Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Festa do «Avante!» 2016: o MAPA

2016_mapa_festa_parque_estacionamento

Clicar na imagem para visualizar a ligação

 

Transportes, parques, acampamento

Acompanhando as profundas alterações verificadas na edição deste ano da Festa do «Avante!» também há novidades ao nível dos acessos, transportes, parques de estacionamento e acampamento. Tudo para que a Festa seja cada vez melhor.

 

Festa do «Avante!» 2016: Concerto Sinfónico para um Glorioso Aniversário

concerto_sexta_feira_1

 

Concerto Sinfónico para um Glorioso Aniversário

 

Orquestra Sinfonietta de Lisboa – Maestro: Vasco Pierce de Azevedo

CORO sinfónico LISBOA CANTAT – Maestro: Jorge Carvalho Alves

Solistas: Ana Paula Russo – Soprano, Cátia Moreso – Meio-Soprano, Marco Alves dos Santos – Tenor, Jorge Carvalho Alves – Tenor, José Corvelo – Barítono, Filipe Melo – Piano e órgão Hammond, António Rosado – Piano

 

Quem, todos os anos, decide reservar o primeiro fim de semana de Setembro para, depois de um merecido retempero de férias, preparar o regresso à dureza, à intensidade ou à concentração da labuta quotidiana, já sabe que a ida e a frequência quotidiana da Festa do “Avante!” é a melhor forma de reencontrar velhos amigos, conhecer novos camaradas, conviver humanamente da forma mais sã e democrática e intervir na discussão política sobre diversas e candentes questões da actualidade nacional e internacional, sem deixar de fruir e participar, naturalmente, de uma das características mais fascinantes e inigualáveis de uma manifestação de massas como esta: a possibilidade de assistir a uma multiplicidade de espectáculos em todos os domínios da Arte e da Cultura popular e erudita.

E é fora de dúvida que, logo a abertura da Festa, na 6ª feira à noite, no Palco 25 de Abril, se transformou de há muitos anos para cá numa manifestação cultural verdadeiramente única, sem par no nosso país, pela oportunidade aberta a milhares de visitantes de entrar em contacto, quantas vezes na sua primeira oportunidade e com a formalidade descontraída e sempre composta que nos caracteriza, com a Grande Música, seja ela clássica ou contemporânea, do género operístico ou sinfónico, para volumosas massas orquestrais, pequenos e grandes coros, e solistas dos mais consagrados ou em começo de promissoras carreiras.

Se é certo que este ano se comemora o 40º. aniversário da própria Festa, não poderia ser de forma diversa concebido o seu concerto de abertura e, neste sentido, o seu repertório, escolhido de forma muito aberta, deveria preferencialmente abarcar géneros muito diversificados, dando atenção particular aos vários tipos de público que preenche, até às alamedas laterais, o recinto central em frente do Palco 25 de Abril.

Por maioria de razões foi, sobretudo, à música festiva ou à música da exaltação da grandeza do Homem, no seu percurso contra a opressão, pelos direitos cívicos, pela Liberdade e pela Democracia que atribuímos a nossa principal atenção, seja ela música programática no sentido mais profundo do termo, seja ela pura música de regozijo e circunstância.

Neste sentido, a conjugação da leveza orquestral de um Bizet com o poder vigoroso de um Beethoven, das características claramente nacionais de um Shostakovitch ou de um Glinka com a forte personalidade e identidade dos “espirituais negros”, dos ecos sempre inspiradores da Revolução Francesa com a ressonância heróica das canções de Lopes-Graça ou da força agregadora de Ortega, vão de par com uma atmosfera geral de celebração e, ao mesmo, de um emocionante, consciente e invejável espírito comemorativo, susceptível de se transferir, no dia seguinte, para a nossas próprias vidas e de nos transmitir renovadas forças e coragem na prossecução dos passos necessários para transformar em certezas os ainda insuficientes sinais de mudança e de esperança que este ano nos trouxe.

 

concerto_sexta_feira

 

A programação da Festa do «Avante!» 2016

Festa Avante 2015_1

 

À semelhança das edições anteriores, o programa da 40.ª Festa do «Avante!» é preenchido e diversificado:

música, teatro, cinema, desporto e muito mais no maior evento político-cultural do país.

 

Fosse a Festa do «Avante!» um qualquer «festival de Verão» e quando já são conhecidos os artistas e grupos que actuarão nos palcos principais pouco mais haveria a dizer sobre essa iniciativa.

Mas a Festa é muito mais do que isso e por mais palavras que escrevamos sobre ela o essencial ficará sempre por dizer:

  • a abnegação dos que a constroem e a fazem funcionar;

  • a alegria que emana de todos os seus espaços;

  • a confiança que transborda das suas múltiplas iniciativas políticas;

  • as amizades que aí se forjam e reforçam;

  • a empatia que rapidamente se estabelece entre os visitantes, entre estes e os que asseguram os diversos serviços, entre os artistas e o público...

 

Não há, efectivamente, outra festa como esta!

