Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

CONTRIBUTOS DA COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA O ASSASSINATO DA DEMOCRACIA

    A comunicação social nos nossos dias reproduz como nunca a ideologia dominante. Seja na TV, na rádio ou nos jornais.

Como negócio rege-se pelas leis do lucro. As audiências, ou as tiragens, com as consequentes receitas da publicidade, determinam, em última análise, os seus conteúdos essenciais.

A lei basilar da chamada economia de mercado da concentração e centralização do capital também se manifesta neste sector. A existência de um sector público com peso significativo em vários países atenua, mas não altera significativamente o panorama. As fontes de informação são cada vez mais afuniladas. Uma dúzia de grupos económicos controlam a esmagadora maioria do sector a nível planetário.

Os traços dominantes do que é difundido, ainda que com diferentes matizes, são comuns a públicos e privados. A defesa de que o capitalismo é o fim da história. Que a democracia, tal como a conhecemos, não sendo perfeita, não tem alternativa. A fabricação de factos políticos. A “venda” como notícias de acontecimentos acessórios: escândalos, crimes, desgraças. Os reality show. A vida da chamada alta sociedade apresentada como padrão. A primazia das sondagens, barómetros, estudos de opinião sobre a própria realidade. A ostracização de quem defende vias alternativas.

Mas também o que não se noticia. O que se silencia é, na maior parte das vezes, tão ou mais importante do que o que se publica.

Como, noutro plano, o facto de o volume da informação hoje disponível ser de tal ordem que é correcto afirmar que a “mais informação” raramente corresponde “melhor informação”. O “bombardeamento mediático”, com a televisão à cabeça, em vez de ajudar a compreender melhor o mundo pode conduzir a que as pessoas pura e simplesmente não tenham tempo suficiente para pensar.

A ausência de contextualização do que se noticia, a própria semântica, são igualmente planos onde se manifesta claramente o esforço para a padronização do pensamento.

Os exemplos abundam.

Em 1965 Suharto, na Indonésia, a pretexto de um golpe de estado encabeçado pelo Partido Comunista, desencadeou uma feroz repressão. A BBC, tida como órgão de referência, deu como provado a existência do golpe. A notícia espalhou-se por todo o planeta, contribuindo para a neutralização do protesto de amplos sectores da opinião pública mundial. Três milhões de mortos depois a BBC veio reconhecer que tinha sido manipulada. Apresentou desculpas. Mas os homens, mulheres e crianças, vítimas mortais da repressão, já não podiam receber esse acto de contrição.

Mais perto de nós é conhecida a actuação da TV pública francesa na criação do massacre de Timissoara. Acontecimento, reconhecidamente fabricado, que conduziu directamente ao derrube de Ceaucescu na Roménia. Os responsáveis foram demitidos. Mas, para o bem e para o mal, um regime político tinha sido derrubado com base numa mentira televisiva.

Para não falar na actuação da maioria da comunicação social australiana aquando da invasão de Timor Leste em 1975. Nem o assassinato de jornalistas do seu próprio país a fez arrepiar caminho. Ou dessa novel figura dos correspondentes de guerra “embebidos” nas tropas no Iraque e no Afeganistão

Mas também em Portugal. E muito recentemente.

A forma como a generalidade da comunicação social cobriu as recentes eleições autárquicas são um bom espelho do que afirmamos. Aliás Pacheco Pereira já se referiu duma forma correcta a esta mesma questão em artigo publicado logo após o acto eleitoral.

Fátima Felgueiras teve tempo de antena em directo que mais nenhum candidato logrou alcançar. Vinte minutos. O normal seria passar um resumo dos acontecimentos, com o devido enquadramento. Mas não.  Significativamente nenhum director de informação tirou a senhora do ar. Nem o da R.T.P. A própria comunicação social escrita caiu no mesmo pecado. Dias e dias a fio com direito a títulos de primeira página. E páginas e páginas de prosa.

Estavam em causa candidatos a 308 concelhos de Portugal. Mas até parecia que eram só 10 ou 12 as autarquias em questão. Sempre as mesmas. O resto foi paisagem. Nesta questão falo com conhecimento de causa. No concelho onde fui candidato, Penalva do Castelo, a campanha eleitoral, quer na forma, quer no conteúdo, não se enquadra na fotografia que nos impingiram. E, obviamente, não foi exemplo único.

Pode-se afirmar que cada caso foi um caso. Mas esta diversidade não cabe no retrato das eleições que nos quiseram fazer crer. Valeu tudo. As tiragens e as audiências podem ter aumentado. As receitas também. Mas a democracia saiu a perder.

A difusão de sondagens com pretensos “empates técnicos”, que a realidade das votações mostrou estar a quilómetros da realidade, conduziu, nalguns casos, a movimentações significativas do eleitorado. Ao difundi-las como verdade absoluta o que pretendem os órgãos de comunicação social? Contribuir para o alheamento dos eleitores? Manipulá-los? É verdade, já me esquecia, as sondagens nunca se enganam. A realidade é que insiste em desmenti-las.

A comunicação social tem contribuído, voluntária e involuntariamente, para a menorização da democracia. O que não invalida, antes releva, a outra face da moeda. Tudo é dialéctico...

Nota: Não é só Cavaco Silva que tem de ter cuidado com os seus apoiantes. Manuel Alegre também. Há uma dúzia de anos EPC (Eduardo Prado Coelho) já nos tinha surpreendido com a peregrina tese de que não eram as suas análises da realidade portuguesa que estavam incorrectas. Não. A realidade é que se enganava!

Agora ficámos a saber que os comunistas portugueses foram os responsáveis pela edificação das sociedades nos países do leste da Europa no pós II Guerra. É a fábula do lobo e do cordeiro na versão de Coelho: “Se não fostes tu, foi o teu pai”. Brilhante. Para EPC os comunistas é que são o perigo para a democracia em Portugal. Cavaco e seus apoiantes não. Estamos esclarecidos. Manuel Alegre que se cuide...
 

Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação

 

In jornal "Público" - Edição de 5 de Dezembro de 2005

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D