Quinta-feira, 2 de Julho de 2015

CDU anuncia cabeça de lista pelo círculo eleitoral de VISEU

Francisco Almeida 2015-07-01

Culminando um profundo processo de auscultação das organizações do PCP e do PEV no Distrito de Viseu, a Comissão Coordenadora Distrital da CDU vem anunciar que escolheu Francisco Almeida como cabeça de lista da Coligação às próximas eleições legislativas.

 

publicado por António Vilarigues às 08:31
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 30 de Maio de 2013

Álvaro Cunhal lembrado em Vila Nova de Paiva

-

Foi uma sala repleta de crianças (quase duas centenas) que na manhã de terça-feira, recebeu a voz de Filomena Pires para contar um conto de Álvaro Cunhal.

O Auditório Municipal Carlos Paredes em Vila Nova de Paiva, foi mais uma casa de cultura que não quis deixar de se associar às Comemorações do Centenário de Álvaro Cunhal. Reconhecendo nesta figura ímpar da nossa história a concretização de valores democráticos, entendeu legar aos mais novos, sob a forma de Sessão de Conto, um exemplo de vida e de luta que se projecta na actualidade e no futuro.

-


-

Sabem como se chama a história?” perguntava a contadora. Muito bem preparados pelos docentes que os acompanharam, as crianças prontamente disseram “Os Barrigas e os Magriços!”. Conheciam o tema e o autor do conto e não se inibiram de dar soluções para travar os Barrigas que tudo comiam sem nada deixar para os Magriços. Maltratados e com fome, mas unidos na vontade de mudar as coisas, os Magriços foram exemplo e lição de participação cívica e democrática, que estas crianças, entre os 4 e os 10 anos de idade, certamente guardarão na memória.

A música de Barata Moura e as ilustrações de meninos de Portimão deram mais cor e brilho ao espaço, animado ainda com a beleza de bolas de sabão esvoaçantes a alimentar o sonho de um mundo mais justo e mais humano. Também A Gaivota foi cantada em coro e ritmada pelas palmas infantis que assim manifestavam o agrado sentido.

-

-

No final, todos os meninos e professores se deslocaram a visitar a exposição patente no foyer. Ali ficaram a conhecer apontamentos biográficos e os desenhos da prisão da autoria de Álvaro Cunhal. Muito atentos às explicações dos seus professores, alimentados pela curiosidade mas também pelo gosto, os meninos comentavam: “Álvaro Cunhal esteve preso sete anos!” E foi um desenho da prisão que puderam levar para colorir usando as cores de Abril, mais tarde na sala de aula. À saída, um balão com cor de cravo para levar para casa e lembrar uma instrutiva manhã.

O nosso bem-haja a todas e todos quantos possibilitaram a realização desta extraordinária iniciativa!
-

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 13:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 29 de Outubro de 2009

Nicolás Guillén / Paco Ibañez: Guitarra en duelo mayor (Soldadito Boliviano)

GUITARRA EN DUELO MAYOR

I

Soldadito de Bolivia,
soldadito boliviano,
armado vas con tu rifle,
que es un rifle americano,
soldadito de Bolivia,
que es un rifle americano.

II

Te lo dio el señor Barrientos,
soldadito boliviano,
regalo de mister Johnson,
para matar a tu hermano,
para matar a tu hermano,
soldadito de Bolivia,
para matar a tu hermano.

III

¿No sabes quien es el muerto,
soldadito boliviano?
El muerto es el Che Guevarra,
y era argentino y cubano,
soldadito de Bolivia,
y era argentino y cubano.

IV

El fue tu mejor amigo,
soldadito boliviano,
el fue tu amigo de a pobre
del Oriente al altiplano,
del Oriente al altiplano,
soldadito de Bolivia,
del Oriente al altiplano.

V

Esta mi guitarra entera,
soldadito boliviano,
de luto, pero no llora,
aunque llorar es humano,
aunque llorar es humano,
soldadito de Bolivia,
aunque llorar es humano.

VI

No llora porque la hora,
soldadito boliviano,
no es de lagrima y pañuelo,
sino de machete en mano,
sino de machete en mano,
soldadito de Bolivia,
sino de machete en mano.

VII

Con el cobre que te paga,
soldadito boliviano,
que te vendes, que te compra,
es lo que piensa el tirano,
es lo que piensa el tirano,
soldadito de Bolivia,
es lo que piensa el tirano.

