correm e tentam resguardar-se numa cabana de pescador. O segundo «tiro» do submarino não falha e mata as três crianças.

Os feridos são, ao momento da redacção deste artigo, francamente mais de 3000. Os refugiados internos contam-se já em 63 000, amontoados em 48 centros da ONU. Colonos israelitas montam plateias improvisadas para ver o «espectáculo» da matança. A loucura racista e fascista vai tão longe que Mordechai Kedar, um dito professor de Literatura Árabe na Universidade de Bar-Ilan, recomendou, num programa de rádio, a violação de mulheres palestinianas como forma de impedir «ataques terroristas». Mas os palestinianos não estão sós. São centenas as cidades, por todo o mundo, onde o povo faz ouvir, por estes dias, a solidariedade com a Palestina.

Israel apenas é apoiado pelos seus cúmplices. Esses respondem com frases assassinas como «direito de Israel de se defender» (Obama), ou como «pedido de contenção a Israel» (Ban Ki Moon) ou ainda discursos cúmplices como «lamentar a perda de vidas civis» (Laurent Fabius). Mas respondem também de outra forma, com repressão. Hollande, o tal «social-democrata de esquerda», acabou de tornar a França num dos primeiros países do mundo a proibir manifestações pela Palestina. A CNN retirou a sua repórter de Gaza porque esta não se conteve e disse no Tweeter a verdade. Um judeu americano que manifestava a sua solidariedade com a palestina foi violentamente levado por soldados. Entretanto circula a informação que Israel prepara um novo poder político em Gaza para controlar as reservas de gás recentemente descobertas ao largo de Gaza. A cumplicidade do crime cheira a gás... e a sangue.

-

«A mais poderosa máquina de guerra da região não tenciona parar»

-

Publicado neste blog:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:30
link do post | comentar | favorito
|

Fim à Agressão

-

Confrontados com o inadmissível silêncio do Governo Português perante a criminosa agressão de Israel contra o povo palestino, em Gaza e na Margem Ocidental, a CGTP-IN, o CPPC e o MPPM dirigiram ao Primeiro-Ministro uma CARTA ABERTA e decidiram promover uma SESSÃO PÚBLICA DE SOLIDARIEDADE NA PRÓXIMA TERÇA-FEIRA, 29, ÀS 18.30 HORAS, NA CASA DO ALENTEJO EM LISBOA, na qual intervirão, designadamente, o Embaixador da Palestina, Dr. Hikmat Ajjuri, e a Presidente do MPPM, Maria do Céu Guerra.

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:22
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 24 de Julho de 2014
Israel: Terrorismo de Estado

-

Em 2012, como em 2014...

-

Terrorismo de Estado é defender a concepção de que se pode expulsar, pelo uso combinado da violência física e da pressão económica, alguém de uma terra onde nasceu e que é sua, para em seu lugar colocar alguém que nasceu algures e nunca conheceu o país.

É transplantar para diferentes locais populações inteiras, provocando a morte de milhares dos seus filhos.

É privar um povo do direito ao acesso à educação e à cultura.

Terrorismo de Estado é enclausurar populações inteiras em guetos (ou campos de refugiados), forçando-as a viver no seio da miséria e da doença, abaixo de qualquer limite de pobreza.

É responder à revolta generalizada com a repressão em massa, considerando toda a população como potencial terrorista.

É executar prisioneiros a sangue frio.

Esta tem sido ao longo dos tempos, embora com diferentes graus, a política oficial de Israel.

-

Publicado neste blog:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 16:04
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 23 de Julho de 2014
E(Hi)stórias exemplares

    Durante o 1º consulado de Benjamin Nétanyahou (Junho de 1996 / Julho de 1999) são assassinados, em manifestações, 85 palestinos. Mais de 1200 ficam feridos. Não há nenhum atentado terrorista por parte dos palestinos.

Mas a «tradição» já vem de longe...

Em 1948 grupos de judeus armados destroem pelo menos 250 aldeias árabes, provocando, até 1950, o exílio forçado de 900 mil palestinos. Um desses grupos (terroristas?), o Irgoun, era chefiado por Menachem Begin, futuro primeiro-ministro de Israel, que assinou os chamados acordos de Camp David com o Egipto.

