Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O novo orçamento federal nos EUA

White_house_south.jpg

Na sua última sessão de 2014 em Dezembro passado, o Senado dos EUA aprovou o novo orçamento federal, um pacote no valor de 1,1 biliões [milhões de milhões - 1.100.000.000.000] de dólares. Sob a ameaça de uma nova paralisação do governo, o Partido Democrata, em minoria em ambas as câmaras do Congresso, estabeleceu um acordo com o seu congénere Republicano, permitindo prolongar o funcionamento das chamadas «funções não vitais» do Estado federal. Em contrapartida, foram aprovadas duas leis que comprometem as reformas de milhões de pensionistas e abrem caminho à privatização da segurança social.

Por um lado, o governo federal compromete-se legalmente com o resgate de bancos que apresentem prejuízos causados pelos chamados contratos derivativos e outros produtos financeiros altamente incertos. A nova lei, desenhada à medida dos donos do Citigroup, transforma em lei as operações de resgate de 2008, nacionalizando os prejuízos dos capitalistas sempre que os seus negócios falham. Por outro lado, a segunda lei agora aprovada, garante que quando esses negócios correm bem, os prejuízos também são nacionalizados. Passo a explicar.

Ler texto integral

 

A utilização do F.E.F.S.S. para pagar aos credores e “reduzir” a divida

«Os portugueses assistiram nos últimos dias a episódios que caraterizam bem a degradação a que chegou a situação politica no país e à falta de ética dos partidos do governo Um ministro que é também chefe de um dos partidos que apoia o governo que se demite apresentando, como uma das razões, o desacordo em relação à politica que estava a ser seguida e que diz que a sua posição é irrevogável e que pouco depois, dá o dito por não dito, e aceita, como vice 1º ministro, coordenar a execução da politica que pouco antes criticava e que o levara à demissão. E um 1º ministro, que aceita que as suas funções sejam esvaziadas, transformando-se assim num 1º ministro sem funções. E um governo que toma simultaneamente o compromisso de crescimento económico e de cortar mais 4.700 milhões € na despesa pública para satisfazer as exigências da “troika”, que é um mero instrumento dos interesses dos credores o que, a concretizar-se, impossibilitará qualquer crescimento económico e tornará a recessão económica mais profunda e prolongada. Esta situação surrealista dá bem uma ideia do estado de agonia a que chegou este governo e esta política que tem destruído a economia e a sociedade portuguesa. É um governo que tarde ou cedo vai implodir mas descontroladamente fruto das suas próprias contradições e antagonismos. E foi tendo como base este pano de fundo que o presidente da República reuniu em Belém um conjunto de economistas escolhidos a dedo por ele, reunião que não trouxe nada de novo (foi mais do mesmo) e só serviu para justificar a continuação da politica atual com o argumento de que “em média, o encargo anual de juros e amortização da divida a partir de 2014 será de cerca de 18 mil milhões €”. Como isso fosse uma grande novidade e não fosse a consequência inevitável da politica que a “troika” e o governo PSD/CDS estão a impor ao país e que pretendem continuar. Ficou mais uma vez claro com essa reunião a impotência e a incapacidade do pensamento económico único neoliberal dominante para resolver a crise.»

-

Sinais de recuperação da economia...

-

Um mês antes do início da crise - com o rebentamento da «bolha» especulativa do imobiliário nos EUA em Agosto de 2007 - em  Julho, na Bolsa de Lisboa o PSI 20 atingia os 13.500 pontos. Cinco anos depois, em Agosto de 2012, o mesmo índice batia nos 4.500 pontos (!!!).

Deve ser este o tal sinal de confiança dos «mercados» - alcunha para bancos, seguradoras, fundos de investimento e outros especuladores - na economia de Portugal de que falam Pedro Passos Coelho, Paulo Portas, Vítor Gaspar e demais analistas e comentadores encartados...

-

Não ao apelo à resignação feito pelo Conselho de Estado!

-

(...) a posição assumida apenas confirma que, pela sua composição, o Conselho de Estado é sobretudo uma câmara de eco daqueles que defendem o rumo de declínio, de empobrecimento dos portugueses, de saque dos recursos do país, de desastre nacional. Um rumo ao serviço dos interesses dos grupos económicos, da banca, dos especuladores, do grande capital e das grandes potências da União Europeia que tem de ser derrotado.

(...)

-

Os verbos dos Mercados e o Trabalho

Sección economía, Desenho de Manel Fontdevila

-

- ... saber interpretar os mercados, investir, poder pressionar a dívida, especular com os futuros, intuir movimentos, analisar comportamentos, cotar em alta, aumentar emissões,...

- Sim... ou seja, quanto a TRABALHAR, NADA, não é?

-

Publicado neste blog:
adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

Em Espanha como em Portugal: As prendas de Natal dos milionários

Por pedir…, Desenho de Manel Fontdevila

-

- ... e como este ano me portei muuuuito bem, e soube aproveitar muuuuuito bem a crise, peço para mim: UM AEOROPORTO, UMA TELEVISÂO PÚBLICA, UM SERVIÇO DE CORREIOS,...

-

Nota: vestido de rei está José Blanco López (Pepe Blanco) (Desde el 6 de julio de 2008 es el vicesecretario general del Partido Socialista Obrero Español (PSOE) y desde el 17 de abril de 2009 ministro de Fomento)

-

Publicado neste blog:
adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

O empresário...

El empresario, Desenho de Manel Fontdevila

-

- Convém recordar que, apesar de tudo, estamos na Europa... Isto não é uma República das Bananas, nem um país do Terceiro Mundo que se possa explorar por meia dúzia de tostões!

- Tome o meu cartão. Quando já o for, chame-me! De acordo?

-

Publicado neste blog:
adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

A privatização parcial dos aeroportos em Espanha

Calma internacional, Desenho de Manel Fontdevila

-

- Feito! Anulámos outra ajuda... E isto vai agradar-lhe: privatizámos um pouco os aeroportos!

- Ai, não sei... Olhe aqui em baixo, o meu pé... Creio que ainda sinto um pouco de inquietude...

- Céus... Alerta vermelho! As pensões! A saúde! para a guilhotina!

-

Para Ler:

«Funcionários deixam postos em meio à disputa sobre condições de trabalho e após governo aprovar privatização parcial de aeroportos»

-

Publicado neste blog:
adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

Na Europa... os abutres...

En Europa, Desenho de Manel Fontdevila

-

- E depois da Irlanda, que vos parece Portugal?

- Não sei... Viram o IBEX? Nham-nham!

«El índice IBEX 35 (Iberia Index) es el principal índice de referencia de la bolsa española elaborado por Bolsas y Mercados Españoles (BME)

-

Publicado neste blog:
adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

E isto não é Portugal!...

No, no y no, (Territorio Vergara)

-

Há 6 meses: Isto não é a Grécia.

Há 6 dias: Isto não é a Irlanda.

Hoje: N-não, que vai... E...  i-isto não é a Espanha.

-

Publicado neste blog:
adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D