Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Leitura Obrigatória (CXLVII)

     Novos Rumos para Portugal e para a Europa (Ilda Figueiredo)

Este livro procura dar uma visão da forma como tem evoluído a União Europeia nos últimos anos desta legislatura (2004-2009), partindo da análise do processo de integração capitalista, da actividade e das intervenções no Parlamento Europeu, as quais, por sua vez, são alicerçadas no trabalho colectivo do PCP e das suas diversas organizações, das inúmeras iniciativas em Portugal, em Bruxelas e Estrasburgo, nas múltiplas visitas e contactos com as mais variadas instituições e organizações portuguesas.

Os seus objectivos centrais são: a defesa patriótica da soberania portuguesa e da produção nacional, a luta pelos direitos dos trabalhadores e do respeito pelo princípio da igualdade de direitos e de oportunidades, o desenvolvimento e o progresso social, a promoção da paz e da cooperação com os povos de todo o mundo, o aprofundamento da democracia participativa, a promoção do património, da língua e da cultura portuguesas.

                                                     

In Edições «Avante!»

                                       

Pensamento de 25 de Abril de 2009

     Esta nova situação no movimento comunista internacional abriu na sociedade um espaço vago no qual tomaram particular relevo outros partidos revolucionários que, nas condições concretas dos seus países, se identificaram com os partidos comunistas em aspectos importantes e por vezes fundamentais dos seus objectivos e da sua acção.

                           

Álvaro Cunhal       

                        

José Saramago: A Maior Flor do Mundo (numa curta-metragem galega)

     «A maior flor do mundo», relato para niños (y adultos) escrito y narrado por José Saramago. Un corto colmado de símbolos y enigmas, destinado a una infancia que crece en un mundo quebrado por el individualismo, la desesperanza y la falta de ideales. Cortometraje de animación intervalométrica combinada con dos dimensiones.

Ver e Ouvir a entrevista:

Ver e Ouvir a versão (original) do «El PAÍS»:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                  

Judo: Telma Monteiro conquista medalha de ouro no Europeu

 

A judoca portuguesa Telma Monteiro conquistou esta sexta-feira a medalha de ouro nos Europeus que estão a decorrer na Geórgia, ao vencer na final da categoria -57kg a inglesa Sarah Clark. É o terceiro título europeu da atleta.

Este é o terceiro título europeu de Telma Monteiro, mas o primeiro na actual categoria. Em anos anteriores, já conquistara o ouro em 2006 e 2007 (na categoria -52kg) e também uma de bronze, no Europeu de 2005.

No seu palmarés, incluem-se ainda uma medalha de prata nos Mundiais de 2007, uma de bronze no Mundial de 2005. Em duas participações olímpicas (Atenas 2004 e Pequim 2008) ficou sempre em nono lugar.

                   

Parabéns à Telma Monteiro e ao seu clube, o SL Benfica

                                                                                             

Pensamento de 24 de Abril de 2009

   Durante muito tempo o sector financeiro e o mercado bolsista apresentaram resultados e um volume de negócios sem qualquer correspondência com a esfera produtiva. Vale a pena lembrar que desde o início de Agosto de 2007, os três principais grupos financeiros privados nacionais (BCP, BES e BPI) sofreram uma desvalorização bolsista entre os 72% no caso do BES e os 83% no caso do BCP, o que significou uma quebra enorme do seu valor em bolsa. No caso do BCP, se no início de Agosto de 2007 valia 16,3 mil milhões de euros, actualmente vale apenas 2,7 mil milhões de euros; no caso do BES o seu valor baixou de 8,4 mil milhões de euros para 2,3 mil milhões de euros; e no caso do BPI passou de 5,7 mil milhões de euros para 1,2 mil milhões de euros.

                            

Jerónimo de Sousa

                                

Notícias AQUIAQUIAQUI, AQUI, AQUI e AQUI   

                                                                  

Mário Soares e a sua empatia por Frank Carlucci

    Com exemplos concretos da pequena história do período revolucionário, Mário Soares voltou a demonstrar a sua empatia por Frank Carlucci, que no Outono de 1974 chegou a Portugal como embaixador dos EUA.

«Um tipo pequenino, vivo. Um típico mafioso italiano!», contou, recordando o momento em que se conheceram.

DN Online: Frank Carlucci parecia "um típico mafioso italiano"

    During the turbulent years after its 1974 revolution, U.S. Ambassador Frank Carlucci and Portuguese Prime Minister Mario Soares spent countless hours advancing the cause of democracy and human rights for the people of, often meeting in “the Crow’s Nest,” a room at the very top of the Ambassador’s official residence in Lisbon.

[Durante os anos turbulentos depois da revolução de 1974 o Embaixador dos EUA Frank Carlucci e o Primeiro Ministro Mário Soares gastaram horas sem conta a tratar da causa da democracia e dos direitos humanos para o povo numa pequena sala, conhecida como "o ninho do corvo",  situada mesmo no cimo da residência oficial do Embaixador em Lisboa.]

U.S. Ambassador Thomas Stephenson, An American's Perspective on Portugal Day

     A propósito do assassinato de Lumumba é ver este vídeo a partir dos 6m e 20s:  

CIA - Ajax (Iran-Mossadegh) / Guatemala / Congo Lumumba

(Claro que todo o vídeo é "instrutivo")

    Serviu o Departamento de Estado de 1957 a 1969, sempre em situações controversas. África do Sul, Congo (golpe de estado), Zanzibar (golpe de estado) e Brasil (golpe de estado) foram os seus destinos.

De 1969 a 1975 andou pela área económica e social das Administrações de Nixon e Ford.

O Departamento de Estado chama-o expressamente para mais uma situação complexa, como embaixador em Portugal de 1975 a 1978. A sua «actuação» no nosso país valeu-lhe sair directamente para vice-director da CIA onde permaneceu até 1981. No que constituiu, sublinhe-se, um «movimento diplomático» inédito. Antes e depois.

Seguiu-se o Departamento de Defesa, onde foi adjunto do Secretário de Defesa Caspar Weinberger até 1983.

Saída para os negócios privados para regressar em 1986 para a Casa Branca como Conselheiro Nacional de Segurança e em 1987 como Secretário de Defesa de Reagan.

Desde que abandonou o Pentágono em 1989 Frank Carlucci enveredou pelos negócios privados. Permaneceu no grupo Carlyle, onde chegou a Presidente, até 2005.

Tem interesses económicos nas seguintes empresas: General Dynamics, Westinghouse, Ashland Oil, Neurogen, CB Commercial Real Estate, Nortel, BDM International, Quaker Oats e Kaman.

                                      

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D