Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Penalva do Castelo: O que se passa?

    A Câmara de Penalva do Castelo suspendeu o abastecimento de água à população, a partir do rio Côja. Várias descargas ilegais contaminaram este afluente do rio Dão, o maior alimentador da barragem de Fagilde que abastece de água os concelhos de Viseu, Mangualde, Nelas e Penalva do Castelo.

Entre os poluidores está uma ETAR localizada no concelho de Sátão. Com efeito basta ir à Quinta das Lameiras para se verificar que o tratamento é insuficiente e as águas do esgoto correm pela barroca a céu aberto.

Há outros focos de poluição no rio Côja e há que localizá-los e identificá-los.

Como de costume a maioria do executivo camarário pouco ou nada fez. Onde anda e o que faz o vereador do Ambiente?

A CDU é a única força cujo reforço eleitoral e político pode pôr fim a este estado de coisas e abrir portas à construção de uma alternativa política em Penalva do Castelo.

In «Boletim CDU - nº 8» Julho 2009

                                                            

Penalva do Castelo - Executivo Camarário: Uma longa lista de trapalhadas!

    Infelizmente a actuação da maioria PSD/CDS deste executivo já não surpreende.

Ele é os documentos requisitados por um vereador que só lhe são fornecidos evocando a Lei de Acesso aos Documentos Administrativos.

Ele é documentos que desaparecem do Arquivo da Câmara (???), mas que afinal parece que não desaparecem, mas que ainda ninguém viu.

Ele é a recusa – ilegal – em fazer constar nas actas das reuniões do executivo declarações de voto de vereadores.

Ele é a não resposta clara e transparente às questões levantadas em mais de 17 queixas apresentadas por um vereador.

Ele é o «despedimento em directo» numa rádio de Viseu de um vereador da maioria, sem prévio conhecimento do próprio (com amigos destes…).

Ele é o Presidente da Câmara que perante uma situação de mais de 3 meses de salários em atraso de cerca de duas dezenas de trabalhadoras têxteis lhes telefona (a que título?) para que continuem a trabalhar e não denunciem os contratos de trabalho. O que lhes tinha sido aconselhado pela própria Autoridade das Condições de Trabalho (antiga Inspecção geral do Trabalho) e que elas, muito bem, fizeram.

Ele é a qualidade da água da rede de abastecimento público que em 4 anos de mandato consegue a triste «proeza» de em TODAS as análises trimestrais apresentar sempre valores fora dos parâmetros.

Ele é a Associação dos Feirantes das Beiras que se queixa de «(…) a Câmara Municipal de Penalva do Castelo não exerce a sua principal função como entidade gestora que é de manter o boa organização e ordem na feira e como tal tudo continua no impasse

Mas a alternativa a este estado de coisas existe e é possível.

Em 11 de Outubro, com a CDU, os Penalvenses dar-lhe-ão a devida resposta!

In «Boletim CDU - nº 8» Julho 2009

                                                                     

Penalva do Castelo: A CDU na reunião pública do executivo da Câmara de 22 de Maio

Por outro lado, face à questão por mim colocada sobre as empresas interessadas em investir no concelho, fiquei a saber que o que AQUI e AQUI foi na altura dito afinal não era bem assim...

O vereador Luís Gonçalves, corroborado pelo Presidente da Câmara, informou que não tinham sido «centenas», mas apenas «dezenas» as cartas de empresas interessadas em fixar-se em Penalva do Castelo - prestação de serviços, sucateiros, transportes (queriam espaço para garagem de viaturas) e uma fábrica de transformação de plásticos. Todas tiveram parecer negativo da autarquia.

 

O orçamento da Câmara Municipal de Penalva do Castelo

     Na Assembleia Municipal de 19 de Dezembro referi na minha intervenção, a propósito do Orçamento, que do lado das receitas, não era crível que os terrenos da câmara fossem vendidos pelo valor apresentado: 4.367.700€. Pelo que o orçamento real não seria de 13.446.667 €, mas sim de 9.078.967€.

Do lado das despesas sublinhei que, números redondos, 2 milhões de euros para despesas com pessoal (não incluindo este número as despesas com a vereação!!!), 725 mil euros para subsídios diversos e 1,5 milhões de euros distribuídos por diferentes rúbricas de «vários» me pareciam manifestamente exagerados. Num orçamento real, repito, de 9 milhões de euros.

Saliente-se que apenas estas 3 rúbricas somam, números redondos, 4.225.000€, ou seja, quase 47% do total das despesas.

              

Quem nos explica: 725 mil euros de subsídios? 1,5 milhões de euros de «vários»? Não será abuso?

        

Adenda às 12h57m: Como diz o Pedro Pina Nóbrega,  «surpresa das surpresas». AQUI estão o Orçamento e as GOP de 2008 no sítio da Internet da Câmara Municipal de Penalva do Castelo...

                 

Ainda a dita «inviabilidade» do concelho de Penalva do Castelo

    Quando no post anterior referi que a maioria PSD do actual executivo da Câmara Municipal de Penalva do Castelo «também, longe disso, não está isenta de culpas» não o fiz por acaso.

É que na mesma Assembleia Municipal, respondendo a críticas da oposição ao Orçamento e às GOP para 2008, o vice-presidente Carlos Ferreira Santos defendeu uma tese semelhante. Disse que às câmaras municipais no futuro próximo pouco mais restará do que serem IPSS (o termo é meu). Ou seja, instituições públicas de solidariedade social: escolas, saúde, actividades desportivas e culturais, uns quanto subsídios e pouco mais.

                           

Creio que na A. M. todos ficámos esclarecidos sobre o pensamento dominante na vereação...

            

A dita «inviabilidade» do concelho de Penalva do Castelo

    Já AQUI falei da última (19 de Dezembro) Assembleia Municipal do nosso concelho. Chegou a altura de as breves notas darem o lugar a uma análise mais pormenorizada.

Momentos altos foram as intervenções, duas, do vereador do CDS/PP Luís Gonçalves. A agitação e o constrangimento entre os seus pares da coligação que (des)governa Penalva foram mais do que evidentes. E o caso não era para menos. Afirmar, tonitruante, como o fez, que “eu represento aqui o CDS/PP e não tenho nada a ver com o PSD” só pode significar que a coligação já o era. Digo eu…

Proclamou o vereador que o concelho é “inviável” e “sem possibilidades de qualquer desenvolvimento através da indústria”, não acreditando que qualquer empresa “se instale no concelho”. Referiu, em suporte da sua «tese», ter recebido e lidocentenas de cartas de empresas interessadas em fixar-se em Penalva do Castelo. Aparentemente não percebe que só por si esse facto faz cair por terra a suposta «inviabilidade» do concelho.

Qualquer director comercial de qualquer das empresas referidas explicaria sem problemas ao vereador e à maioria PSD do executivo camarário que também, longe disso, não está isenta de culpas, o que fazer nestas circunstâncias.

Contactar directamente as empresas interessadas. Convidá-las para visitar o concelho. Deslocar-se, se fosse caso disso, às empresas. Promover a competitividade de Penalva do Castelo junto dos interessados. Em suma, gerir correctamente a carteira de potenciais «clientes» do nosso concelho.

Isto é o B, A, BA da gestão. Mas isso é competência que falta a TODOS os vereadores da maioria. Acresce, e falo por experiência própria em todas as empresas onde trabalhei, que dá muita canseira e custa muitas horas de sono. É o chamado trabalho de «sapa», estilo formiguinha laboriosa da fábula. Só que o executivo camarário prefere o «estilo» cigarra…

O problema é que as oportunidades passam e podem não voltar. E quem paga as «favas» são os penalvenses.


Uma pergunta: qual a experiência de gestão da maioria do executivo da Câmara? Responda quem souber…

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D