Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O Bem e o Mal revisitados (I)

O discurso do choque de civilizações em quatro blogues portugueses

   Neste artigo o autor, João Valente Aguiar do Blog «Vinhas da Ira», analisa com profundidade a blogosfera que, embora se apresente e seja “um campo idilicamente democrático e plural, não deixa de ser sintomática a coincidência de os blogues com maior número de leitores internáuticos partilharem significativa parte do ideário neoliberal veiculado pelos grandes meios de comunicação social, por políticos, por think tanks e por empresários”. É essa a razão por que “tanto blogues auto-definidos como de esquerda como blogues assumidamente de direita raramente discordam em torno da substância da sua visão do mundo”.  

I – Blogues portugueses do mainstream e a apropriação do discurso do choque de civilizações

«Estou contente com a notícia [da anulação do rali Lisboa-Dacar, nota nossa]: muitos deram-se conta, ontem, de que estamos em guerra. E, acreditem, ainda é só a fase suave da guerra»

Ferreira Fernandes, Diário de Notícias, 5 de Janeiro de 2008

Os blogues têm-se tornado, segundo algumas concepções, uma das ferramentas mais bem sucedidas na revitalização da discussão política e teórica num plano alargado de difusão, reflexão e discussão. A presença de bloggers (autores de blogues na língua inglesa) em cada vez mais espaços televisivos e jornalísticos de opinião e de debate tem expandido a penetração desse espaço internáutico no seio do campo mediático mais vasto.

A temática do choque de civilizações e do terrorismo islâmico não foge a essa regra. Porquanto a blogosfera se apresente e represente como um campo idilicamente democrático e plural, não deixa de ser sintomática a coincidência de os blogues com maior número de leitores internáuticos partilharem significativa parte do ideário neoliberal veiculado pelos grandes meios de comunicação social, por políticos, por think tanks e por empresários. Neste aspecto, o poder da ideologia dominante possibilita-lhe atravessar todos os tabuleiros de produção cultural e simbólica, mantendo a sua posição hegemónica no e sobre o conjunto da sociedade. Do nosso ponto de vista, o que poderemos chamar de mainstream da blogosfera portuguesa padece de uma incapacidade para reflectir fora do modelo formatado do neoliberalismo, fechando a maioria das discussões do mesmo espectro ideológico a tendências de aplicação, efectivação e legitimação desse ideário.

Como procuraremos mostrar nesta secção, tanto blogues auto-definidos como de esquerda como blogues assumidamente de direita raramente discordam em torno da substância da sua visão do mundo. O caso do choque de civilizações é, a todos os títulos, evidente. Nenhum dos quatros blogues em análise [1] (Tugir e Kontratempos auto-apresentados como de esquerda, O Insurgente e Atlântico auto-apresentados como de direita) fogem ou sequer questionam nos seus textos as teses do choque de civilizações e do papel missionário dos EUA e do Ocidente no mundo. Na verdade, o ocidentalocentrismo das propostas de Huntington é, em muitos casos, quase liminarmente repetido nas suas linhas mestras. Noutros casos, é inter-relacionado com a legitimação da violência indiscriminada sobre povos e países, bem como se assiste a uma ligação a um discurso moralista do Bem contra o Mal, independentemente destes dois pólos não se encontrarem de forma explícita nos textos. Aliás, boa parte do sucesso dos argumentos expressos na blogosfera prende-se com a capacidade que os «intelectuais orgânicos» (Gramsci, 1976, p.25) do neoliberalismo e do choque de civilizações têm para sub-repticiamente construírem um discurso dualista assente em proposições morais, parciais e para-religiosas (o Bem contra o Mal; os ocidentais civilizados contra os islâmicos bárbaros, etc.).

(continua)

              

Notas:
[1] Gostaríamos de justificar a escolha cronológica dos posts analisados, bem como dos próprios blogues. Sobre este ponto, interessou-nos analisar blogues que partilhassem disposições com o espectro político do chamado arco governativo e que, ao mesmo tempo, consagrassem boa parte da sua produção textual a assuntos de política internacional, particularmente às questões do terrorismo islâmico. Com efeito, a análise, em blogues portugueses, de fenómenos de política internacional a partir de uma perspectiva que se afirmasse próximo de uma visão neoliberal afirmou-se como decisiva para a escolha dos blogues referidos. Por outro lado, a concentração da maioria dos posts  no ano de 2007 teve que ver com dois acontecimentos relevantes sucedidos nesse ano. Em primeiro lugar, a evocação (e proximidade) dos seis anos dos atentados às Torres Gémeas do World Trade Center em Nova Iorque. Em segundo lugar, por causa do exacerbar das relações tensas entre os EUA e o Irão no mesmo período.

                                      

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D