Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Quem falou em «sangue», «suor» e «lágrimas»? E quando?

Pedro Passos Coelho perante o retrato do homem que ele mais admira!

-

Quem, recentemente, falou em «sangue», «suor» e «lágrimas», foi Pedro Passos Coelho, em entrevista ao «Expresso» de 27 de Novembro:

«Estamos como quando Churchill, a seguir à guerra, disse que tudo o que tinha para oferecer era sangue, suor e lágrimas».

Não se pode dizer que o homem seja muito original ou muito rigoroso!

Comecemos pela originalidade.

Já na quarta-feira, 2 de Junho de 2010, Pedro Norton, na revista «Visão», clamava por Sangue, suor e lágrimas: «É em momentos excepcionais que se revelam os líderes excepcionais. Pedro Passos Coelho pode ainda ambicionar não passar à história como mais um personagem do comboio fantasma de governantes medíocres que nos têm conduzido ao abismo. Mas, para isso, vai ter de apostar forte e de trocar rapidamente os "amanhãs que cantam" de José Sócrates pelo "sangue, suor e lágrimas" de Churchill. Em breve perceberemos se tem ambição e sobretudo se tem estofo para tanto. Oxalá assim seja. E oxalá saibamos ouvir quem quer que seja que ouse falar assim

(Mais tarde, em 26 Setembro 2010, Magalhães e Silva, no Correio da Manhã, publicava um artigo intitulado Sangue, suor e lágrimas, mas a intenção e o contexto são outros)

Do artigo de Pedro Norton, percebe-se que a expressão «sangue, suor e lágrimas» já há algum tempo circulava pelos bastidores de Pedro Passos Coelho e que este se limitou a tirá-la da manga sem perceber muito bem o seu contexto histórico. Este é que é um exemplo de uma pessoa que não pensa pela sua cabeça, para usar uma expressão cara a uma conhecida jornalista!

Quanto ao rigor.

Churchill falou em «sangue, suor e lágrimas» a seguir à guerra? Churchill prometia «sangue» a seguir à guerra? Será que o Pedro Passos Coelho também fez a cadeira de História por fax e que quando Deus distribuiu a argúcia esqueceu-se dele?


Winston Churchill

-

A frase célebre de Churchill foi pronunciada no dia 13 de Maio de 1940 no primeiro discurso na Câmara dos Comuns após a tomada de posse como Primeiro Ministro do Reino Unido, no seguimento da demissão de Chamberlain a 10 de Maio:

«I would say to the House as I said to those who have joined this government: I have nothing to offer but blood, toil, tears and sweat. We have before us an ordeal of the most grievous kind. We have before us many, many long months of struggle and of suffering

Aí, Churchill dizia que nada mais tinha a oferecer senão «sangue, trabalho árduo, lágrimas e suor». O que era compreensível, porque se vivia em plena guerra (que, claro, provoca feridos e mortos - o «sangue» vem dessa evidência!...). A 7 de Setembro de 1940 começava o blitz (bombardeamento nazi) sobre Londres...


Giuseppe Garibaldi

-

Mas, Churchill, ao contrário de Pedro Passos Coelho, conhecia a História, e tinha consciência de que estava a fazer uma citação, e de quem era a citação, no seu discurso de 1940.

Quem, de facto, pela primeira vez, pronunciou a frase, foi Giuseppe Garibaldi, em 2 de Julho de 1849, em Roma, em frente do Parlamento da República, perante as suas tropas, constituidas por escassos 4700 homens, que teriam de defrontar os 86000 da força combinada francesa, espanhola, napolitana, toscana e austríaca:

«Non ho null'altro da offrirvi se non sangue, fatica, lacrime e sudore» [Não tenho mais nada a oferecer além de sangue, sofrimento, lágrimas e suor]. (1)

Mais uma vez numa situação de guerra em que ia haver feridos, mortos. destruição.

Quanto a nós, Dr. Pedro Passos Coelho, chegue-se aqui mais perto... Mais perto ainda... Assim está bem.

Então o senhor tudo o que tem para nos oferecer é «sangue, suor e lágrimas»? Nem «trabalho árduo», como Churchill, tem para nos oferecer? Sabe, os portugueses estão a habituados a trabalhar arduamente e o direito ao trabalho é o Artigo 23º da Declaração Universal dos Direitos Humanos (2) .

Em contrapartida o senhor oferece-nos «sangue»! «Sangue», Dr. Pedro? Mas, consigo, na hipótese de um dia chegar ao poder, vamos entrar numa guerra? Uma guerra de classes contra os trabalhadores? Então o «suor» é das correrias e as «lágrimas» são do gás lacrimogéneo?

Sabe que mais? Se é preciso verter sangue, que seja o seu! Que seja o seu, Dr. Pedro!

A propósito de «sangue», vamos ouvir Os vampiros

«No céu cinzento / Sob o astro mudo / Batendo as asas / Pela noite calada / Vêm em bandos / Com pés de veludo / Chupar o sangue / Fresco da manada»


«Se alguém se engana / Com seu ar sisudo / E lhes franqueia / As portas à chegada / Eles comem tudo / Eles comem tudo / Eles comem tudo / E não deixam nada»

(1) Ler:

  • Garibaldi maestro di Churchill (Nel 1940, nei giorni bui dopo la sconfitta britannica a Dunkerque, Churchill gli rese omaggio nel suo più ispirato discorso al parlamento e alla nazione, «rubando» le parole che Garibaldi aveva pronunciato nel 1849 davanti al Parlamento della Repubblica romana, quando ai suoi «pochi» 4700 uomini - che avrebbero dovuto fronteggiare gli 86 mila delle forze combinate francesi, spagnole, napoletane, toscane e austriache - disse: «Non ho null’altro da offrirvi se non sangue, fatica, lacrime e sudore».)

