Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Penalva do Castelo: Intervenção lida na Assembleia Municipal de 25 de Fevereiro

    Senhor Presidente da Assembleia Municipal, senhoras e senhores deputados municipais, senhor Presidente da Câmara, senhores vereadores, público,

Infelizmente a actuação da maioria PSD/CDS deste executivo já não me surpreende.

Esta Assembleia Municipal reúne em plena crise. Crise que começou por ser financeira. Que, continuando a ser financeira, passou a económica. Que, sendo económica e financeira, passou igualmente a ser social. E que, sendo financeira, económica e social, há-de ser inevitavelmente política também. Uma crise que, pelas suas dimensões e abrangência planetária, é sem igual.

E o que faz a maioria? Esconde a cabeça como a avestruz. É incapaz de trazer a esta Assembleia uma proposta, qualquer que ela seja, que minimize os impactos da crise no nosso concelho.     

E no entanto o diagnóstico social está feito. Pesem embora algumas lacunas, mesmo de ordem técnica, é – deveria ser – um bom instrumento de trabalho.

Pergunta-se:

O que fez a maioria do executivo para combater a elevada taxa de desemprego e sub emprego no concelho?

Qual o seu contributo para diminuir as situações de carência económica e de dificuldades de gestão financeira das famílias multiproblemáticas de Penalva do Castelo?

Que acções desenvolveu contra a toxicodependência e o alcoolismo?

Onde está o combate ao analfabetismo – recordemos que 25%, ou seja, 1 em cada 4 adultos do concelho é analfabeto -, chaga social impensável neste século XXI, ao insucesso e ao abandono escolar?

Qual a sua contribuição para uma integração sócio-familiar, económica e cultural dos idosos, evitando a sua marginalização e isolamento?

Como em tudo a maioria PSD/CDS comporta-se como é seu apanágio – diz que faz, que vai fazer, mas não faz.

Comecei por afirmar que infelizmente a actuação da maioria PSD/CDS deste executivo já não me surpreende.

De facto assim é. Mais de 7 anos para concluir a revisão do PDM – e o processo continua.

Mais de 7 anos para implementar zonas empresariais no concelho – e até agora nem vê-las. 

Mais de 7 anos para a construção da Barragem dos Cantos – que nem em projecto está.

Mais de 7 anos para concluir o abastecimento de água a toda a população do concelho – outra situação impensável no século XXI.

Mais de 7 anos para assegurar a qualidade da água da rede pública – basta ler os relatórios das análises para ver quão longe estamos desse objectivo.

Mais de 7 anos para proceder a uma profunda reformulação das fossas de diversas localidades, de forma a transformá-las progressivamente em verdadeiras estações de tratamento de águas residuais.

Tudo promessas eleitorais não cumpridas e aqui citadas propositadamente.

Não é promessa eleitoral, mas já levam mais de 1 ano para corrigir situações manifestamente ilegais sobre a mobilidade, nomeadamente a acessibilidades para deficientes, no centro da vila – e a saga prossegue.

E podíamos continuar aqui o resto da tarde que o panorama seria sempre o mesmo.

Como nos podemos pois surpreender por este dolce fare niente da maioria do executivo que pelos vistos se transmite a muitos, que não a todos, os membros desta Assembleia Municipal?

Já pensaram, por exemplo, que o dinheiro gasto em almoços em feiras dava, e ainda sobrava, para manter um gabinete técnico de apoio (como fazem muitas das autarquias CDU) aos produtores de queijo e de maçã? Gabinete que os auxiliasse quer nos processos de certificação, quer no apoio a candidaturas a fundos agrícolas?

Já pensaram, por exemplo, em criar Empresas de Inserção Social cujo fim fosse a transformação da maçã excedentária (refugo), em compotas, concentrados e outras formas?    

Como aqui já repetidamente afirmei, e provei com propostas concretas que caíram sempre em saco roto, as alternativas existem. Mas só com outros protagonistas.

                                             
António Vilarigues

                                   

 

                                                      

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D