Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

A crise revisitada

    Neste início de 2010, apesar dos esforços propagandísticos dos mesmos do costume – economistas e políticos, que foram incapazes de prever a crise, as suas causas e os seus efeitos, a sua forma e o seu conteúdo – a crise financeira, económica e social não dá sinais de abrandar.

Continuamos a assistir por um lado, à desvalorização do capital sob todas as formas (comercial, financeiro). Por outro, à desvalorização da força de trabalho (como mercadoria). Para os marxistas é algo que não é nem novo, nem surpreendente. Apareceu pela primeira vez no começo do século XIX Repetiu-se sucessivas vezes. E voltará a suceder no futuro enquanto existir capitalismo.

A inevitabilidade das crises encontra-se no ADN do capitalismo. Uma economia capitalista pressupõe uma força motriz que conduza a reprodução capitalista até aos seus extremos, à acumulação de lucros imensos e a que a apropriação da mais-valia dos trabalhadores adopte uma forma de especulação monetária. Ou seja, que os imensos lucros, expressos em diferentes formas de capital, e naturalmente na sua circulação (fundos mútuos, títulos, acções em órgãos financeiros e empresas de fundos financeiros para gestão de capitais, Hedge Funds) reproduzidos como capital, como valor auto-crescente, devem ser reciclados no processo reprodutivo: sugando como vampiros novo trabalho não pago, para que se transforme em mercadoria, que depois se vende e se expressa como novo lucro.

É disto, expresso aqui duma forma muitissimo resumida e simplificada, que se trata. E não de quaisquer «maus comportamentos» (que também existiram e existem) deste ou daquele capitalista. Os sinais aí estão.

Confirma-se a tendência para as cessações de pagamentos por parte de alguns de Estados. Do Dubai à Grécia, passando pelos discursos cada vez mais inquietos das agências de classificação acerca das dívidas americana e britânica, ou pelo orçamento draconiano adoptado pela Irlanda e as recomendações da zona Euro para o controle dos défices públicos. A incapacidade crescente dos estados para enfrentar as suas dívidas é um tema sempre em destaque na comunicação social.

Refira-se que, ainda e sempre, as agências americanas de classificação não souberam (ou não puderam) antecipar este tipo de evolução. Lembremo-nos que elas não haviam previsto as implicações da crise das subprimes ou do afundamento do Lehman Brothers e da AIG. Nem igualmente a do Dubai…

Confirma-se, também, a tendência para aos governos europeus (e outros) manipularem cada vez mais as estatísticas económicas e sociais. Só que estas manipulações não fazem senão mergulhar os países ainda mais na crise. Os exemplos abundam: a «Verdade» na Grécia antes da crise actual era bem diferente da «Verdade» de hoje.

Em Portugal são conhecidos vários casos, dos quais um dos mais paradigmáticos é o da «limpeza de ficheiros» de desempregados por parte do IEFP: só no mês de Novembro de 2009 «desapareceram» dos ficheiros dos Centros de Emprego 49.501 desempregados.

Confirma-se, ainda, a impossibilidade da criação de uma política financeira comum, mesmo nas condições da recessão. Isto verificou-se em diferentes propostas, como as da Alemanha e da Grã-Bretanha sobre as medidas e pacotes de gestão da crise. Ou na formação das taxas de juro acima das que eram fixadas pelo Banco Central Europeu.

As diferentes visões sobre o Pacto de Estabilidade – se se privilegia a flexibilidade financeira ou a estabilidade monetária – expressam as diferentes necessidades dos Estados membros, e não uma falta de órgãos de governo da UE ou um excesso de poder do Banco Central Europeu.

Como nota final, uma chamada de atenção. Neste manancial de análises e informações com que quotidianamente somos bombardeados convém ter em conta um provérbio chinês: «Quando o sábio aponta a Lua, o idiota olha para o dedo».

Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação

In jornal "Público" - Edição de 10 de Janeiro de 2010

                                                                                         

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D