Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

A Guerra Civil de Espanha vista por Manuel Tiago (4)

(...)

Militarmente derrotados, os fascistas tinham, em numerosas zonas da cidade, subido para os telhados, passavam de uns prédios para outros e das azoteas faziam fogo sobre quem passava. De baixo respondiam, mas era difícil acertar-lhes e desalojá-los. Quando o fogo abrandava, os que de baixo combatiam, ao mesmo tempo que com repetidas rajadas forçavam os dos telhados a suspender o fogo, gritavam para quem queria atravessar a rua.

— Carnet en la mano! Carnet en la mano!

As pessoas levantavam o braço com os documentos na mão, corriam o mais que podiam para chegar ao outro lado a procurar abrigo das balas que não tardavam a chover.

(...)

Avançava a manhã e o calor. As ruas enchiam-se de movimento. Homens, mulheres, jovens, crianças, circulavam sem se saber bem para onde iam. O paqueo, mais ou menos, vivo continuava. A todo o instante, a grande velocidade e com súbitas travagens a evitar atropelar alguém, passavam carros com enormes bandeiras. Vermelho, amarelo e lilás do partido republicano, vermelho com a sigla PSOE do partido socialista, vermelho com a foice e o martelo dos comunistas, preto e vermelho em diagonal dos anarquistas. Bandeiras quase do tamanho dos carros, cada qual a querer que a sua fosse a maior.

Apesar da guerra civil que começava, das notícias vindas das regiões ocupadas pelo golpe, do avanço das tropas fascistas, das violências e atrocidades já conhecidas, do paqueo que continuava, o ambiente nas ruas era mais que calmo, despreocupado. Em Madrid o golpe fora derrotado. O povo da capital respirava fundo. Milhares de pessoas passeavam com manifesta alegria.

(...)

Tiroteio. Execuções sumárias por uns e por outros. O general Fanjul conseguira escapar-se do Cuartel de la Montaña. Os fascistas derrotados em Madrid continuavam a bater-se em grupos dispersos, esperançosos de que Franco chegaria prontamente à capital.

(...)

Quando anoiteceu não se acenderam as luzes na Gran Via. No escuro da noite mal se divisavam os vultos enormes dos edifícios. Dos lados da Puerta del Sol, cortando o espaço, chegava o ruído do paqueo. Na avenida descendo para a Plaza de España ouviam-se passos de gente que ainda se deslocava na cidade.

Aqui e ali grupos armados. Alguns explicavam o que havia a fazer e orientavam as coisas. Comandantes espontâneos a formar-se e a afirmar-se.

Os grupos colocavam-se emboscados às esquinas das transversais. Se os fascistas repetissem a façanha anterior, era preciso fazê-los parar.

Não tinha passado muito tempo da explicação, dois faróis luziram lá ao cimo da avenida. Correrias no escuro de gente a abrigar-se. Logo o carro avançou desalvorado avenida abaixo, abrindo fogo de automáticas a varrer os passeios e a destruir as montras.

Na primeira, na segunda, na terceira transversais soaram nas esquinas tiros de espingarda e pistola, uns atrás dos outros, mas o carro, sempre metralhando, passou uma, passou outra, e acabou por sumir-se na Plaza de España ao fundo da avenida. Um morto e dois feridos foi o lastro que deixou nos passeios.

— Cabrones! — soou uma voz no escuro, cortando o silêncio que se seguiu.

Não decorreu muito tempo sem que a cena se repetisse. Dessa vez o carro foi atingido, talvez na direcção, talvez nos pneus. Não parou entretanto. Sempre fazendo fogo, mal controlada a direcção, conseguiu também escapar-se.

— Me cago en su madre! — indignou-se Pepe que, com António, com Renato, com o seu grupo, se tinha emboscado numa esquina. — Qué mala puntería!

Transcorrida meia hora, ouviram-se de novo súbitas fuzilarias e ruidosas derrapagens. Um carro surgiu de uma transversal, deu rápida curva para a avenida e arrancou em vertiginosa embalagem na descida, faróis nos máximos apontados aos olhos de quem o defrontasse. O grupo fez fogo. O carro avançou, aproximou-se mais, mais, quase a passar e de súbito um vulto saltou da esquina para o meio da faixa de rodagem, os faróis avançavam — «ele mata--se, ele mata-se!», pensou António — mas logo, certamente por reacção instintiva do que guiava, o carro desviou a direcção, derrapou em pião e com estrondo foi estacar do outro lado da via, o capot enganchado de encontro a um poste da iluminação, o claxon a tocar como um alarme. De dentro saltaram alguns vultos a fazer fogo e procurando escapar-se ao longo dos prédios. Não foram longe. Um atrás do outro caíram varados. No local correram as patrulhas a rodear o carro. Quebrando o novo silêncio que se fizera, ouviu-se um único tiro. De pistola.

Na confusão que se gerara no escuro, custou a António encontrar Renato. Ao ver o vulto lançar-se à frente do carro com os braços levantados, parecera-lhe ser ele.

Quase indignado, pelo perigo irreflectido que o camarada correra, perguntou:

— Foste tu, não?

— E então? — replicou Renato nas calmas.

(...)

Excertos do Capítulo 3 de "A Casa de Eulália"

                                                                              

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D