VIII

Despierta, que ya es de día,
soldadito boliviano,
esta en pie ya todo mundo,
porque el sol salió temprano,
porque el sol salió temprano,
soldadito de Bolivia,
porque el sol salió temprano.

IX

Coge el camino derecho,
soldadito boliviano;
no es siempre camino fácil,
no es fácil siempre ni llano,
no es fácil siempre ni llano,
soldadito de Bolivia,
no es fácil siempre ni llano.

X

Pero aprenderás seguro,
soldadito boliviano,
que a un hermano no se mata,
que no se mata a un hermano,
que no se mata a un hermano,
soldadito de Bolivia,
que no se mata a un hermano.

In Poemas de Nicolás Guillén 

Nicolas Guillen / Paco Ibañez

Para ver e ouvir Paco Ibañez a cantar «Guitarra en duelo mayor (Soldadito Boliviano)» de Nicolas Guillen:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                     

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:05
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 20 de Julho de 2009

Nicolás Guillén / Emilio Grenet: Tú no sabe inglé

TÚ NO SABE INGLÉ


guajira, son cubano

 

Con tanto inglé que tú sabía,

Vito Manué,

con tanto inglé no sabe ahora

decir ye;

La americana te busca,

y tú la tienes que huir.

 

Con tanto inglé que tú sabía,

Vito Manué,

con tanto inglé no sabe ahora

decir ye;

La americana te busca,

y tú la tienes que huir.

 

La americana te busca,

y tú la tienes que huir.

Tu inglé era detrai guan,

detrai guan y guan tu tri.

 

Tú no sabe inglé, Vito Manué,

tú no sabe inglé.

Tú no sabe inglé, Vito Manué,

tú no sabe inglé, Vito Manué,

tú no sabe inglé, Vito Manué,

tú no sabe inglé.

 

No te enamore más nunca,

Vito Manué, si no sabe inglé

 

Si no sabe inglé, Vito Manué,

tú no sabe inglé,

tú no sabe inglé, Vito Manué,

tú no sabe inglé.

Nicolas Guillen / Emilio Grenet

Para ver e ouvir várias interpretações da «Tú no sabe inglé» de Nicolas Guillen:

  • "Vito Manué". Poema de Nicolás Guillén, Cantado por Ignacio Villa (Bola de Nieve)

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:05
link do post | comentar | favorito
Domingo, 19 de Julho de 2009

Nicolás Guillén / Amaury Pérez: Soneto

Soneto


Cerca de ti, ¿por qué tan lejos verte?
¿Por qué noche decir, si es mediodía?
Si arde mi piel, ¿por qué la tuya es fría?
si digo vida yo, ¿por qué tú muerte?
 
Ay, ¿por qué este tenerte sin tenerte?
Este llanto ¿por qué, no la alegría?
¿Por qué de mi camino te desvía
quién me vence tal vez sin ser más fuerte?
 
Silencio. Nadie a mi dolor responde.
Tus labios callan y tu voz se esconde.
¿A quien decir lo que mi pecho siente?
 
A ti, François Villón, poeta triste,
lejana sombra que también supiste
lo que es morir de sed junto a la fuente.

Nicolás Guillén / Amaury Pérez

Para ouvir Amaury PérezAna Belén a interpretar «Soneto» de Nicolas Guillen clicar AQUI e AQUI

Para Ver:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:51
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Julho de 2009

Nicolás Guillén / Quilapayún: La muralla

LA MURALLA


Para hacer esta muralla,
tráiganme todas las manos:
Los negros, su manos negras,
los blancos, sus blancas manos.
Ay,
una muralla que vaya
desde la playa hasta el monte,
desde el monte hasta la playa, bien,
allá sobre el horizonte.

—¡Tun, tun!
—¿Quién es?
—Una rosa y un clavel...
—¡Abre la muralla!
—¡Tun, tun!
—¿Quién es?
—El sable del coronel...
—¡Cierra la muralla!
—¡Tun, tun!
—¿Quién es?
—La paloma y el laurel...
—¡Abre la muralla!
—¡Tun, tun!
—¿Quién es?
—El alacrán y el ciempiés...
—¡Cierra la muralla!

Al corazón del amigo,
abre la muralla;
al veneno y al puñal,
cierra la muralla;
al mirto y la yerbabuena,
abre la muralla;
al diente de la serpiente,
cierra la muralla;
al ruiseñor en la flor,
abre la muralla...

Alcemos una muralla
juntando todas las manos;
los negros, sus manos negras,
los blancos, sus blancas manos.
Una muralla que vaya
desde la playa hasta el monte,
desde el monte hasta la playa, bien,
allá sobre el horizonte...
 

Nicolas Guillen / Quilapayun

Para ver e ouvir várias interpretações da «La muralla» de Nicolas Guillen:

  • "La muralla". Poema de Nicolás Guillén, Cantado por Ana Belén

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:08
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 13 de Julho de 2009

ALLÁ LEJOS...

ALLÁ LEJOS...

 

Cuando yo era muchacho

(hace, ponga el lector cincuenta años)

había gentes grandes e ingénuas

que se asustaban con una tángana callejera

o una bulla de tragos

en un bar.  Eran las que exclamaban:

– ¡Dios mío, qué dirán los americanos!

Para algunos,

ser yanqui en aquella época

era como ser casi sagrado:

la enmienda Platt, la intervención

armada, los acorazados.

Entonces no era presumible

lo que es hoy pan cotidiano:

el secuestro de un coronel

gringo al modo venezolano;

o el de cuatro agentes provocadores,

como en Bolivia han hecho nuestros hermanos;

ni los definitivos barbudos de la Sierra, claro.

 

Hace cincuenta años,

nada menos que en la primera plana de los diarios

aparecían las últimas noticias del beísbol

venidas de Nueva York.

¡Qué bueno! ¡El Cincinnati le ganó al Pittsburg,

y el San Luis al Detroit!

(Compre la pelota marca «Reich», que es la mejor).

 

Johnson, el boxeador,

era nuestro modelo de campeón.

 

Para los niños, la Castoria de Fletcher

constituía el remedio indicado

en los casos (rebeldes)

de enteritis o indigestión.

 

Un periódico

entre sus adelantos incluyó

una página diaria, en inglés, para los yanquis:

«A cuban-american paper

with the news of the world».

 

Nada como los zapatos Walk-Over

y las píldoras del Dr. Ross.

 

El jugo de la pina criolla

no fue más

el de ananás:

la Fruit Juice Company

dijo que era «huelsencamp».

 

Viajábamos por la Munson Line hasta Mobila,

por la Southern Pacific hasta Nueva Orleans,

por la Ward Line hasta Nueva York.

Había Nick Carter y Búfalo Bill.

Había el recuerdo inmediato grasiento esférico de Magoon,

gangster obeso y gobernador,

entre ladrones y ladrones, el Ladrón.

Había el American Club.

Había el compuesto vegetal de Lidia E. Pinkham.

Había el Miramar Garden

(con lo fácil que es jardín en español).

Había la Cuban Company para viajar en tren.

Había la Cuban Telephone.

Había un tremendo embajador.

Y sobre todo, ¡cuidado,

que van a venir los americanos!

(Otras gentes que no eran tan ingenuas

solían decir:

¡Anjá! Conque ¿van a venir,

no están aquí?).

 

De todos modos,

ellos si que eran grandes,

fuertes,

honestos a más no pedir.

La nata y la flor.

Ellos eran nuestro espejo

para que las elecciones fueran rápidas y sin discusión;

para que las casas tuvieran siempre muchos pisos;

para que los presidentes cumplieran con su obligación;

para que fumáramos cigarrillos rubios;

para que mascáramos chuingón;

para que los blancos no se mezclaran con los negros;

para que usáramos pipas en forma de interrogación;

para que los funcionários fueran enérgicos e infalibles;

para que no irrumpiera la revolución;

para que pudiéramos halar la cadena dei water-closer

de un solo enérgico tirón.

 

Pero ocurrió

que un día nos vimos como los niños cuando se hacen hombres

y se enteran de que aquel honorable tío que los sentaba en sus rodillas

estuvo en presidio por falsificador.

Un día supimos lo peor.

Como y por qué

mataron a Lincoln en su palco mortuorio.

Como y por qué

los bandidos allá son luego senadores.

Como y por qué

hay muchos policías que no están en prisión.

Como y por qué

hay siempre lágrimas en la piedra de todos los rascacielos.

Como y por qué

Tejas de un solo hachazo fue desgarrada y conducida.

Como y por qué

no son ya de México la viña ni el pomar de California.

Como y por qué

los infantes de marina mataron a los infantes de Veracruz.

Como y por qué

vio Dessalines arriada su bandera en todos los mástiles de Haiti.

