Quarta-feira, 25 de Dezembro de 2013

Opção clara, programada e enganadora da parte do governo

-

Em vez da inevitabilidade com que procuram iludir o caminho que está a ser seguido, aquilo a que o país assiste é a uma opção clara, programada e enganadora, da parte do actual governo.

Clara na medida em que cada euro roubado aos salários, às pensões, aos rendimentos dos micro e pequenos empresários ou agricultores servirá, como aliás tem servido, não para resolver qualquer dos problemas do país, mas para manter intocável o carácter rentista e parasitário dos grupos monopolistas que operam em Portugal.

Programada, porque a pretexto desta crise, aquilo que está neste momento a ser concretizado, é uma velha aspiração de ajuste de contas com direitos e conquistas alcançados com a Revolução de Abril, é a reconfiguração do Estado ao serviço do grande capital, é a intensificação da exploração dos trabalhadores, reduzindo salários e direitos e alargando o tempo de trabalho.

Enganadora, porque apresentada como caminho para “libertar” o país da troika e o tão propalado “regresso aos mercados”, corresponde, no fundo, ao caminho da perpetuação, durante as próximas décadas, do empobrecimento e da austeridade como modo de vida e futuro do país, fonte de lucros e privilégios do grande capital e a condenação de Portugal à dependência e subordinação ao capital transnacional e ao imperialismo.

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 14:34
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 17 de Fevereiro de 2013

UPP: A Crise - inevitabilidades e alternativas (painel 3)

Clicar na imagem para visualizar a ligação

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 00:07
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2013

UPP: A Crise - inevitabilidades e alternativas (painel 2)

Clicar na imagem para visualizar a ligação

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 06:50
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

UPP: A Crise - inevitabilidades e alternativas

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 00:04
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Outubro de 2010

As «inevitabilidades» e as alternativas

«Mercados» – a agiotagem das agências de notação e dos grandes bancos europeus, os especuladores.

Ou seja, recorde-se, porque a memória de muitos «especialistas» e «analistas» parece ser curta, os RESPONSÁVEIS PELA ACTUAL CRISE. Os mesmos que retiraram competências aos bancos centrais de cada país (o Banco de Portugal é um exemplo) em favor do Banco Central Europeu (BCE). O que na prática se traduz no facto de o BCE estar impedido de emprestar dinheiro aos Estados. Mas já o pode fazer a baixos juros (1%) aos grandes bancos, que depois emprestam aos Estados a juros altíssimos (6% e mais).

Comandado pelo interesse do grande capital, o chamado «PEC 3», que o grande patronato se apressou a aplaudir, é-nos apresentado todos os dias como uma «inevitabilidade». Mas na realidade as medidas anunciadas e aprovadas não acalmam os especuladores, como bem se viu nos últimos dias.

«Inevitabilidade»? Uma ova! Há alternativas! A prová-lo as propostas apresentadas esta semana pelo PCP nas suas Jornadas Parlamentares.

Assim, no que respeita ao aumento da receita fiscal, o PCP propõe 5 medidas: a criação de um novo imposto sobre as Transacções e Transferências Financeiras (receita adicional mínima de 1760 milhões de euros – m€); a tributação extraordinária do património imobiliário de luxo; a tributação agravada sobre a aquisição ou posse de bens de luxo; a tributação das mais-valias bolsistas (receita adicional mínima de 250 m€); a aplicação de uma taxa efectiva de IRC de 25% ao sector bancário e grandes grupos económicos com lucros superiores a 50 milhões de euros (700 m€).

O PCP propõe igualmente 5 medidas de redução da despesa fiscal: suspensão temporária do regime fiscal de IRS e IRC aplicável na Zona Franca da Madeira a empresas não financeiras (diminuição de despesa fiscal de mais de 400 m€); redução, de quatro para três anos, do período máximo durante o qual são permitidas deduções de prejuízos fiscais aos lucros tributáveis; eliminação dos benefícios fiscais aplicáveis a operações de reestruturação empresarial; revogação dos benefícios fiscais concedidos a PPR (corte na despesa fiscal de 100 m€); o fim dos benefícios fiscais para os seguros de saúde (100 m€).

No que respeita à despesa, o PCP propõe 5 medidas de corte na despesa: a participação das Forças Armadas em todas as operações no estrangeiro (75 m€); abonos variáveis / indemnizações por cessão de funções, cortar 20% (16 m€); aquisição de bens e serviços correntes (1515 m€); o fim da transferência de verbas da ADSE para os hospitais privados, cujo montante, certamente de dezenas de milhões de euros, continua a não ser divulgado pelo Ministério das Finanças; o fim definitivo do escandaloso negócio do terminal de Alcântara com a Liscont.

Para além destas propostas imediatas e concretas, o PCP apresenta ainda 5 medidas contra o desperdício de dinheiros públicos no futuro (todas estas medidas podem ser vistas duma forma desenvolvida AQUI).

Como é claro as alternativas existem. Só que os interesses dos grandes grupos económicos, dos seus lucros e privilégios que se mantêm intocáveis, falam mais alto. Traindo o país e os portugueses o que agora está anunciado é mais um obediente cedência ao que a União Europeia, a OCDE, a chanceler Merkel e o directório das grandes potências exigiam. Mas também um inqualificável acto de substituição pela mão do Governo do PS das receitas que o Fundo Monetário Internacional, e os poderosos interesses do capital financeiro que sob a sua capa operam, ambicionavam impor.

Nota final: pergunta-se ao PSD de que parte da política do PS discorda? O PSD está ou não de acordo com os privilégios fiscais da banca? Com os cortes salariais? Com a destruição da administração pública e dos serviços públicos? Com as sucessivas tesouradas no investimento público? Foi ou não o PSD a lançar as agora tão faladas parcerias público privadas da saúde que custarão ao Estado mais de 7500 milhões de euros?

Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação

In jornal "Público" - Edição de 15 de Outubro de 2010

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 00:07
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Agosto de 2010

A curta distância do neoliberalismo ao neofascismo

Estamos, não tenhamos dúvidas, numa fase difícil da nossa vida colectiva, embora, naturalmente, resolúvel nos termos propostos pelo PCP.

Há sinais visíveis, a que importa dar combate, quanto à tentativa de imposição de uma profunda e duradoura regressão social.

Não obstante, em termos absolutos, não haver ainda no plano institucional qualquer similitude com os anos 20 e 30 do século passado em que a Europa, quase de lés-a-lés, foi varrida por regimes e ideias fascistas, a verdade é que no plano da vida social ligada ao trabalho e às prestações sociais há uma postura perfeitamente visível de impor aos trabalhadores e à população em geral o pagamento de uma factura com vários pontos de contacto com as medidas impostas, em função dos interesses dominantes das classes dominantes, por Mussolini, Salazar e outros similares.

Ler Texto Integral

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 00:04
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 26 seguidores

.pesquisar

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Opção clara, programada e...

. UPP: A Crise - inevitabil...

. UPP: A Crise - inevitabil...

. UPP: A Crise - inevitabil...

. As «inevitabilidades» e a...

. A curta distância do neol...

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Outubro 2018

. Julho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. álvaro cunhal

. assembleia da república

. autarquia

. avante!

. bce

. benfica

. blog

. blogs

. câmara municipal

. capitalismo

. caricatura

. cartoon

. castendo

. cds

. cdu

. cgtp

. cgtp-in

. classes

. comunicação social

. comunismo

. comunista

. crise

. crise do sistema capitalista

. cultura

. cultural

. democracia

. desemprego

. desenvolvimento

. desporto

. dialéctica

. economia

. economista

. eleições

. emprego

. empresas

. engels

. eua

. eugénio rosa

. exploração

. fascismo

. fmi

. futebol

. governo

. governo psd/cds

. grupos económicos e financeiros

. guerra

. história

. humor

. imagens

. imperialismo

. impostos

. jerónimo de sousa

. jornal

. josé sócrates

. lénine

. liberdade

. liga

. lucros

. luta

. manifestação

. marx

. marxismo-leninismo

. música

. notícias

. parlamento europeu

. partido comunista português

. paz

. pcp

. penalva do castelo

. pensões

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. precariedade

. ps

. psd

. recessão

. revolução

. revolucionária

. revolucionário

. rir

. salários

. saúde

. segurança social

. sexo

. sistema

. slb

. socialismo

. socialista

. sociedade

. sons

. trabalhadores

. trabalho

. troika

. união europeia

. vídeos

. viseu

. vitória

. todas as tags

.links

.Google Analytics

blogs SAPO

.subscrever feeds