Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O Bem e o Mal revisitados (II)

O discurso do choque de civilizações em quatro blogues portugueses

   Neste artigo o autor, João Valente Aguiar do Blog «Vinhas da Ira», analisa com profundidade a blogosfera que, embora se apresente e seja “um campo idilicamente democrático e plural, não deixa de ser sintomática a coincidência de os blogues com maior número de leitores internáuticos partilharem significativa parte do ideário neoliberal veiculado pelos grandes meios de comunicação social, por políticos, por think tanks e por empresários”. É essa a razão por que “tanto blogues auto-definidos como de esquerda como blogues assumidamente de direita raramente discordam em torno da substância da sua visão do mundo”.

(continuação)

O primeiro procedimento da aplicação das teses do choque de civilizações encontrado no blogue Tugir – nomeadamente no respeitante à dicotomia Ocidente versus Islão – centra-se na assunção de que nos encontramos numa situação de guerra. A citação que colocamos em epígrafe, retirada de um dos jornais com maior circulação e maior influência na formação de opinião em Portugal, é esclarecedora. Assim, para os opinion makers da blogosfera, num contexto de guerra só respostas firmes tomadas por governos ainda mais “firmes” e “corajosos” (leia-se, autoritários) poderão estar à altura dos acontecimentos. Múltiplos exemplos podem ser referidos:

«Israel soube que estava a surgir uma central nuclear, em território sírio junto da fronteira com o Iraque. Uma central que contava com apoio técnico da Coreia do Norte. Ora, os aviões israelitas foram à Síria destruir a central, numa operação que nem israelitas nem sírios confirmam ou desmentem, cada uma, pelas razões óbvias que se pode deduzir. Os perigos estão a alastrar e de duas uma, ou se previnem as ameaças ou estas podem mostrar-se da pior forma» (Tugir, 18 de Setembro de 2007a) [itálicos nossos].
«Muitos assustam-se com a referência de uma possível intervenção militar no Irão (e há razões para isso), mas ninguém se assusta com a ameaça nuclear iraniana?» (Tugir, 18 de Setembro de 2007b).
«A ameaça é real. No Irão quase todos sabem para que servirá um projecto nuclear. Há momentos em que se deve prevenir, antes de remediar» (Tugir,17 de Setembro de 2007a) [itálicos nossos].
«Israel dá, assim, uma mensagem clara não só ao regime de Damasco mas também de Teerão, de que se for necessário a segurança nacional israelita é garantida fora do território de Israel» (Tugir, 17 de Setembro de 2007b).

O Irão é imediatamente catalogado como sendo uma terrível ameaça à humanidade, como um Estado em vias de lançar o Ocidente em chamas. O grau de diabolização desse Estado soberano é tal que os autores do blogue Tugir não se coíbem de reproduzir um cartoon do Irão como um malévolo polvo que estende os seus tentáculos a todo o Médio Oriente, sublinhado com a frase: «O polvo cresce e estende-se quanto maior liberdade lhe derem. É o que está a acontecer» (Tugir, 19 de Junho de 2007).

Neste blogue a persistência num discurso de firmeza e de força perante o inimigo chega a ser, portanto, obsessiva. Em simultâneo, ressalve-se que se denota a presença da formação de uma arena onde o Ocidente se confronta com um dos mais poderosos estados islâmicos:

«o G-8 anunciou hoje que apoiará novas medidas se o Irão não cumprir as resoluções das Nações Unidas (ONU) que exigem que o país suspenda o respectivo programa de enriquecimento de urânio» (Tugir, 30 de Maio de 2007)
«”Se o Irão continuar a ignorar as exigências do Conselho de Segurança apoiaremos mais medidas apropriadas, conforme acordado pela resolução 1747”, afirmaram os ministros do G-8 em comunicado conjunto. O tempo de ingenuidade e hesitações da Comunidade Internacional parece estar a terminar em relação ao projecto nuclear iraniano. Já não era sem tempo» (idem).

Na última frase percebe-se ainda mais nitidamente a defesa do princípio dominante e hegemónico dos EUA e seus aliados mais poderosos na cena internacional, quando se coincide a Comunidade Internacional – um termo nebuloso mas que procura funcionar como equivalente de sociedade civil mundial – com os interesses dessas mesmas potências, na sua maioria ocidentais. Por outro lado, neste blogue a situação de guerra entre civilizações não só é real como evidente. «Como qualquer pessoa, mesmo sem saber pouco mais do que a sua língua nativa, percebe-se o que pretende o flamejante de Teerão. Basta somar um mais um. Está tudo escarrapachado, preto no branco. Ninguém desmentiu as palavras» (Tugir, 30 de Março de 2007). Presumem então os autores do blogue que existe uma verdade absoluta relativamente ao dossier da suposta tentativa de construção de um arsenal nuclear por parte do Irão? Pelos vistos sim, sendo, dessa maneira, inquestionável a construção de uma imagem dual, de uma imagem a preto e branco, entre “bons” e “maus”, entre evidências não comprovadas e comprovadas intenções de legitimação de um ataque militar sobre um Estado soberano e onde não existem provas cabais sobre o teor supostamente armamentista do seu programa nuclear. O exercício puramente ideológico e manipulador de unilateralmente rotular o Estado em questão como a única nação da região com intenções nucleares e expansionistas é esquecer, por exemplo, o Estado de Israel e a ocupação que tem vindo a efectuar dos territórios palestinianos que já resultou na morte de milhares de civis de ambos os lados, os seus sucessivos incumprimentos de resoluções das Nações Unidas, dos Acordos de Oslo e a posse de armamento nuclear.

(continua)

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D