Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

«Sou um Homem, nada do que é humano me é estranho» (Publius Terentius Afer)

Crónica sobre um administrador de grupo do Facebook com vocação de censor

Públio Terêncio Afro_Wikp- Retrato Vaticano.jpg

Públio Terêncio Afro, Retrato retirado do Codex Vaticanus Latinus 3868

«Sou um Homem, nada do que é humano me é estranho»

(Homo sum ; humani nihil a me alienum puto)

Esta frase de Terêncio, escravo liberto no império romano que se tornou dramaturgo, exprime como poucas o processo de formação da consciência social e política. Processo individual, de cada ser humano, e colectivo, de toda a sociedade.

Processo não linear, antes feito de avanços e recuos. Processo permanente, que termina com a nossa morte. Mas que passa de geração em geração, numa mutação sem fim. A consciência social e política de hoje, não é igual à de ontem, nem será igual à de amanhã.

Processo cujo objectivo final é a construção de uma sociedade de liberdade e de abundância, em que o Estado e a política estejam inteiramente ao serviço do bem e da felicidade do ser humano.

alem-das-criancinhas

Vamos exemplificar com uma situação real:

 

Como é um processo individual, é natural, e óbvio, que um administrador dum grupo do Facebook numa aldeia de Portugal, ao qual pertenço há cerca de uma dezena de anos porque para isso fui CONVIDADO, tenha uma consciência social e política diferente do autor deste blog.

É natural que o senhor administrador não tenha consciência que aquilo que se passa na sua aldeia depende em muito do que se passa noutras zonas do mundo. Não tenha consciência, por exemplo, que decisões da União Europeia (UE) têm consequências, ora positivas, ora negativas, no bem-estar da população.

E no entanto nos últimos dez anos, com uma correcta gestão do executivo CDU da Junta de Freguesia, beneficiou de obras financiadas por fundos europeus. Como foi prejudicada, e muito, por decisões políticas da UE falsamente chamadas de «austeridade». Quem diz da UE diz de outros países.

É natural, e normal, que o senhor administrador discorde de posts meus com esta temática. O que já não é normal é que se arme em censor e não os publique e os elimine sem sequer me informar e/ou apresentar razões.

Mais grave é o facto de eliminar, sem dizer uma palavra, posts meus a divulgar o site criado pela NASA para quem está em confinamento, a catedral da Sagrada Família em Barcelona, o Metropolitan Opera de Nova Iorque em streaming, o Giovanni Boccaccio, o Dia Internacional dos Voos Espaciais Tripulados, ou a efeméride da morte de D. António Ferreira Gomes, bispo do Porto.

Por mim questionado respondeu que «encher uma página com política a página perdeu todo o interesse a quem nela publicava e deixou de publicar. Existem outras coisas de cultura das nossas gentes e nunca aqui publicou a não ser política». Esclarecedor!

Como nota humorística é claro que não é política, e da mais populista, o senhor administrador por um post a afirmar que em plena pandemia, os «políticos» deviam andar a distribuir álcool gel e material de higiene e limpeza.

A questão é outra. Em 1967/1968, andava eu no antigo 4º ano do liceu (8º ano actual) e a minha mãe no seu 8º ano de prisão em Caxias, uma visita foi abruptamente interrompida pela Alice, agente da polícia política do regime fascista, a PIDE, por estarmos a conversar sobre «placas tectónicas», o que era certamente uma mensagem de código. Hoje dá para rir, mas foi verdade e deu para chorar. A PIDE Alice com sua 4ª classe não fazia a mínima ideia do conceito, mas tinha poder e aplicou-o.

O problema é o António Vilarigues ser comunista e comer criancinhas ao pequeno-almoço. Por isso qualquer outro membro do grupo pode publicar o que entender, mas o comunista não. O comunista tem tratamento exclusivo. Só publica o que o senhor administrador acha que ele pode publicar. Porque quem manda é o senhor administrador!

Desiluda-se. Os direitos defendem-se aplicando-os!

Daí este meu post que vai com conhecimento a quem de direito...

 

 

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D