Sexta-feira, 31 de Agosto de 2012

Venezuela: «desenvolvimento humano alto»

  • Entre os anos de 1977 a 1998, mais de duas décadas, as autoridades da IV República outorgaram pensões a 387.007 cidadãos. Registe-se igualmente que, nesse período, o valor das pensões não estava homologado com o ordenado mínimo, pelo que havia pensões absolutamente ridículas. Desde 1999, data do nascimento da V República, até 2012, o governo bolivariano já atribui pensões a um milhão 789 mil pessoas. E hoje a pensão acompanha a evolução do ordenado mínimo.

  • Durante a IV República, o gasto social relacionado com as pensões foi de 592 milhões de bolívares. Entre 1999 e 2012, saltou para 141 mil milhões. Feitas bem as contas, em mais ou menos metade do tempo o investimento social da V República com os pensionistas cresceu mais de 230 vezes.

  • Visto de outra maneira, durante aqueles anos de democracia burguesa ao gosto de Washington, o crescimento interanual de pensionistas foi de 17.591. Actualmente, pese a todas as dificuldades e agressões da burguesia nacional e internacional contra a revolução bolivariana, cada ano há 137.661 pensionistas adicionais, que recebem as suas pensões com a pontualidade de um relógio suíço, se é que eles ainda são pontuais.

  • Segundo o Programa da ONU para o Desenvolvimento) sobre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), a Venezuela subiu dois lugares num ano e está agora na posição 73 entre 187 países com um IDH de 0,735, o que a coloca na categoria de «desenvolvimento humano alto», a segunda numa escala de quatro.
  • Por outro lado, temos que a Missão Bairro Adentro já deu, em zonas onde antes não havia médico, mais 500 milhões de consultas e calcula-se que salvou a vida de dois milhões de pessoas. E a Missão Robinson alfabetizou um milhão 800 mil pessoas, eliminando a analfabetismo.


-

Publicado neste blogue:

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 22:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 3 de Janeiro de 2012

Soubesse eu escrever

-

Uma casa com muitas estórias para contar.

Soubesse eu escrever

Foi este grito de revolta de um operário analfabeto que deu origem ao Jornal Voz do Operário e à Associação de Instrução e Beneficência que se tornou um marco na história do associativismo, da educação, da cultura.

A sua sede, uma referência na arquitectura eclética do princípio do séc. XX, merece ser revisitada.

-

Visita guiada organizada pela Célula de História e Património do Sector Intelectual do Partido Comunista Português. Orientada por Filomena Ribeiro.

Como me inscrever?

No Centro Trabalho Vitória (Avenida da Liberdade, n.º 170, 1250-146 Lisboa), no Sector Intelectual.

Por e-mail: si.cienciassociais@gmail.com

Por telefone: contactando o Rui Henriques 965493715

Ponto de encontro? Rua da Voz do Operário, nº. 13 

Quanto custa? 5 €

Número Máximo de Participantes: 25

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 08:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010

A Revolução Republicana de 1910 – Marco na história da luta libertadora do povo português

1. Num momento em que passam cem anos sobre a Revolução Republicana de 1910, o PCP sublinha o significado desta data enquanto marco importante na longa caminhada do povo português pela sua libertação.

A vitória da Revolução Republicana de 1910 pôs fim a um regime monárquico anacrónico e parasitário e realizou importantes progressos no plano das liberdades e direitos fundamentais, da educação e da cultura, da laicização do Estado e dotou o país de uma Constituição avançada para a época, a Constituição de 1911.

O PCP valoriza tudo quanto de democrático e progressista foi alcançado e combate com firmeza linhas de ataque reaccionárias, que visam justificar o golpe militar de 1926 e a instauração do fascismo e o branqueamento dos seus crimes. Não é por acaso que, sob a bandeira do 5 de Outubro, tiveram lugar importantes jornadas de unidade e resistência anti-fascista. Mas ao mesmo tempo rejeita as visões acríticas e idílicas do republicanismo e da República que predominam nas comemorações oficiais do centenário da Revolução de 1910, reconhecendo os limites desta revolução e do regime que implantou no país.

