Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O que querem apagar da história?

Decorreram 65 anos desde o fim da II Guerra Mundial. Passaram 21 anos sobre a queda do Muro de Berlim e 19 anos desde o fim da URSS. Neste mês de Maio de 2010 o que querem apagar da História os poderes dominantes?

Querem apagar da história que a política da «solução final» não abrangeu apenas os judeus. Alargou-se aos ciganos e aos eslavos. Em apenas 3 anos (1941-43) 1/3 da população masculina da Bielo-Rússia foi aniquilada. Refira-se dois factos, entre inúmeros outros, nunca citados na historiografia dominante: noventa e nove por cento dos mais de mil campos de concentração nazis foram construídos a LESTE de Berlim! E aí morreram mais de 4 milhões de cidadãos soviéticos.

Querem apagar da história que foram os comunistas que tiveram o triste privilégio de inaugurar os campos de concentração hitlerianos e de neles serem literalmente quase exterminados. O PC Alemão em 1933 tinha centenas de milhares de membros. Em 1945 eram pouco mais de mil.

Querem apagar da história que nos países ocupados pela Alemanha e pelo Japão os comunistas desempenharam um papel essencial, muitas vezes decisivo, na condução da Resistência. De 1940 a 1944, setenta e cinco mil comunistas franceses morreram torturados, fuzilados ou em luta directa com o ocupante. A história repetiu-se em Itália, na Grécia, na Checoslováquia, na Polónia, na Albânia, na Jugoslávia (1 milhão de mortos), na Hungria, na Bulgária, nas Repúblicas Bálticas. Na China, no Vietname, nas Filipinas, etc., etc., etc.

Querem apagar da história o papel que cada Aliado desempenhou na II Guerra Mundial. A desproporção quer nos meios envolvidos, quer nos consequentes resultados, é evidente. Na URSS os hitlerianos destruíram 1.710 cidades, 70.000 aldeias, 32.000 empresas industriais, 100.000 empresas agrícolas. Desapareceram 65.000 km de vias-férreas, 16.000 automotoras, 428.000 carruagens. As riquezas nacionais da URSS foram reduzidas em mais de 30%. No território dos EUA, excepção feita a Pearl Harbour, não caiu uma só bomba, não se disparou um único tiro.

Querem apagar da história que até começos de 1944 na frente sovietico-alemã operaram, em permanência, de 153 a 201 divisões nazis. Na frente ocidental, no mesmo período, de 2 a 21. Em 1945 a mesma proporção era de 313 para 118. De Junho a Agosto de 1944, ou seja, desde o início da Operação Overlord (Dia D), as tropas fascistas perderam, entre mortos, feridos e desaparecidos, 917.000 na frente Leste e 294.000 na frente ocidental.

Querem apagar da história que a Alemanha perdeu na sua guerra contra a URSS o correspondente a ¾ das suas baixas totais. Na frente soviética o exército japonês perdeu cerca de 677.000 homens (na sua maioria prisioneiros). Morreram, recorde-se, em todos os cenários da II Guerra, 250.000 norte americanos, 600.000 ingleses, 26.600.000 de soviéticos (mais de 3 milhões dos quais membros do Partido Comunista).

Assistimos a um autêntico assassínio da verdade histórica. Querem apagar a natureza de classe das ditaduras nazi-fascistas, ignorar os seus crimes e a cumplicidade das grandes potências capitalistas. Querem silenciar e ocultar que essas mesmas potências fecharam os olhos às agressões à Etiópia, à Espanha republicana, à Áustria, à Checoslováquia. Querem esconder que a Segunda Guerra Mundial foi inseparável e consequência da crise do capitalismo e da ascensão do fascismo como resposta de classe a essa mesma crise. Querem apagar o papel da União Soviética e da resistência dos povos na derrota do nazifascismo.

Bem podem recorrer aos filmes de Hollywwod e às séries de Televisão. Ou, aos documentários (mais ou menos científicos) e às análises escritas e faladas. A realidade, essa «chata», não se deixa apagar. É por isso que, como já foi dito, a defesa da verdade histórica é parte integrante das lutas que é hoje necessário travar.

Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação

In jornal "Público" - Edição de 14 de Maio de 2010

-

Comemoremos os 65 anos da Vitória!

-

Há 35 anos: o outro 11 de SETEMBRO! - ESTADIO NACIONAL

    Entre el 11 de septiembre y el 7 de noviembre de 1973, el Estadio Nacional de Chile fue utilizado como campo de concentración, de más de doce mil prisioneros políticos que fueron detenidos allí luego del golpe militar.