 

Apresentação da 40ª Festa do «Avante!»

Apresentamos os aspectos centrais do Programa da 40ª Festa do «Avante!»» a que a edição do Jornal «Avante!», de hoje, dá particular destaque com a saída de dois suplementos a ela inteiramente dedicados.

Trata-se da 40ª Festa do «Avante!», que se realiza nos dias 2, 3 e 4 de Setembro na Atalaia, Amora, Seixal, 40 anos depois de em 1976 na FIL se ter iniciado este percurso de uma Festa única, aberta a todos, onde a música, a arte e a cultura são presença constante, uma Festa do trabalho e da militância tornada possível com a conquista da Democracia e da Liberdade.

Este ano a Festa fica indelevelmente marcada pela incorporação no seu espaço da Quinta do Cabo, adquirida com o objectivo de vencer constrangimentos, de alargar e valorizar a Festa.

 

O impressionante poder do colectivo - As jornadas de trabalho já começaram

Jornadas trabalho1 2016-06

Jornadas trabalho2 2016-06

Jornadas trabalho3 2016-06

 

De vários pontos do País acorreram ao terreno da Festa, no 1º fim-de-semana de Junho, dezenas de militantes e amigos do Partido, que lançaram mãos à obra na construção da 40.ª edição da Festa do «Avante!», a primeira que integrará o novo terreno da Quinta do Cabo. Até ao início de Setembro, há trabalho para todos.

 

1 de Maio de 1851 – Primeira Exposição Universal

«A Grande Exposição dos Trabalhos da Indústria de Todas as Nações», como então foi designada, realizou-se em Londres, no Palácio de Cristal, um edifício concebido por Joseph Paxton, feito com estruturas pré-moldadas de ferro e de vidro que ficou na história pela beleza das suas formas, pela sua transparência e por ter revolucionado os conceitos arquitectónicos.

Inspirada nas feiras medievais de Frankfurt e no sucesso das exposições industriais da França revolucionária nos anos que se seguiram a 1789, a primeira exposição universal foi um sucesso, quer pela mostra de novas tecnologias quer pela componente cultural.

Como refere Asa Briggs no livro Victorian People, «Pela primeira vez na história do mundo, os homens das Artes, Ciência e Comércio foram autorizados pelos seus respectivos governos a reunir-se para discutirem e promoverem os objectivos para os quais as nações civilizadas existem».

As imagens que ficaram para a posteridade devem-se ao trabalho de artistas que registaram o evento.

O Palácio de Cristal foi desmontado depois da exposição e transferido para Sydenham, onde viria a ser destruído por um incêndio em 1936.

AQUI

 

UPP: Na rota do românico - Vale do Tâmega

UPP Romanico

Clicar na imagem para ampliar

 

A 5ª Visita de Estudo à Rota do Românico, convida a uma viagem inspiradora a lugares com história, junto de singulares conjuntos monásticos, igrejas e memoriais, amadurecida em terra forjada de verde, repleta de saberes e sabores, na visita guiada – como nos anos anteriores - pelo técnico intérprete do património, Dr. José Augusto Costa.

 

Queremos o que é nosso por direito e não abdicaremos de nada

Comício Festa Avante 2015-2

Comício da Festa do «Avante!»:

Intervenção de Elsa Severino

 

«Novas forças que vieram reforçar a Juventude CDU, tomando como sua a luta diária pelos direitos da juventude.

É com todos eles e com os milhares que se irão juntar a nós que derrotaremos a política de direita, venha ela de onde vier.

Que seja agora, queremos o que é nosso!” Queremos o que é nosso por direito e não abdicaremos de nada!

Camaradas, sabemos bem o que PS,PSD e CDS nos têm para oferecer:

Trabalho precário, exploração, desemprego, emigração forçada, falta de condições nas escolas e propinas.

Basta! Queremos a educação, queremos o trabalho, a saúde, o desporto, a cultura. Queremos e temos direito a ser felizes no nosso país!

E é com enorme confiança que aqui estamos! Confiança que vem da luta que milhares de estudantes do ensino básico e secundário e superior levam por diante pela educação pública, gratuita e de qualidade. Confiança na luta que os jovens trabalhadores travam pelo trabalho com direitos.

Confiança na juventude e na sua luta que levou milhares de jovens a participar na marcha “A força do povo”.

Não arredamos pé por mais que sejam as mentiras, as ilusões, a demagogia! Queremos saber do nosso presente, queremos saber do nosso futuro, queremos comandar as nossas vidas e lutamos.

Dia 4 de Outubro, lá estaremos a levar a luta até ao voto, pelos nossos direitos! Não temos medo, nem receio porque todos os dias estamos nas escolas e nos locais de trabalho, haja ou não eleições.

Vamos sair deste combate eleitoral, com um grande resultado, com mais força, com mais braços para no dia 5 de Outubro continuarmos na rua a lutar e a construir o Portugal de Abril.»

 

Comício Festa Avante 2015-3

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D