(2) Artigo XXIII: 1.Toda pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e à proteção contra o desemprego. 2. Toda pessoa, sem qualquer distinção, tem direito a igual remuneração por igual trabalho. 3. Toda pessoa que trabalhe tem direito a uma remuneração justa e satisfatória, que lhe assegure, assim como à sua família, uma existência compatível com a dignidade humana, e a que se acrescentarão, se necessário, outros meios de proteção social. 4. Toda pessoa tem direito a organizar sindicatos e neles ingressar para proteção de seus interesses.

Publicado neste blog:
adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

O resgate do «sistema»

Josetxo Ezcurra Rebelión de 8 de Novembro

As gigantescas firmas de Wall Street provavelmente teriam fechado se os contribuintes não tivessem dado biliões de dólares em fundos de resgate e apoio (...). Agora, (…) um ano passado sobre o resgate, estes executivos atrevem-se a pagarem a si mesmos somas recorde de remunerações extraordinárias. Estes pagamentos obscenos de Wall Street deveriam ter dado uma sacudidela no Congresso e levarem a apertadas regulações, já que são o resultado das mesmas práticas que levaram o sector à crise."

"Fazendo uso da máxima de Lampedusa(*), de tudo mudar para que tudo fique na mesma, a dramatização do discurso da crise serve também para, sacudindo a água do capote e ocultando a derrota ideológica do sistema, o grande Capital vir agora legitimar a exigência de maiores e incomensuráveis sacrifícios aos mesmos de sempre. (...) As medidas de resgate do capitalismo não deixam de remeter para uma maior centralização e concentração do capital. Momentaneamente o dólar reforça-se. O seu domínio como moeda global é ainda uma realidade de última instância na arquitectura imperialista global. A par do domínio militar. A actual crise, porém, não deixará de marcar um patamar num declínio que se afigura a prazo irreversível."

(*) Ver neste blogue:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge


Il Gattopardo: I Falsi Plebisciti (1860)


                                                                                              

Prince Don Fabrizio Salina: And you, Don Ciccio, how did you vote on the 21st?

Don Francisco Ciccio Tumeo: [coughs up drink

Prince Don Fabrizio Salina: What are you afraid of? There's no one else here but us, the wind, the dogs.

Don Francisco Ciccio Tumeo: Excuse me, Excellency, but that question is useless. You know that everyone in Donnafugata voted, voted 'yes'. They said you, yourself, advised those who couldn't decide to vote like that.  

Prince Don Fabrizio Salina: I did, indeed. So, you voted 'yes', hmm...  

Don Francisco Ciccio Tumeo: [walks up to the Prince, and then walks away] No, Excellency! I voted absolutely 'no'! No, I swear I voted 'no'! I know, Excellency, I know what you told me: necessity, unity and opportunity, Excellency. And you might be right, afterall. Politics I know nothing about, I leave that to all the others. But Ciccio Tumeo cannot be walked on! An obscure artist... poor and miserable, with holes in his pants, maybe. But benefits he's received, I promise you, he'll never forget! As you know, Excellency, it was Queen Isabella, of Spain, who was Dutchess of Calabria then, who made me study, and allowed me to be who I wanted: Organist of the Mother Church, honored by the benevolence of Your Excellency, and be a respected citizen. The years we were in terrible need, when my poor mother sent a petition up to her court, the money arrived to help us, sure as death every month! And if, today, these holy Kings and lovely Queens, were looking down from Heaven... what would they say? Would they feel that Don Ciccio Tumeo betrayed them? No, Excellency, no! Fortunately they know the truth in paradise.

   

IL GATTOPARDO - livro de Giuseppe Tomasi di Lampedusa, filme de Luchino Visconti

  

I Falsi Plebisciti

                                   

 

Notícias AQUI

   

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                 

IL GATTOPARDO: "Noi fummo i Gattopardi, i Leoni..."

    «Noi fummo i Gattopardi, i Leoni; quelli che ci sostituiranno saranno gli sciacalletti, le iene; e tutti quanti Gattopardi, sciacalli e pecore, continueremo a crederci il sale della terra.»  

(We were the Leopards, the Lions; those who'll take our place will be little jackals, hyenas; and the whole lot of us, Leopards, jackals, and sheep, we'll all go on thinking ourselves the salt of the earth.)

 

Noi fummo i Gattopardi, i Leoni...

Leopold II Rei da Bélgica

Conferência de Berlim - a divisão de África (1884)

 

quelli che ci sostituiranno saranno gli sciacalletti, le iene...

 

     VÍDEO - IL GATTOPARDO - Visconti 1963 - La Sicilia non vuole cambiare 

                                                         

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge                       

                                       

IL GATTOPARDO: “Se vogliamo che tutto rimanga com’è, bisogna che tutto cambi”

   Tancredi decidiu combater ao lado das tropas de Garibaldi e comunica-o a Don Fabrizio:

Se vogliamo che tutto rimanga com’è, bisogna che tutto cambi

 

 

IL GATTOPARDO - livro de Giuseppe Tomasi di Lampedusa, filme de Luchino Visconti

 

                                                         

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge                       

                                                          

Notícias AQUI, AQUI e AQUI

          

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D