Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Artigo 38.º: Esconder o essencial

«O Estado assegura a liberdade e a independência dos órgãos de comunicação social

perante o poder político e o poder económico.»

in Constituição da República Portuguesa.

-

Há duas semanas, terminámos o Artigo 38.º com a convicção de que, apesar do tratamento noticioso dado à Festa do Avante! nos dias que a antecederam, seriam «muitos e muitos milhares os que, apesar de todo este denso manto de silêncio», ali estariam para usufruir dos três dias da Festa. Passada que está mais uma edição daquela que é a maior iniciativa político-cultural que se realiza no País, podemos confirmar que se tratou de um enorme êxito.

Outra confirmação que tivemos nos dias que se seguiram à Festa foi a do prosseguimento dos traços essenciais da tradicional cobertura mediática que lhe é dada... Um dos principais será o apagamento generalizado da componente de massas da Festa do Avante!, sobretudo no que à juventude diz respeito. Quem lá esteve viu – e quem leu o Avante! apercebeu-se – as multidões que encheram o recinto do Palco 25 de Abril no comício de encerramento e em vários espectáculos; as enchentes verificadas noutros palcos e nos debates; os ajuntamentos vividos nos mais variados espaços. E a presença constante e contagiante da juventude. Mas quem procurou saber da Festa pelos restantes jornais nada ficou a saber sobre isto: os textos pouco ou nada disseram; as fotografias (regra geral planos muito fechados) nunca mostraram mais do que um punhado de gente.

A ausência de tratamento da componente cultural da Festa é outro desses traços. Pela comunicação social não se ficou a saber que ali se realizaram dezenas de espectáculos de música e teatro, com especial destaque para o concerto de música clássica de sexta-feira; que foram transmitidos filmes; que estava patente uma exposição de cem desenhos de alguns dos mais conceituados artistas plásticos portugueses do século XX.

Revelá-lo seria mostrar que, ao contrário da imagem que tão esforçadamente constroem dos comunistas e do seu Partido, a Festa do Avante! é, em si mesma, a materialização de uma concepção e de um projecto de sociedade – em que o acesso à cultura está ao alcance de todos; em que se valoriza integralmente o ser humano; em que a criatividade e a imaginação são, a par do trabalho, factores de emancipação humana.

A abertura do ano lectivo foi o tema central dos noticiários televisivos da passada segunda-feira. E foi com pompa e circunstância que as principais estações ouviram Sócrates e Passos Coelho afirmar que, no essencial, tudo estava a correr bem (se bem que para o líder do PSD o Governo deveria ter avisado os pais de que as escolas iam fechar). Nesse mesmo dia, o PCP realizou uma conferência de imprensa precisamente sobre esse tema, em que considerou que o ano lectivo não só «começou mal» como parece estar «inevitavelmente comprometido». Na ocasião, um membro da Comissão Política do Partido falou do fecho das escolas e da criação de mega-agrupamentos; da precariedade e do desemprego entre os docentes e os auxiliares; da própria destruição da escola pública. E daqui a comunicação social apenas extraiu a proposta de distribuição gratuita de manuais escolares durante o ensino obrigatório. Não fossem os comunistas «estragar a festa» de PS e PSD...

_

In Jornal «Avante!» - Edição de 16 de Setembro de 2010

_

Artigo 38.º: Preconceito e desinformação

«O Estado assegura a liberdade e a independência dos órgãos de comunicação social

perante o poder político e o poder económico.»

in Constituição da República Portuguesa.

-

A semana passada ficou marcada pela apresentação do dirigente do PCP Francisco Lopes como candidato à Presidência da República. No próprio dia da apresentação como nos seguintes, muito se falou da candidatura comunista, em várias notícias, reportagens, entrevistas e comentários.

Mas, à semelhança do que aconteceu noutros momentos da história do Partido, a generalidade dos comentadores, analistas e politólogos que por aí andam logo trataram de desvalorizar a candidatura comunista, recorrendo aos preconceitos e caricaturas de sempre: da origem social do candidato à sua pretensa ortodoxia, passando pela sensibilizadora preocupação com um (desejável, para eles) mau resultado obtido por Francisco Lopes nas próximas eleições presidenciais. Da declaração de candidatura, dos seus objectivos e propostas, muito pouco se disse.

Nada de novo, portanto. E nada que surpreenda: estes propagandistas da política de direita não conseguem ver para além do esquema imposto pela ideologia dominante e esta determina que se silencie, deturpe e caricature os comunistas e as suas propostas de ruptura e de mudança. Os interesses dos seus patrões assim o exigem.

Este seu labor anticomunista, se bem que intenso e esforçado, não teve o resultado que desejavam, pois a candidatura do PCP, apesar de ser ainda uma novidade, está já a conquistar o seu espaço entre aqueles que são prejudicados pela política que o Governo – em conluio com o PSD e com o Presidente da República – tem vindo a prosseguir.

O mesmo sucedeu com a apresentação, na segunda-feira, da campanha do PCP Portugal a produzir. Salvo algumas excepções, a generalidade dos órgãos de comunicação social ignorou por completo esta iniciativa do Partido (alguns dos quais, diga-se, estiveram presentes na conferência de imprensa e não trataram o assunto). Não sendo raro este silenciamento, é ainda mais sentido quando em causa estão questões que abalam frontalmente os fundamentos da política de direita: é assim com a defesa da produção nacional; foi assim quando o assunto foi a banca, os seus privilégios e a defesa da sua nacionalização…

A poucos dias da abertura da Festa do Avante! e quando tanto se fala de reentrées lá começam a surgir notícias sobre aquela que é a maior iniciativa político-cultural que se realiza em Portugal. Mas uma análise mais fina dessas notícias revela algo que seria inacreditável se não fosse normal: não se fica a saber quase nada do seu conteúdo, dos espectáculos de música, dança ou teatro; das exposições de artes plásticas; dos debates políticos; das modalidades desportivas; da gastronomia.

Só se refere – o que tendo um significado profundo não é suficiente – que a Festa é construída de forma voluntária e abnegada por milhares de militantes e simpatizantes do Partido. Fica é a parecer que a constroem como um fim em si.

E não é por falta de matéria ou de insistência do PCP, que produziu nas últimas semanas várias notas e conferências de imprensa sobre aspectos concretos da programação da Festa do Avante!. Mas uma vez mais, quando as portas da Atalaia abriram, serão muitos e muitos milhares os que, apesar de todo este denso manto de silêncio, ali estarão para usufruir dos três dias da Festa.

_

In Jornal «Avante!» - Edição de 2 de Setembro de 2010

_

Penalva do Castelo - Festas do Concelho

                                                                                                                                                                

Carlos do Carmo apresenta filme «Fados»

    Para comemorar os 30 anos (1978-2008), a Festa da Alegria antecipa a sua abertura com a exibição, em estreia absoluta em Braga, do filme «Fados», de Carlos Saura (com Marisa, Camané, Carlos do Carmo, Chico Buarque, Caetano Veloso e Lila Downs), que será apresentado por Carlos do Carmo. A sua exibição ocorre na sexta-feira, dia 18, pelas 21h00, no Auditório do Parque de Exposições de Braga.

                          

    Realiza-se nos próximos dias 19 e 20 de Julho (sábado e domingo), em Braga, no Parque das Exposições, a 15ª edição da Festa da Alegria, promovida pela Organização Regional de Braga do PCP.  

A edição deste ano, que assinala o 30º aniversário da primeira edição (1978 – 2008), apresenta um programa diversificado, com exposições, debates, desporto, artesanato, animação de rua e espectáculos dos quais destacamos - no sábado com os Blasted Mechanism, Let the Jam Roll, Uxu Kalhus, Os Alentejanos e Cantares da Terra e no domingo com Kumpnia Algazarra, Peixe:Avião, Quadrilha e Mineiros de Aljustrel.

Os visitantes terão também ao seu dispor um espaço dedicado ao livro – A Festa do Livro e do Disco, o Espaço Internet e Novas Tecnologias e as exposições: “90 anos da Revolução de Outubro”; “Caxias – uma fuga audaciosa”; “Iraque – 5 anos de guerra” e “Lino Lima, o resistente e o militante”. No domingo, dia 20, às 18 horas, realizar-se-á um comício com a participação do Secretário-Geral do PCP, Jerónimo de Sousa.     

                                                                                             

Neo-realismo, uma legítima opção estética, um contributo para a modernidade

Texto de Margarida Tengarrinha

    «O neo-realismo, as exposições gerais de artes plásticas e a contribuição que deram à luta pela modernidade da arte, em Portugal, têm sido persistentemente votados ao esquecimento, atacados ou deturpados. É altura de reabilitar e conferir a sua real dimensão a essa fase tão importante da História da Arte Contemporânea, ligada indissoluvelmente à luta anti-fascista em Portugal»

                     

Ler Texto Integral

             

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D