Outro, o Lehi, por Itzhak Shamir, igualmente futuro primeiro-ministro. Ambos são confessadamente responsáveis pelo massacre de 250 habitantes da aldeia palestina de Deir Yassine a 10 de Abril de 1948.

Invasões sucessivas do Líbano, a mais grave das quais em 1982, chefiada por Ariel Sharom. Este promete ao seu governo e aos seu povo conquistar Beirute em 24h. Leva 76 dias! Pelo caminho massacra milhares de refugiados palestinos indefesos. ArielSharon (também ele futuro 1º ministro) é considerado criminoso de guerra no seu próprio país, Israel.

-

Publicado neste blog:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:19
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Sexta-feira, 18 de Julho de 2014
O «conflito» na Palestina

     No momento da redacção deste artigo circula na comunicação social a possibilidade de um «cessar-fogo» no «conflito israelo-palestiniano». Mas o que significa de facto este «cessar-fogo»? Significa que duas partes em conflito, com partes iguais de responsabilidade, munidas de meios proporcionais, levando a cabo actos de guerra proporcionais decidem, mesmo que temporariamente, cessar as operações militares de um «conflito» neste caso «israelo-palestiniano»?

Não! E o problema da abordagem do problema palestiniano começa exactamente aqui. Não existe nenhum «conflito israelo-palestiniano», o dito «cessar-fogo» será, se confirmado, apenas a suspensão de mais uma dantesca e criminosa expressão da política de terrorismo de estado de Israel – potência ocupante da Palestina. Dirão alguns que existe um conflito, porque de Gaza e de outros territórios partem «rockets» direccionados contra o território de Israel. Vejamos então quais as razões desse «conflito» e como ele ocorre.

A Palestina é um País ocupado há mais de sessenta anos. Sete milhões de palestinianos são refugiados ou deslocados. Aquando da formação do Estado de Israel em 1948 os acordos de cedência de territórios preconizavam 55% para Israel e 45% para a Palestina. Hoje Israel ocupa 82% destes territórios e mantém os restantes sob férreo controlo. A Faixa de Gaza é um dos territórios vítima desse cerco e controlo. Cercado por ar, mar e terra (nomeadamente pelo muro racista), sujeito a um bloqueio, este território de 40km de comprimento e de seis a 12 km de largura, onde tentam sobreviver 1,8 milhões de pessoas, é a maior prisão a céu aberto do mundo. A Faixa de Gaza não tem um exército, aliás como o não tem a Palestina. Do outro lado, Israel é, qualitativamente, um dos mais (senão o mais) poderosos exércitos do mundo.

Há seis dias (ao momento da redacção deste artigo) que este território – onde 80% da população vive abaixo do limiar da pobreza – é bombardeado pelas mais sofisticadas armas à semelhança de 2008 e 2012 quando foram assassinados 3000 palestinianos. Apenas no primeiro dia deste novo massacre os ataques aéreos deram-se ao ritmo de 11 por hora. Um terror inimaginável.

Esta é a realidade de seis dias de «conflito»: 700 ataques aéreos israelitas, mais de 1100 mísseis disparados, mais de 100 disparos de tanques de guerra e cerca de 330 bombardeios navais. Um autêntico inferno que já matou mais de 180 palestinianos (dos quais cerca de 40 crianças) e fez 1250 feridos na sua maioria mulheres e crianças. Segundo dados da ONU, 5600 pessoas (940 famílias) estão deslocadas; 60 000 pessoas não têm acesso a comida; 400 000 pessoas estão sem electricidade; 1/3 da população tem acesso restrito a água potável; foram danificadas oito unidades de saúde, quatro ambulâncias e 36 escolas; 940 unidades residenciais foram arrasadas e 2500 casas estão danificadas. Foram incendiados 32 barcos de pesca, 3600 pescadores estão há sete dias sem acesso ao mar. Do lado de Israel foram destruídas duas casas e nove pessoas ficaram feridas.

Não foi o assassinato de três jovens colonos, em condições ainda por esclarecer, ocorrido numa zona controlada civil e militarmente por Israel, que está na origem deste «conflito». E muito menos os «foguetes» de Gaza. Não! O que motiva o poder sionista é o racismo, a ocupação e a tentativa de fazer «explodir» o processo de unidade entre as forças da resistência palestiniana de cada vez que ele dá um passo em frente. Não estamos perante um conflito. Estamos perante uma agressão, perante uma das mais escandalosas violações de direitos humanos, levada a cabo com o apoio dos EUA, com a silenciosa cumplicidade da União Europeia e de governos como o português. Há que tomar partido! Pela vítima, pelo povo palestiniano, reconhecendo o seu direito à resistência!

(sublinhados meus)

-

-
Cisjordânia

«Israel continuou a bombardear a Faixa de Gaza apesar de o Egipto ter proposto a suspensão da ofensiva que, em sete dias, já provocou mais vítimas que a agressão de 2012 e agravou o drama humanitário no território.»

-

Publicado neste blog:

-



publicado por António Vilarigues às 09:46
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Segunda-feira, 14 de Julho de 2014
Fim à agressão israelita!

-

A acção criminosa de Israel contra o povo palestiniano - que agora adquire a forma de mais uma agressão armada de grande envergadura - vem confirmar aquilo que já era uma evidência: o chamado processo negocial encenado pelos EUA não tinha outro objectivo senão o de tentar impor e consagrar a aceitação da efectiva ocupação da Palestina e a capitulação e abdicação dos direitos nacionais do povo palestiniano.

-

CONCENTRAÇÃO

SEGUNDA-FEIRA 14 de JULHO, ÀS 18 HORAS

NO ROSSIO, EM LISBOA

-

Publicado neste blog:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:54
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Abril de 2014
Por uma Palestina unida, livre, independente e soberana

-

No passado dia 29 de Novembro de 2013, a Assembleia Geral da ONU aprovou uma resolução onde se proclama 2014 como Ano Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino. Reiterando o conjunto das resoluções tomadas sobre a matéria, que reconhecem unanimemente a legitimidade das aspirações nacionais do povo palestino, e reafirmando o compromisso permanente da Nações Unidas em relação à questão da Palestina em todas as suas vertentes, e até que uma solução conforme com a legitimidade internacional seja alcançada, a decisão da Assembleia Geral da ONU comporta um apelo à comunidade internacional, à opinião pública em todo o mundo para que se mobilize no reforço e alargamento da solidariedade com a luta do povo palestino pela sua liberdade, e pela concretização plena dos seus anseios e direitos.

Na qualidade de organização não-governamental reconhecida pelo Comité Permanente das Nações Unidas pelo Exercícios dos Direitos Inalienáveis do Povo Palestino, o MPPM - Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente - responde a este apelo, reconhecendo a necessidade de ampliar o conhecimento sobre a causa nacional palestina, em todos os planos da intervenção cívica, contribuindo, dessa forma para a afirmação, em Portugal, de uma consciência solidária, comprometida com o respeito pelos direitos humanos e a carta de princípios das Nações Unidas.

Neste sentido, a Direcção Nacional torna público o apelo (anexo) à realização em todo o país, de iniciativas que expressem solidariedade com o povo palestino, no espírito da resolução da Assembleia Geral da ONU, manifestando, ao mesmo tempo, o seu interesse e disponibilidade, com os seus conhecimentos e recursos, para colaborar em todas as acções que sejam promovidas com esse objectivo.

A Direcção Nacional do MPPM

-

Publicado neste blog:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:23
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
16
17
19
20
21

22
26
27
28

29
31


posts recentes

Que direitos para o povo ...

1 de Novembro de 1954 – I...

O futuro de Israel é ater...

Não ao projecto LAW-TRAIN...

100 anos do acordo Sykes-...

NAKBA 68 anos - Sessão de...

Dia internacional de soli...

Terrorismo - Um pilar da ...

Sessão Pública de Solidar...

MPPM analisa situação na ...

A estratégia da direita e...

Dia Internacional de Soli...

Debate: Gaza - um ano dep...

Exposição: «GAZA 2014 - T...

Brutal escalada de violên...

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

sistema capitalista

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds