Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

dos espantos, ou nem por isso

    Em resposta a este meu comentário «Vocês não deixam de me surpreender. Li e reli e nem uma palavra no blog sobre a manifestação do dia 18! Nem uma palavrinha. Nada. Niente. Népias. Zero. É como se não tivesse existido. Só uma pergunta: mais de 200 mil pessoas merecem-vos assim tanto desprezo? É espantoso... E revelador.» o Gabriel colocou no seu blog um post simpático, mas susceptível de causar confusões. Daí este esclarecimento adicional.

  1. AMBOS sabemos que os acontecimentos existem independentemente de serem comentados ou não. Dez mil crianças morrem TODOS OS DIAS de fome ou de doenças curáveis. Este facto só é comentado de quando em vez, o que não o torna inexistente.
  2. AMBOS sabemos que "órgãos de informação" e blogs são realidades diferentes. Penso que sei como funciona um blog, embora cada caso seja um caso.
  3. AMBOS abordamos tal ou tal assunto e colocamos nos nossos blogs (ou fora deles), as nossas opiniões. Ora coincidentes, ora dissonantes. Em função da nossa cosmovisão, ou seja, da nossa maneira de ser e de estar na vida e no mundo.
  4. Daí que seja "revelador" que nenhum dos "blasfemos" tenha comentado quer a manifestação, quer as cerimónias de Fátima. Só isso.
  5. Só alguma ponta de preconceito pode levar alguns bloguistas menos atentos a pensar (e a escrever) que eu pretendo impor o que quer que seja, a quem quer que seja. Já da inversa, se me é permitido o chiste, não tenho tanta certeza... 

   

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D