Como y por qué

nuestro gran general Sandino fue traicionado y asesinado.

Como y por qué

nos llenaron el azúcar de estiércol.

Como y por qué

cegaron su propio pueblo y le arrancaron la lengua.

Como y por quê

no es fácil que éste nos vea y divulgue nuestra simple verdad.

Como y por qué.

 

Venimos de allá lejos, de allá lejos.

Un día supimos todo ésto.

Nuestra memoria fija sus recuerdos.

Hemos crecido, simplemente.

Hemos crecido, pero no olvidamos.

 

Nota:

Há um CD de Mário Viegas, que se recomenda, em que ele declama esta poesia, traduzida:

Há muito tempo / Nicolas Guillen; Trad. de Manuel Seabra.

Ver:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   
sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:02
link do post | comentar | favorito
Domingo, 12 de Julho de 2009

Nicolás Guillén: Allá lejos...

In Autor/a: Guillén, Nicolás (1902-1989); [Biblioteca de autor]; Título: Tengo (1964)

                                                                   

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 10 de Julho de 2009

Nicolás Guillén, poeta nacional de Cuba, nasceu há 107 anos

Nicolás Cristóbal Guillén Batista (10 de Julho de 1902 - La Habana 16 de Julho de 1989)

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:02
link do post | comentar | favorito
Domingo, 22 de Junho de 2008

Karl Marx: Breves notas sobre uma vida exaltante

    Sem nos mover a pretensão de apresentarmos uma exaustiva e completa biografia de Marx, limitarmo-nos a deixar aqui, aos nossos leitores, algumas breves notas.

•    5 de Maio de 1818 – Nasce Karl Marx, em Trier, na Prússia renana, filho de um advogado, homem culto que partilhava as ideias progressistas dos filósofos do Século das Luzes, admirador de Voltaire e Rousseau.
•    1830 – Marx entra no liceu, que termina apresentando uma dissertação de fim de curso intitulada «Reflexões de um jovem perante a escolha de uma profissão». Recebe um diploma onde o júri que o examina escreveria: «graças às suas capacidades justificar-se-ão as esperanças nele depositadas
•    1835 – Entra na Universidade de Bona, no curso de Direito, transferindo-se um ano depois para a Universidade de Berlim. As obras de Kant, Fichte, Hegel, Feuerbach são os pontos de partida para o aprofundamento dos seus conhecimentos. Conclui o curso de Filosofia em Abril de 1841, tendo-lhe sido conferido o título de doutor em Filosofia.
•    Outubro de 1842 – Marx torna-se chefe de redacção da Gazeta Renana, onde divulga as suas ideias progressistas e assume a defesa dos interesses das massas trabalhadoras. Em 1843, o governo prussiano reaccionário proíbe o jornal e em Outubro de 1843 Marx parte para Paris, então centro político e cultural da Europa. Antes de partir casa-se com Jenny von Westphalen, sua amiga de infância.
•    1844 – Em Paris, ligado aos mais destacados dirigentes do movimento operário francês, publica, em Fevereiro, a revista Anais Franco-Alemães, onde, pela primeira vez, formula a ideia do papel histórico universal da classe operária.
•    Agosto de 1844 – Se em 1842 Karl Marx e Friedrich Engels já se haviam encontrado em Colónia, quando Engels a caminho da Inglaterra passou pela redacção da Gazeta Renana, foi o seu histórico encontro em Paris, nos finais de Agosto de 1844, que marcaria o início de uma fecunda colaboração e profunda amizade, que se prolongariam durante toda a existência de Marx.
Comungando dos mesmos pontos de vista na análise da sociedade capitalista, herdeiros dos conhecimentos mais avançados naquela época em vários domínios, designadamente nos da filosofia, da história, da economia política, Marx e Engels legaram-nos uma gigantesca obra científica e revolucionária cujo valor e actualidade perduram até aos nossos dias e influenciarão seguramente os séculos vindouros.
•    Nesse mesmo ano de 1844 publicam a sua primeira obra conjunta A Sagrada Família.
•    1845 – Marx fixa-se em Bruxelas e em Setembro desse mesmo ano, conjuntamente com Engels, escreve A Ideologia Alemã, onde apresentam pela primeira vez os fundamentos do materialismo dialéctico e histórico, concepção do mundo da classe operária
•    1847 – Foi constituída a primeira organização internacional dos trabalhadores: a Liga dos Comunistas, cujo II Congresso, em Novembro-Dezembro desse ano, encarrega Marx e Engels de redigirem um «manifesto» dirigido aos trabalhadores de todos os países.
•    Fevereiro de 1848 – É publicado o Manifesto do Partido Comunista, cujo 160.º aniversário se assinala este ano e cujas análises e conclusões, assim como as suas palavras finais «Proletários de todos os países, uni-vos!» mantêm todo o sentido e actualidade nos tempos que vivemos. Estavam lançadas as bases do comunismo científico e das ideias que mudariam o curso da história.
A publicação do Manifesto coincide com o princípio das revoluções burguesas de 1848-1849 na Europa.
•    Ainda em 1848, Marx e Engels partem para a Alemanha e fundam, em Junho, a Nova Gazeta Renana, de que Marx é redactor-chefe e que será o primeiro jornal do proletariado alemão.
•    Maio de 1849 – Marx é expulso da Alemanha pela contra-revolução vitoriosa e parte para a França.
É expulso de Paris e vai para Londres, onde viverá até ao fim da sua vida.
•    28 de Setembro de 1864 – Marx e Engels encontram-se entre os principais fundadores da Associação Internacional dos Trabalhadores – a I Internacional, que existiu até 1876.
É também neste período que Marx inicia a sua obra principal O Capital, publicando o primeiro volume em 1867.
•    1871 – Marx vive o histórico acontecimento revolucionário que foi a Comuna de Paris e saúda com emoção o proletariado de Paris que se lançara ao «assalto do céu». Após a Comuna de Paris, inicia-se o processo de formação dos partidos operários em numerosos países, elevando a um novo nível o desenvolvimento do movimento operário mundial.
É neste período que Marx escreve a sua obra A Guerra Civil em França.
•    14 de Março de 1883 – Vencido pela doença que o atormentava havia anos, Marx, esse homem cujo grande objectivo da sua vida foi a luta pela libertação da classe operária, morreu na sua residência, em Londres.

Perseguido, caluniado, preso, expulso de vários países, as autoridades reaccionárias alemãs impediram-no de regressar à sua pátria.
Marx e a sua família passaram por grandes dificuldades e duras provações, conseguindo sobreviver graças à ajuda fraternal de Engels e aos fortes laços que os uniam.

                  

In revista "O Militante" - Edição Maio/Junho 2008

                                                                          

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 00:05
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 27 seguidores

.pesquisar

.Fevereiro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
18
22
23
24
25
26
27
28

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. CDU anuncia cabeça de lis...

. Álvaro Cunhal lembrado em...

. Nicolás Guillén / Paco Ib...

. Nicolás Guillén / Emilio ...

. Nicolás Guillén / Amaury ...

. Nicolás Guillén / Quilapa...

. ALLÁ LEJOS... ...

. Nicolás Guillén: Allá lej...

. Nicolás Guillén, poeta na...

. Karl Marx: Breves notas s...

.arquivos

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Outubro 2018

. Julho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. álvaro cunhal

. assembleia da república

. autarquia

. avante!

. bce

. benfica

. blog

. blogs

. câmara municipal

. capitalismo

. caricatura

. cartoon

. castendo

. cds

. cdu

. cgtp

. cgtp-in

. classes

. comunicação social

. comunismo

. comunista

. crise

. crise do sistema capitalista

. cultura

. cultural

. democracia

. desemprego

. desenvolvimento

. desporto

. dialéctica

. economia

. economista

. eleições

. emprego

. empresas

. engels

. eua

. eugénio rosa

. exploração

. fascismo

. fmi

. futebol

. governo

. governo psd/cds

. grupos económicos e financeiros

. guerra

. história

. humor

. imagens

. imperialismo

. impostos

. jerónimo de sousa

. jornal

. josé sócrates

. lénine

. liberdade

. liga

. lucros

. luta

. manifestação

. marx

. marxismo-leninismo

. música

. notícias

. parlamento europeu

. partido comunista português

. paz

. pcp

. penalva do castelo

. pensões

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. precariedade

. ps

. psd

. recessão

. revolução

. revolucionária

. revolucionário

. rir

. salários

. saúde

. segurança social

. sexo

. sistema

. slb

. socialismo

. socialista

. sociedade

. sons

. trabalhadores

. trabalho

. troika

. união europeia

. vídeos

. viseu

. vitória

. todas as tags

.links

.Google Analytics

blogs SAPO

.subscrever feeds