Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Maçã Bravo Esmolfe

Texto de Ricardo Bordalo, da Agência Lusa

    A maçã de Bravo Esmolfe é portuguesa e única no mundo, deve o seu nome à aldeia de Esmolfe, Penalva do Castelo, mas a sua produção actual, apenas seis mil toneladas/ano, certificadas, impede a conquista dos mercados internacionais.

Na Feira da Maçã de Bravo Esmolfe, que há 12 anos se realiza na terra que foi o seu berço, Esmolfe, duas questões surgem anualmente tão importantes como o próprio produto: a sua certificação e a escassa rentabilidade para o produtor.

António Alves, produtor de Bravo Esmolfe, que vendia hoje (6 de Outubro) de manhã a caixa de oito quilos por sete euros queixa-se à Agência Lusa do negócio: "Ó meu amigo, isto ou se vende barato ou não se vende de todo".

"As pessoas sabem que este é um produto único mas quando vêm a Bravo a ser vendida a 80 cêntimos ou a um euro e têm as outras variedades por 30 ou 40 cêntimos, optam pelo mais barato. E nós não podemos fazer menos", disse este produtor.

Há um factor que pode ser decisivo no futuro próximo, quando os estudos que estão a ser realizados provarem aquilo que já todos desconfiam: que a maçã de Bravo Esmolfe tem particularidades que podem fazer "milagres" na saúde das pessoas.

Mas, para já, o que é mais importante, como explicou à Lusa Rogério Martins, presidente da Fenafrutas, uma cooperativa de produtores, o esforço essencial para que esta maçã possa triunfar é colocar a certificação como prioridade.

"A afirmação da Bravo Esmolfe passa pelo consumidor que tem que ser informado da importância da certificação como elemento essencial da garantia de qualidade e, depois, então, o produtor perceber que este elemento - a certificação - é uma mais valia para o seu negócio", disse Rogério Martins.

José Luís Araújo, director da Gazeta Rural, publicação especializada no sector agrícola, coloca o dedo onde mais dói, que é o facto de os grandes lucros estarem concentrados na distribuição, onde ficam 70 por cento das mais valias geradas.

"Enquanto esta realidade se mantiver, vai ser difícil convencer os produtores a ir mais longe, nomeadamente no processo de certificação", disse o jornalista, defendendo ainda que "a certificação deve ser rapidamente descomplicada e menos onerosa".

Neste momento a Bravo Esmolfe já usufrui da Denominação de Origem Protegida e a Felba - Promoção das Frutas e Legumes da Beira Alta, é a entidade responsável pela certificação.

César Pereira, gestor de produtos de qualidade da Felba, não tem dúvida alguma de que o potencial esta maçã para o mercado da exportação "é enorme", para além de ser um veículo da imagem do país, mas, admite, as seis mil toneladas/ano certificadas não permite grandes aventuras para lá da fronteira.

No entanto, o cenário pode mudar radicalmente, adianta César Pereira, que lembra que actualmente a produção nacional de maçã é de 300 mil toneladas/ano, 130 das quais na Beira Alta, 43 por cento do total nacional, sendo que a Bravo Esmolfe apenas perfaz seis mil do bolo total.

"No mínimo e a médio/curto prazo, a produção pode crescer 10 vezes", diz este técnico, tendo em conta que são mais de três dezenas de concelhos abrangidos pela região demarcada, agregando quatro distritos, Viseu, Guarda, Castelo Branco e Coimbra.

O potencial médio de produção da Bravo Esmolfe chega às 20 toneladas por hectare, embora as outras variedades cheguem às 40, mas entre as vantagens e as desvantagens inerentes à natureza do produto, todos auspiciam um "bom futuro" à Bravo Esmolfe.

Tojal Rebelo, gerente da SOMA, Sociedade Agro-Comercial que se dedica à produção, armazenagem e distribuição, sendo uma das mais importantes empresas do sector no país, com sede em Moimenta da Beira, aponta como "contras" o facto de ser uma maçã "muito sensível", alterna bons com maus anos e tem queda precoce.

Por outro lado, nos "prós", estão o facto de ser uma maça que floresce mais tarde, exige menos intervenção fitossanitária, escapa à época das geadas e resiste bem ao "pedrado", doença da maçã.

Para resolver está ainda a "guerra" entre as empresas que distribuem o produtor e as grandes superfícies, com estas a reivindicar, para aceitarem vender a maçã, que esta surja com a sua marca, o que prejudica todos os outros a montante do processo entre a produção e a intermediação.

(sublinhados meus)

  

In "Expresso" on line

    

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Posts recentes

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D