É neste quadro que, ao longo do ano, o PCP vem assinalando este acontecimento com um variado conjunto de iniciativas orientadas para o esclarecimento sobre o que foi e o que efectivamente representou esta revolução; que circunstâncias históricas a determinaram; que problemas e contradições se propôs resolver e superar; que classes sociais nela se empenharam e aquelas que realmente beneficiaram com a implantação da República e as políticas do poder; o que tornou possível o avanço da forças mais reaccionárias e o triunfo, apenas 16 anos depois das jornadas históricas de 4 e 5 de Outubro, do golpe militar que abriu caminho a quase meio século de ditadura fascista; e como se projectam nos dias de hoje as lições e experiências da revolução.

(sublinhados meus)

Ler Texto Integral

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 00:08
link do post | comentar | favorito
Domingo, 4 de Janeiro de 2009

Cuba 50 anos: Um programa para pôr fim ao analfabetismo no Mundo - «Yo, sí puedo»

Para LER:

     «Primero fueron los agravios. En la historia de este país los indios hemos sido humillados, marginados, despreciados, condenados a la extinción. No nos reconocieron como seres humanos. Fuimos perseguidos y exterminados. En esta capital de la República hasta 1952 no se nos permitía entrar a la plaza Murillo ni caminar por las acera. Los condenados al exterminio estamos aquí presentes para cambiar nuestra historia. No llegamos aquí por concesión de nadie. Y no olvidamos que a nuestros ancestros, a los primeros que a escondidas aprendieron a leer y escribir, les sacaron los ojos y les cortaron las manos. »

In Evo Morales, Rebelion. Bolivia: memorial de agravios y afán de justicia

Para Ver e Ouvir:

  • Yo sí Puedo  (página Argentina com vídeo)                    

Mais para LER: 

     Uganda implementará método cubano de alfabetización

 

                                         

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge        

                                                                      

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:20
link do post | comentar | favorito
Domingo, 1 de Junho de 2008

Encontro Nacional sobre Educação

    No Encontro Nacional do PCPPor uma Escola Pública de qualidade e gratuita ao serviço  do País e dos portugueses”, Jerónimo de Sousa afirmou que a crescente mercantilização da educação é uma realidade que não se pode dissociar das políticas neoliberais que têm vindo a ser implementadas no país, num quadro mais geral de subordinação do poder político ao poder económico.

              

Ler Texto Integral

                              

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 18:37
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007

Penalva do Castelo - As amarras de Nuno Henriques

Texto Isabel Bordalo

 

    Com 24 anos, à beira de ser pai pela segunda vez e sem saber ler nem escrever, Nuno Henriques anda em desespero por não conseguir concretizar o seu grande sonho que é tirar a carta de condução.

  

Dizem que os homens não choram, mas os olhos do Nuno Henriques facilmente marejam. Quando recorda os maus tratos do pai, quando lhe vem à memória a imagem das irmãs, de quem foi separado após a morte violenta da tia às mãos do seu progenitor; e quando deixa perceber que a sua condição de filho mais velho lhe traçou uma sina pesada.

Por nunca ter ido à escola, não consegue tirar a carta de condução, o seu "grande sonho" e o passaporte para uma vida melhor. "Conheço as letras, mas não as sei ler", explica Nuno. Apenas sabe escrever o nome e, quanto ao dinheiro, aprendeu a decifrar os números.

Como era o mais velho de seis irmãos, o pai impediu-o de estudar e pô-lo a trabalhar com ele "a recolher sucata e a apanhar pinhas". Mas não é a ausência da escola que mais pesa sobre Nuno. São as recordações dos maus tratos que sofria e que viu sofrer a mãe, sempre que tentava convencer o marido a deixá-lo ir à escola: "Ele batia-lhe e dava-lhe navalhadas". Aos 16 anos, quando vivia em Moimenta da Beira com um tio, depois de o pai ter sido preso pelo assassinato da companheira (uma tia materna do Nuno), ainda tentou estudar, mas acabou por desistir. "Não tinha tempo, nem cabeça", justifica recordando que a sua prioridade "era seguir a vida sozinho", cortar as amarras que o agarravam a uma vida de "miséria e maus tratos".