Este documental, realizado 30 años después, es la primera investigación periodística que entrega una cronología exacta de estos hechos, reconstruyendo esta historia a través de los testimonios de prisioneros, periodistas, militares, enfermeras, etc .

Estadio nacional (2001)

                           

 

     «Carmen Luz Parot is a journalist, and one of the new generation of writers and film-makers, children of those imprisoned, killed or exiled by Margaret Thatcher's chum and mentor, Augusto Pinochet. Members of her own family were among those imprisoned. She has made a morbid but fascinating human document, a testament to survival in the worst of circumstances.

After Pinochet's CIA-backed military coup, about 12,000 people were held, raped, tortured, starved, killed, in the Chilean national football stadium. Although it is widely accepted as having been a concentration camp, an ex-guard interviewed describes it as looking like more of an extermination camp. In all, 35 survivors have been interviewed for this film, intercut with and segueing into vintage footage, stills and TV video. The opening sequence echoes the brutality swamping the country: a rapid montage of noise and visuals. The juxtaposition of interviews, today's return to the stadium, stills and movie shots of the scenes and participants being recalled, and the TV reportage with or without the reporter blithely retailing the fiction about the comfortable and well-fed prisoners, give the film an unstoppable flow. It is a valuable document: the truth lying in the details deemed un-newsworthy at the time. TV and papers only showed us prisoners standing around on the terraces. At night they were herded, some with multiple fractures received during arrest, later many in even worse condition through repeated torture, into the changing-rooms, locker rooms and toilets, where there was barely room to sit. Incredibly, in the middle of this, one soldier and one young female prisoner fell in love.

Torturers would electrocute or beat people up until 5.15, and then go home to play with their children. The pitch turf was kept well-tended throughout. After two long months, 7,000 survivors were set free and a further 900 dispersed to other prisons, in time for the World Cup. The first game was played without one of the teams, Russia, who were aware of the stadium's recent history. England were not unduly bothered by such scruples

                                                            

[Comentário de Cliff Hanley retirado de Estadio Nacional]

                

La Ventana - Estadio Víctor Jara: victoria del pueblo chileno   

                                          

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                        

Haja Memória: A solução final

    Os barracões Auschwitz, o maior entre os mais de mil campos de concentração.

Quando o Exército Vermelho soviético libertou o campo, em 27 de Janeiro de 1945, encontraram gigantescas montanhas com cerca de:

  • 850 mil vestidos
  • 350 mil fatos de homem
  • Milhares de pares de sapatos
  • Montanhas de roupas de crianças
  • Oito toneladas de cabelos humanos que seriam utilizados como enchimento de travesseiros
  • Foram libertados 7.650 presos, que mal podiam andar
  • Alguns dias antes os alemães tiveram o cuidado de dinamitar as instalações de extermínio e de queimar quase todos os arquivos. 
Haja Memória!
                       

Haja Memória: O trabalho vos libertará

    “Arbeit macht frei”, (O trabalho vos libertará), era a cínica divisa escrita no portão de entrada destes campos. Coube aos membros do Partido Comunista Alemão a triste honra de os inaugurar em 1934. Os comunistas alemães eram em 1933 mais de meio milhão. Alcançaram nas eleições 5,4 milhões de votos. A 8 de Maio de 1945 restavam pouco mais de mil.

Aos comunistas, tal como refere o texto (muitas vezes erradamente atribuído a Brecht) do pastor luterano alemão Martin Niemöller, seguiram-se os socialistas, os sociais-democratas, os democratas-cristãos, os sem partido.

No total existiram cerca de 1 000 destes campos. Significativamente 99% ficavam a Leste de Berlim.

A historiografia oficial ignora, ou quase, estes factos...

              

Haja Memória!

                   

Haja Memória: O Extermínio

    Mais de 13 milhões de pessoas perderam a vida sob o jugo Nazi da Alemanha de Hitler entre 1934 e 1945 em prisões e campos de concentração especialmente preparados para matar:

  • Cerca de 6 milhões de judeus
  • Cerca de 4,5 milhões de soviéticos (raramente referidos na historiografia oficial)
  • Cerca de 2,5 milhões de comunistas, socialistas, sociais-democratas, democratas-cristãos e sem partido de vários países da Europa ocupada
  • Cerca de 200 mil ciganos
  • Cerca de 75 mil alemães considerados «doentes incuráveis»
                                                 

Haja Memória!

                                                                                         

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D