Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

12 de Novembro de 1991 – Massacre de Santa Cruz

A luta do povo timorense pela independência ficou marcada pelo massacre do Cemitério de Santa Cruz, a 12 de Novembro de 1991.

As imagens da chacina, recolhidas pelo repórter inglês Max Stahl, acordaram o mundo para a realidade que se vivia em Timor-Leste desde a invasão do território pela Indonésia, ocorrida com a cumplicidade dos EUA em Dezembro de 1975.

Nesse dia, mais de duas mil pessoas marcharam desde a igreja onde se celebrou uma missa em memória do jovem Sebastião Gomes, assassinado pelas forças indonésias, até ao cemitério, para lhe prestar homenagem.

O exército abriu fogo sobre a população, matando 271 pessoas no local e ferindo outras 127, que morreram nos dias seguintes.

Depois do massacre, a causa timorense ganhou força, com inúmeros países a reconhecer o seu direito à independência, o que se veio a concretizar em 30 de Agosto de 1999.

AQUI

 

2 de Outubro de 1941 – Batalha de Moscovo

A batalha de Moscovo ficou na história da Segunda Guerra Mundial como uma das maiores e mais sangrentas.

Os combates ocorreram num território equivalente, em área, à Inglaterra, Irlanda, Islândia, Bélgica e Holanda somadas.

Hitler, depois dos primeiros êxitos do exército alemão, exigiu «tomar Moscovo em 15 de Agosto e terminar a guerra com a URSS a 1 de Outubro».

A resistência soviética surpreendeu os alemães; a Operação Tufão, nome de código para a tomada da capital soviética, só começou em 30 de Setembro.

O que os nazis previam ser uma marcha triunfal transformou-se num pesadelo.

Dos mais de sete milhões de soldados de ambos os lados que participaram nos combates, mais de um milhão e meio ficou no campo de batalha.

Moscovo não caiu e a vitória da URSS nesta batalha foi o momento de viragem na guerra.

AQUI

 

Iraque arrasado

-

Mais de oito anos após a invasão e ocupação do Iraque, os números chocantes de um milhão e 300 mil mortos e quatro milhões de refugiados convivem com a fome e a miséria num território arrasado mergulhado na corrupção, garante um membro da Frente de Resistência Iraquiana contra a Ocupação.

-

Os médicos cubanos e a cólera no Haiti

Pedro Méndez Suárez,Rebelión de 21de Janeiro

-

- Cólera, Doutor?

- Sim, mas a da ira e da irritação por culpa da visita do ditador e assassino "Baby Doc" Duvalier!...


Pobre e infeliz Haiti. Primeiro a longa e feroz ditadura de Duvalier, com os seus sinistros ton-ton macoute. Depois um brevíssimo governo democrático, cujo presidente foi deposto por uma intervenção militar dos EUA & da França. Segue-se uma longa ocupação militar, com a cumplicidade activa de países latino-americanos que se prestaram a enviar tropas para colaborar com o império. Mais recentemente um terramoto gigante que deixou o país destruído. E este foi seguido de imediato por uma invasão em grande escala de tropas estado-unidenses. O estado calamitoso do país, com as infraestruturas de saneamento básico arruinadas, levou à epidemia de cólera iniciada em 2010. E agora, 17 de Janeiro, para culminar, Baby Doc , o filhote do antigo ditador Duvalier, retorna de Paris . Ele volta protegido pelas tropas do imperialismo e dos governos latino-americanos que o servem – como o do Brasil, Chile e Uruguai. Vem tomar posse dos despojos. Tal como os abutres, também quer um naco do moribundo.


Publicado neste blog:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

Os 20 anos da Guerra do Golfo

(...)

Se, como o PCP teve oportunidade de afirmar há duas décadas atrás, a violação de resoluções das Nações Unidas e a invasão do Kuwait pelo Iraque eram inaceitáveis, a realidade demonstrou claramente que a estratégia do imperialismo norte-americano em torno da Crise do Golfo não visava a defesa da legalidade internacional e da independência e soberania dos povos do Médio Oriente, mas tão só o desencadear de um conflito militar que servisse os seus interesses económicos e geoestratégicos.

Desencadeada num quadro de recessão da economia norte-americana e de manifestação de contradições inter-imperialistas, nomeadamente no plano económico, a Guerra do Golfo foi inseparável das profundas e trágicas mudanças associadas ao desmantelamento da União Soviética e à liquidação do socialismo no Leste da Europa, tendo sido uma peça fundamental para a concretização, neste quadro, dos confessos objectivos dos EUA de instauração de «uma nova ordem mundial» de domínio hegemónico do imperialismo que, no Médio Oriente, passava e passa pelo domínio dos enormes recursos naturais da região, pelo estrangulamento da luta popular, nacional e progressista dos povos do Médio Oriente e pelo contínuo apoio à criminosa política de Israel contra os povos da região.

Esta autêntica guerra de rapina, desencadeada hipocritamente em nome da legalidade internacional, foi o prelúdio de 20 anos de agressões, invasões e subversões imperialistas em larga escala em que a invasão e ocupação do Iraque em 2003 ocupa lugar de destaque como um dos maiores crimes imperialistas cometidos na História do Médio Oriente que se prolonga até aos dias de hoje.

A agressão ao Iraque em 1991 marcou uma nova corrida armamentista em que pontificaram o desenvolvimento de armas, sistemas e tecnologias militares cada vez mais mortíferas - e inclusive o uso de armas proibidas em conflitos militares - tendo igualmente marcado um salto qualitativo no envolvimento mais directo das potências capitalistas europeias na estratégia de domínio imperialista no Médio Oriente e na adopção de políticas supranacionais no quadro da União Europeia de carácter militarista e federalista, nomeadamente no quadro da chamada «política externa e de defesa comum».

Do Golfo à Jugoslávia, do Afeganistão ao Iraque, ao Líbano e Palestina, o imperialismo procurou nestas duas décadas impor a sua dominação global, assegurar o controlo directo dos principais recursos energéticos mundiais, aniquilar a soberania dos povos e submeter todo o planeta aos interesses de exploração e lucro dos grandes grupos económicos e financeiros. Crimes hediondos, cujos responsáveis continuam inaceitavelmente impunes, foram cometidos contra os povos da região e muito em particular contra o povo iraquiano. Esta ofensiva militarista e belicista alimentou os ataques aos direitos sociais, económicos e políticos dos povos – mesmo nos centros do imperialismo – e agravou as contradições entre potências imperialistas.

(...)

(sublinhados meus)

-

Iraque: Fim da «missão de combate», começo da «missão de paz»...

The end? (El blog de JotaJota)

-

Os EUA dão por finalizada a sua missão de combate no Iraque...

- Já estou a ver... A partir de agora será uma missão de paz como no AFEGANISTÃO!...

-

«Os EUA confirmaram que o número de soldados presentes no Iraque é o menor desde o início da invasão do país, em 2003. O facto está a ser usado como manobra de propaganda com o objectivo de esconder a manutenção de uma força ocupante e a substituição de soldados por mercenários.» (Edição N.º 1917, 26-08-2010)

«Ao receber a cimeira da NATO em Lisboa, daqui a menos de um mês, as autoridades portuguesas dão mais um passo na sua já longa história de submissão a esta estrutura militar do imperialismo, dirigida pelos Estados Unidos da América. Mas a forte resistência que se fará sentir nas ruas, no próximo dia 20, na grande manifestação promovida pela Campanha «Paz Sim! NATO Não!», também tem grande tradição entre nós. (...)

Desde que foi conhecida a disponibilidade das autoridades portuguesas para receberem, no País, a cimeira da NATO em 2010 (a mesma que demonstraram para receber a cimeira das Lajes, que determinou a invasão do Iraque pela coligação EUA-Inglaterra-Espanha), que o movimento da paz se mobilizou. Nasceu assim, em Janeiro deste ano, a Campanha «Paz Sim! NATO Não!», em torno de questões essenciais: a manifestação de repúdio pela realização da cimeira da NATO em Portugal; a exigência de retirada das tropas nacionais de missões da NATO; o fim das bases militares estrangeiras e das instalações da NATO no País; a recusa da transformação da União Europeia em pilar europeu da NATO; a exigência do desarmamento, do fim das armas nucleares e de destruição maciça e da dissolução da NATO

-


Publicado neste blog:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

Os elevados padrões morais dos EUA em matéria de direitos humanos

United States high moral grounds on human rights, Desenho de Carlos Latuff

-

Padrões morais...

Algures no Afeganistão...

- Sabes que eles apedrejam pessoas até à morte no Irão?!

- Sim! Eu vi isso na Fox News!

- Aqueles iranianos são bárbaros!

-

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

Soldados ocupantes substituídos por mercenários - A falsa retirada do Iraque

Os EUA confirmaram que o número de soldados presentes no Iraque é o menor desde o início da invasão do país, em 2003. O facto está a ser usado como manobra de propaganda com o objectivo de esconder a manutenção de uma força ocupante e a substituição de soldados por mercenários.

A declaração de Barack Obama, anunciando o fim da missão de combate naquele território e o início de «operações contraterroristas» levadas a cabo por uma «força de transição» até à retirada «das tropas norte-americanas em 2011», já havia feito as parangonas no início do mês de Agosto. Mas o que encheu com estrondo as manchetes dos meios de comunicação social dominante foi a confirmação de que os EUA mantinham no Iraque o menor número de soldados desde o início da guerra contra aquele país.

Ler Texto Integral

-

O escritor fantasma (um filme de Roman Polanski, em exibição)

De: Roman Polanski

Com: Ewan McGregor, Jon Bernthal, Kim Cattrall, Pierce Brosnan, Olivia Williams

Resumo:

«Um escritor-fantasma é contratado para concluir a autobiografia de Adam Lang, ex-primeiro ministro britânico, iniciada por um outro escritor que morreu acidentalmente. Mas, o que à primeira vista parece a oportunidade de uma vida, revela-se muito mais complexo e, à medida que o seu trabalho na escrita vai avançando, ele compreende que algo de sinistro existe em toda aquela história e uma suspeição paira sobre a morte o seu predecessor.»

«(...) um escritor com pouco talento (um Ewan Mc Gregor em grande forma) vê-se contratado para dar consistência literária e narrativa às memórias pessoais e políticas de um ex-primeiro ministro britânico (Pierce Brosnan, em registo quase caricatural, numa emulação evidente de Tony Blair, reforçada pela aparição de uma espécie de "duplo" de Condoleeza Rice), envolvido num escândalo de tortura (a invasão do Iraque e remissões subliminares para a história recente, em pano de fundo).»

Este filme relata também como e com ajuda de quem se pode chegar a primeiro-ministro do Reino Unido. É preciso que agora alguém faça um filme contando como e com a ajuda de quem se pode chegar a presidente da Comissão Europeia. Não é que a gente não saiba - está confessado AQUI. Mas é sempre interessante ver a coisa no cinema.

-

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

_

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D