Nuno Henriques engole em seco sempre que fala do passado enquanto os olhos marejam. Depois de se ter fixado novamente em Penalva, conheceu a mulher, Inês, numa das idas a Moimenta da Beira com o conjunto musical "República", para quem trabalhava. O casal vive com um filho, de dois anos, numa casa arrendada por 150 euros/mês, e tem que esticar o pouco que Inês ganha, na Câmara de Penalva, e o que Nuno recolhe nos biscates, para cobrir as despesas. Daqui a sete meses, o "magro" rendimento tem que chegar para mais um. A Inês está grávida e vem aí o segundo filho.

A carta de condução iria torná-lo independente de um tio, que vive em Mangualde, e permitir-lhe estabelecer-se por conta própria no negócio da recolha, compra e venda de sucata. Como sabe conduzir, Nuno arriscou o volante mas foi apanhado e condenado, duas vezes, pelo Tribunal de Mangualde. Da segunda vez, a pena, de nove meses de prisão, foi substituída por 190 horas de trabalho comunitário, depois de ter recorrido.

A JCP de Penalva tenta integrar o Nuno num agrupamento de escolas, mas não tem sido fácil encontrar uma solução. Da família, Nuno apenas mantém contacto com a progenitora e com o irmão mais novo, de 12 anos, (filho da mãe e do padrasto), que vive em Penalva, e com uma irmã, que reside em Mangualde, com quem o pai se reúne, quando lhe são concedidas saídas da cadeia. As duas irmãs, filhas do pai e da tia, com idades entre os sete e os nove, estão num lar em Lamego. "Um dia hei-de procurá-las", assegura Nuno que derrapa nas datas e nos acontecimentos. A memória vai fazendo a triagem e deixando para trás o que não quer continuar a guardar.

Nunca mais falou com o pai. "Nem o quero ver", repete lembrando, entre as muitas agressões, um episódio em que o progenitor lhe espetou uma chave-de-fendas no ombro: "Estive um ano e meio, em Lisboa, em casa de um tio, a ser tratado". Já o pai tinha tirado a vida à tia, com um tiro, tinha ela 27 anos.

(sublinhados meus) 

      

In "Jornal do Centro" - Edição de 2 de Novembro de 2007

  

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 16:05
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 27 seguidores

.pesquisar

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Venezuela: «desenvolvimen...

. Soubesse eu escrever

. A Revolução Republicana d...

. Cuba 50 anos: Um programa...

. Encontro Nacional sobre E...

. Penalva do Castelo - As a...

.arquivos

. Novembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Outubro 2018

. Julho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. álvaro cunhal

. assembleia da república

. autarquia

. avante!

. bce

. benfica

. blog

. blogs

. câmara municipal

. capitalismo

. caricatura

. cartoon

. castendo

. cds

. cdu

. cgtp

. cgtp-in

. classes

. comunicação social

. comunismo

. comunista

. crise

. crise do sistema capitalista

. cultura

. cultural

. democracia

. desemprego

. desenvolvimento

. desporto

. dialéctica

. economia

. economista

. eleições

. emprego

. empresas

. engels

. eua

. eugénio rosa

. exploração

. fascismo

. fmi

. futebol

. governo

. governo psd/cds

. grupos económicos e financeiros

. guerra

. história

. humor

. imagens

. imperialismo

. impostos

. jerónimo de sousa

. jornal

. josé sócrates

. lénine

. liberdade

. liga

. lucros

. luta

. manifestação

. marx

. marxismo-leninismo

. música

. notícias

. parlamento europeu

. partido comunista português

. paz

. pcp

. penalva do castelo

. pensões

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. precariedade

. ps

. psd

. recessão

. revolução

. revolucionária

. revolucionário

. rir

. salários

. saúde

. segurança social

. sexo

. sistema

. slb

. socialismo

. socialista

. sociedade

. sons

. trabalhadores

. trabalho

. troika

. união europeia

. vídeos

. viseu

. vitória

. todas as tags

.links

.Google Analytics

blogs SAPO

.subscrever feeds