Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O distrito de Viseu na Festa do Avante! 2008

   Nos dias 5, 6 e 7 de Setembro, na Quinta da Atalaia, Amora, Seixal, o Teatro, a Dança, o Desporto, as Tecnologias, as Exposições, a Gastronomia, o Artesanato, os Livros, a Rádio, a Ciência, os Espectáculos, as Organizações do PCP e da JCP, vão proporcionar aos visitantes três dias intensamente vividos. 

Conhecido que é do grande público o cartaz oficial da Festa, onde se destaca a Grande Gala de Ópera, a abrir os espectáculos no Palco 25 de Abril, vamos dar-vos conta da participação da Organização Regional de Viseu na Festa do Avante! 2008.

A DOR Viseu escolheu a evocação do 50º Aniversário da Publicação de “Quando os Lobos Uivam”, romance imortal de Aquilino Ribeiro sobre a defesa dos baldios pelos povos serranos contra a usurpação tentada pelo governo fascista, como lema da sua presença. 

Como é habitual, levamos à Festa do Avante! alguns dos melhores produtos do nosso distrito. Falamos da vitela arouquesa, dos vinhos do dão, dos espumantes do Vale do Varosa, dos enchidos e presuntos de Lamego, do queijo de Penalva, dos rojões de Lafões, das bolas de vinha d’alhos e de bacalhau, da broa de Vildemoinhos, do mel da serra do Caramulo. 

No Restaurante “O Malhadinhas”, a Vitela Arouquesa certificada será a rainha, assada no forno ou grelhada à posta, fornecida pela ANCRA, associação sedeada em Cinfães, que aglutina os criadores desta raça autóctone.  

Na “Taberna Beirã”, vamos mostrar e vender os melhores vinhos tintos, brancos e espumantes das Adegas Cooperativas do Dão, Lafões e Varosa, mais iguarias regionais com particular destaque para as “Sandes à Lavrador” de Presunto, Salpicão e Queijo e bolas de bacalhau e carne. Como novidade, a Cooperativa Agrícola do Távora, de Moimenta da Beira, estará no espaço de Viseu com um pavilhão de prova de vinhos, nomeadamente dos seus já famosos espumantes. 

Dos Produtos Regionais que vamos vender, destaque para o Queijo de Ovelha de Penalva do Castelo e o Queijo de Cabra do Montemuro, o Presunto e Fumeiro de Lamego, o Mel do Caramulo, as Broas, Centeios e Bolos de Azeite. 

    O Artesanato estará representado pelo barro preto de Molelos, Tondela, e pelas miniaturas em madeira, de Lalim, Lamego. 

A expressão da qualidade e variedade do folclore e etnografia do nosso Distrito também vão estar na Festa, levadas pelo Rancho Folclórico de Souselo, Cinfães, e pelo Rancho Folclórico de Vila Nova de Paiva. Uma forte e significativa delegação do nosso folclore que terá oportunidade de mostrar a sua arte para muitos milhares de visitantes interessados. 

No Espaço da DORViseu vão decorrer durante as três noites, Tertúlias em torno da obra de Aquilino Ribeiro, com leituras encenadas de trechos de muitos dos seus livros, com enquadramento musical adequado. Oferecidas por um amigo do PCP, vão estar em “leilão”, dois exemplares de primeiras edições de “Quando os Lobos Uivam” (1ª edição brasileira, de 1959, com prefácio de Adolfo Casais Monteiro, 1ª edição portuguesa,de 1958, apreendida pela PIDE). Por sua vez, as Edições “Avante” vão lançar na Festa uma edição comemorativa do 50º Aniversário de “Quando Os Lobos Uivam”, com prefácio inédito de Álvaro Cunhal e 20 ilustrações de João Abel Manta. 

No campo desportivo, duas equipas de Futsal do distrito, vencedoras dos torneios realizados em Armamar e Cinfães, vão à Festa participar no Torneio Nacional que se disputará nos dias 6 e 7 de Setembro. 

Para quem desejar a comodidade de viajar directamente para a Festa e regressar, vai sair de Cinfães uma Excursão, que passará em Viseu pelas 7,30 horas do dia 6 de Setembro e sairá da Festa às 20 horas do dia 7.

Na Exposição Política vão merecer um particular destaque as lutas das populações do distrito em defesa dos serviços públicos, nomeadamente, os da saúde, a luta dos trabalhadores do distrito contra a política de desigualdades do Governo PS, a luta dos ex-mineiros da ENU pelo reconhecimento dos seus direitos, a par das propostas do PCP para o desenvolvimento do Distrito de Viseu.

(...)


Viseu 29 de Agosto/08

O Secretariado da DOR Viseu do PCP

                                                                    

 

Festa do «Avante!» 2008 - Abertura/Comicio

                                                        

    Os primeiros visitantes que franquearem as portas da Festa, normalmente pelas 18 horas, ainda vão poder ver dezenas de camaradas que numa pressa de última hora dão os últimos retoques à decoração, afixam preçários e arrumam mercadorias, dispõem cadeiras e fazem as limpezas finais. 

Para trás estão meses de trabalho que vão agora ser recompensados com a afluência de muitos milhares de visitantes que prometem pelo menos mais três dias e três noites de esforçado labor, com poucos momentos para recuperar forças.

    O início oficial de da Festa do «Avante!» é assinalado com natural emoção, normalmente pelas 19 horas, na Praça da Paz, por centenas de militantes com tarefas no terreno, para além de muitos visitantes que já se encontram no recinto.

Depois de lançados os primeiros foguetes, ao som de uma Banda, subirá ao pequeno palco o secretário-geral do PCP, que fará uma breve intervenção onde dará as boas-vindas a todos.

Está aberta a Festa do Avante!

    No domingo, normalmente pelas 18 horas, a Festa culmina com mais uma grande iniciativa política - o Comício -, que galvanizará milhares de militantes e simpatizantes comunistas e que constituirá igualmente um momento de grande animação.  

As bandas e as fanfarras, grupos de zés-pereiras e outras animações partem de vários locais da Festa em direcção ao Palco 25 de Abril.

No Palco estarão os membros do Comité Central e representantes de partidos e organizações estrangeiras. As intervenções no Comicio da Festa do «Avante!» 2008 serão de Carina Castro, da Comissão Política da Direcção Nacional da JCP, de José Casanova,  o director do jornal «Avante!» e da Comissão Política do CC do PCP e de Jerónimo de Sousa, Secretário-geral do PCP.

                                        

                                                                                             

Penalva do Castelo - Festas do Concelho

                                                                                                                                                                

Festa do «Avante!» 2008 - O País na Festa

                                                            

    As diversas Organizações Regionais do Partido levam à Festa as realidades e vivências concretas de todas as zonas do País, erguendo no recinto da Atalaia uma amostra completa dos quotidianos, hábitos e culturas de que Portugal é feito. 

Uma vasta quadrícula de pavilhões oferece ao visitante os produtos do trabalho e do talento dos portugueses onde quer que vivam, seja através duma impressionante panóplia de artesanatos, manufacturas e criações artísticas, seja pela apresentação das mais variadas iguarias e invenções gastronómicas, tudo confluindo numa completa exposição do carácter multifacetado e criador de um povo.

As exposições políticas de cada uma das representações completa o bilhete de identidade de cada região, mostrando os seus problemas concretos, anseios, exigências e lutas. 

    As representações regionais são uma das traves mestras da Festa do Avante! e os seus pavilhões uma passagem obrigatória para os visitantes, que ali têm, numa contiguidade à distância de alguns passos, ora o queijo de Nisa ora o cabreiro da Serra da Estrela, aqui a sopa de pedra de Almeirim ali o javali da Guarda, num sítio os bordados de Amarante e noutro mais além os tapetes de Arraiolos, agora um bom tinto alentejano mas daí a pouco o convite para um verdelho açoreano, num momento a tentação pelas cristas de galo de Trás-os-Montes e no outro o desafio dos bolos de mel da Madeira, para não falar das hesitações e tentações entre os barros de Júlia Ramalho ou os do Redondo, os bordados de Viana de Castelo ou a tapeçaria de Bragança, para apenas darmos alguns exemplos.

                                         

                                  

Carlos do Carmo apresenta filme «Fados»

    Para comemorar os 30 anos (1978-2008), a Festa da Alegria antecipa a sua abertura com a exibição, em estreia absoluta em Braga, do filme «Fados», de Carlos Saura (com Marisa, Camané, Carlos do Carmo, Chico Buarque, Caetano Veloso e Lila Downs), que será apresentado por Carlos do Carmo. A sua exibição ocorre na sexta-feira, dia 18, pelas 21h00, no Auditório do Parque de Exposições de Braga.

                          

    Realiza-se nos próximos dias 19 e 20 de Julho (sábado e domingo), em Braga, no Parque das Exposições, a 15ª edição da Festa da Alegria, promovida pela Organização Regional de Braga do PCP.  

A edição deste ano, que assinala o 30º aniversário da primeira edição (1978 – 2008), apresenta um programa diversificado, com exposições, debates, desporto, artesanato, animação de rua e espectáculos dos quais destacamos - no sábado com os Blasted Mechanism, Let the Jam Roll, Uxu Kalhus, Os Alentejanos e Cantares da Terra e no domingo com Kumpnia Algazarra, Peixe:Avião, Quadrilha e Mineiros de Aljustrel.

Os visitantes terão também ao seu dispor um espaço dedicado ao livro – A Festa do Livro e do Disco, o Espaço Internet e Novas Tecnologias e as exposições: “90 anos da Revolução de Outubro”; “Caxias – uma fuga audaciosa”; “Iraque – 5 anos de guerra” e “Lino Lima, o resistente e o militante”. No domingo, dia 20, às 18 horas, realizar-se-á um comício com a participação do Secretário-Geral do PCP, Jerónimo de Sousa.     

                                                                                             

Leitura Obrigatória (XIII)

    Manifesto do Partido Comunista (Karl Marx, Friedrich Engels)

A presente tradução do Manifesto Partido do Comunista feita a partir do texto da edição alemã de 1890, preparada por Friedrich Engels, publicada nas Marx/Engels Werke (doravante MEW), Berlim, Dietz Verlag, 1974, vol. 4, pp. 459-493.

Quanto aos prefácios em língua alemã, foram utilizados os textos constantes das MEW, vol. 4, pp. 573-574 (edição alemã de 1872); pp. 575-576 (edição russa de 1882); p. 577 (edição alemã de 1883); pp. 583-586 (edição alemã de 1890); pp. 587-588 (edição polaca de 1892).

Para o prefácio à edição inglesa de 1888, seguiu-se o texto das Selected Works in two volumes, Moscow, Foreign Languages Publishing House, 1962, vol. 1, pp. 21-32.

Para o prefácio à edição italiana de 1893, seguiu-se o texto da tradução então efectuada por Filippo Turati (Karl Marx-Friedrich Engels, Scritti Italiani, ed. Gianni Bosio, Milano-Roma, Edizioni Avanti!, 1955, pp. 155-157), cotejado com o rascunho original em francês na leitura de E. Bottigelli (cf. Marx-Engels, Manifeste du Parti Comuniste, ed. E. Bottigelli, Paris, Aubier-Montaigne, 1971, pp. 201-204).

No que respeita aos Anexos, seguimos respectivamente os textos publicados em: MEW, vol. 4, p. 610, e MEGA, vol. I/6, p. 650.

Na presente tradução procedeu-se a uma revisão dos textos anteriormente publicados em: K. Marx-F. Engels, Manifesto da Partido Comunista, Lisboa, Editorial «Avante!», 1975 (edição dirigida por Vasco Magalhães-Vilhena) e K. Marx-F. Engels, Obras Escolhidas em três tomos (doravante OE), Lisboa-Moscovo, Edições «Avante!»-Edições Progresso, 1982, t. I, pp. 95-136. Os textos não incluídos nestas edições, ou vertidos para português a partir de outras fontes, foram traduzidos por José Barata-Moura.

Para o aparato crítico foram tidas em conta as notas das MEW, das edições portuguesas acima citadas (as Notas Complementares de Vasco Magalhães-Vilhena contidas na edição por ele dirigida deverão continuar a ser consultadas para um aprofundamento destas matérias), bem como informação recolhida, designadamente, em Bert Andréas, Le Manifeste Communiste de Marx et Engels. Histoire et bibliographie. 1848-1918, Milano, Feltrinelli, 1963.

 

In Edições «Avante!»

 

Sempre hipocrisia

    Significativamente quase todos se calaram sobre ESTES crimes cometidos por sucessivos governos colombianos.
Os tais que, nas suas palavras, “são um caso de sucesso da democracia na América Latina”. Livra!
Num país onde o governo é responsável pelo facto de 90% (noventa por cento - não, não é gralha!) dos sindicalistas assassinados em todo o mundo serem colombianos, falar em “caso de sucesso” só por piada de muitíssimo mau gosto.
A maioria demonstrou à saciedade que OBJECTIVAMENTE, mas em alguns casos também subjectivamente, para eles «todo o comunista (ou democrata) morto é um bom comunista (ou democrata)».

 

Ainda hipocrisia

    Sintomaticamente quase ninguém comentou ESTE meu post sobre as diferenças de concepção de terrorismo.
Dói-lhes que, por exemplo, Nelson Mandela tenha sido considerado «terrorista» durante mais de 20 anos? Tudo porque quando foi preso liderava a luta armada no seu país contra o racismo e o apartheid? Dói-lhes que até hoje nunca tenha abdicado das suas convicções?
Ou será que lhes custa reconhecer que, outro exemplo, o chamado Exército de Libertação do Kosovo fosse numa semana considerada pelo Departamento de Estado americano e pela União Europeia uma organização mafiosa e na outra um interlocutor válido? Que numa semana fosse acusado de traficar mulheres para a prostituição, ou crianças, ou drogas, ou automóveis e de na outra poder estar ao lado das tropas da NATO? Que numa semana era acusado de aterrorizar populações e exigir pagamentos em troca de segurança? Tudo porque interessava justificar os cobardes bombardeamentos à Jugoslávia!
Ou, atendendo à data de hoje, que o general Pervez Musharraf num dia fosse ditador e a 12 de Setembro de 2001 o mais democrata dos democratas e aliado preferencial das ditas democracias ocidentais? Recorde-se que foi um dos principais responsáveis pela chegada ao poder, no Afeganistão, dos taliban. Que ele próprio se alcandorou a Presidente do Paquistão através de um «democrático» golpe de estado. Que reprime pela violência e ilegaliza todos os seus opositores. Que, não menos importante, tem o botão de dezenas de mísseis nucleares de médio e longo alcance, sem que os mesmos que elegeram o Irão e a RDP da Coreia como «eixo do mal» pareçam estar preocupados.


Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D