TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Quinta-feira, 7 de Abril de 2016
7 de Abril – Dia da Mulher Moçambicana

Josina_marching

Em homenagem à guerrilheira e activista Josina Muthemba, que integrou a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) e lutou pela independência do seu país, o dia 7 de Abril é comemorado como o Dia da Mulher Moçambicana.

Nascida a 10 de Agosto de 1945, em Inhambane, Josina foi uma das fundadoras do Destacamento Feminino, criado pela FRELIMO em 1967; nesse mesmo ano é nomeada responsável pela Secção dos Assuntos Sociais e da Secção da Mulher no Departamento das Relações Externas daquele movimento.

Defensora da igualdade de direitos entre homens e mulheres, impulsionou a criação de centro infantis onde elementos do Destacamento Feminino tomavam conta dos órfãos de guerra ou cujos pais participavam na luta pela libertação nacional, sendo considerada modelo de inspiração do movimento de mulheres.

Em Maio de 1969 casou com Samora Machel, líder histórico da FRELIMO e primeiro presidente de Moçambique independente, passando a adoptar o nome de Josina Machel. Morreu a 7 de Abril de 1971, vítima de doença.

AQUI

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 19:04
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2016
UPP: «Inhaminga o último massacre»

UPP JRibeiro

Clicar na imagem para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:38
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 4 de Novembro de 2015
Sessão comemorativa dos 40 anos da descolonização - ALMADA

40 anos descolonização

Clicar na imagem para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:03
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 28 de Abril de 2014
Abril é confiança

-

Mas nada disto anula as contradições de classe ou desmente o aprofundamento da crise estrutural do capitalismo. E à violenta ofensiva exploradora e recolonizadora com que o grande capital procura contrariar a baixa tendencial da taxa de lucro, os trabalhadores e os povos contrapõem, sob mil e uma formas, a sua resistência e a sua luta, realidade que a comunicação social dominante esconde ou deturpa zelosamente e que aos comunistas compete conhecer e valorizar. Porque, tal como em Portugal há 40 anos, estão em gestação numerosos processos de transformação progressista e revolucionária que mais cedo ou mais tarde surpreenderão o mundo. Na época do imperialismo que Lénine tão brilhantemente caracterizou em  «Imperialismo estádio supremo do capitalismo», isso é inevitável.

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 08:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 26 de Abril de 2014
A EXPOSIÇÃO

-

Clicar na imagem para visualizar a ligação

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:01
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 23 de Abril de 2014
Os Valores de Abril no Futuro de Portugal

40º Aniversário da Revolução de Abril

Os Valores de Abril no Futuro de Portugal

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 18:43
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012
Cavaco Silva: Sete aspectos que caracterizam a sua prática

(...)

Neste último ano, sete aspectos se destacam entre muitos outros que caracterizam a sua prática.

Primeiro. O seu discurso de tomada de posse com um conteúdo demagógico, populista e retrógrado profundamente vinculado à política de direita das últimas décadas que é responsável pela grave situação em que o País se encontra.

Segundo. As suas afirmações legitimadoras da guerra colonial e do colonialismo que assumiram um carácter claramente reaccionário e passadista.

Terceiro. O seu apoio ao chamado memorando de entendimento, o Pacto de Agressão subscrito pelo PS, PSD e CDS-PP com o FMI, a UE e o BCE, que constituiu um golpe contra a Constituição da República no seu processo e conteúdo e é um instrumento que a cada dia que passa mais evidencia a sua dimensão brutal no plano económico, social, político, cultural e nacional.

Quarto. A sua intervenção, elogiada por Passos Coelho e ao lado das associações patronais, no sentido do estabelecimento do chamado acordo da concertação social, que representa um dos mais violentos ataques de sempre aos interesses e direitos dos trabalhadores.

Quinto. A sua desvalorização dos problemas dos trabalhadores e do povo, das profundas desigualdades e injustiças sociais existentes no País, bem evidenciada recentemente quando declarou que o valor da sua reforma não lhe chega para pagar as despesas. Sabendo-se que aufere de pensões de reforma vários milhares de euros por mês, tal afirmação constitui um insulto aos trabalhadores, aos desempregados e aos reformados e pensionistas, que têm de viver com vinte ou trinta vezes menos que os rendimentos de Cavaco Silva e em relação aos quais defende cortes e mais cortes de salários, de pensões, de apoios sociais e de serviços públicos.

Sexto. A sua permanente posição de hipocrisia, quando identificando muitos dos problemas do País esconde ao mesmo tempo causas e responsabilidades. Quando Cavaco Silva fala da agricultura, da indústria, das pescas ou do mar, não só passa uma esponja sobre as suas próprias responsabilidades enquanto ministro e primeiro-ministro e agora como presidente, mas também continua a caucionar o rumo de abandono e destruição da produção e de aumento da dependência do País.

Sétimo. O seu comprometimento com as orientações da União Europeia e a estratégia global do capitalismo assente na exploração, ingerência, guerra, domínio e ocupação que ameaça e atinge povos e países em todo o mundo.

(...)

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 31 de Maio de 2008
As lições de Maio de 68 em França

Texto de Sérgio Ribeiro

    Todos os anos têm um mês de Maio. 1968 teve, claro, um Maio. Parece que sobretudo em França. Para se ser mais preciso, parece que sobretudo em Paris. O Mai 68! Um Maio que ficou na história. Para muitos aspectos da vida, da vida de muitos de nós. A quem o Maio de 1968 apanhou jovens, ou ainda jovens.

Para esses de nós, em 1968 jovens ou ainda jovens, a vida era cinzenta, bisonha, sem perspectivas. Menos para os que lutavam, para os que lutam sempre. Em Portugal, o fascismo, a guerra colonial, a emigração, faziam mais triste a vida. Para os que não lutavam, para os que não tinham a esperança que nasce na luta. Para os que só esperavam… talvez Agosto, talvez a queda salazarenta de uma cadeira em S. João do Estoril. Para esses, Maio de 68 foi um estampido, um clarão. Mudou muitas coisas. Na sua maneira de viver.
Quarenta anos passaram e há uma aura e nostalgia desse Maio de 68. Não só em França, em Paris, no Quartier Latin, na Sorbonne.
Mas, para os jovens de hoje, como contar o que foi esse Maio que tão mal, como toda a história, se conta? Que se conta ter sido o «Maio dos estudantes». Que foi. Mas que não foi só. Que foi também «Maio dos proletários».
                                                                    
Ler Texto Integral
                                                

sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 23 de Setembro de 2007
Leitura Obrigatória (XXII)

    O governo de Marcelo Caetano, Tentativa de Salvar a Ditadura (Vários autores)

Ao contrário do que actualmente difundem os que pretendem branquear o passado anterior à Revolução de Abril, se mostra que, com Marcelo Caetano, a ditadura fascista continuava.

Ao contrário dos que actualmente pretendem apresentar Marcelo Caetano e o seu governo como o caminho voluntariamente procurado para a democracia, o que caracterizou a política de Marcelo Caetano e o seu governo, ante a perspectiva da revolução democrática que irresistivelmente se aproximava, foi a desesperada tentativa de salvar a ditadura.

Ao contrário dos que acusam a Revolução de Abril de ter evitado a evolução pacífica para a democracia que Marcelo Caetano estaria preparando, a revolução de abril foi a solução necessária, indispensável e imperativa que impediu que continuassem a opressão e o terror fascista e a criminosa guerra colonial.

Ao contrário dos que, falsificando a história e dizendo que com o governo de Marcelo Caetano era o caminho pacífico para a democracia e acusam a Revolução de Abril de responsável pelo descalabro a que chegou actualmente a situação económica, social e cultural, torna-se evidente que a responsabillidade dessa situação calamitosa não é da Revolução de Abril, mas de sucessivos governos que, num processo contra-revolucionário, têm destruído passo a passo as suas conquistas democráticas.

  

In Edições «Avante!»

     


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:05
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

7 de Abril – Dia da Mulhe...

UPP: «Inhaminga o último ...

Sessão comemorativa dos 4...

Abril é confiança

A EXPOSIÇÃO

Os Valores de Abril no Fu...

Cavaco Silva: Sete aspect...

As lições de Maio de 68 e...

Leitura Obrigatória (XXII...

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

câmara municipal

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds