Quinta-feira, 22 de Dezembro de 2016

22 de Dezembro 1993 – Abolição do apartheid na África do Sul

O parlamento sul-africano aprova, por 237 contra 45 votos, uma Constituição provisória que consagra um estado de direito não racial no país, reconhecendo os mesmos direitos a negros e brancos após 341 anos de domínio minoritário branco.

Colonizada por holandeses e ingleses desde o século XVII, a África do Sul instituiu em 1948, sob a liderança do Partido Nacional, o regime de apartheid (segregação racial) como política de Estado.

Era a «legalização» da política seguida desde sempre pelos colonizadores.

A luta contra o apartheid, conduzida pelo Partido Comunista Sul-Africano e pelo Congresso Nacional Africano, prossegue sem tréguas mesmo após a prisão, no início dos anos 60, de vários dirigentes, incluindo Nelson Mandela, que se torna um símbolo da resistência.

Três décadas depois, sob a presidência de Frederik De Klerk, Nelson Mandela é libertado e o apartheid derrotado.

A 15 de Outubro de 1993, Mandela e De Klerk recebem em conjunto o Nobel da Paz.

AQUI

 

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 00:01
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 1 de Outubro de 2013

Instigação ao terror

-

«A máquina de morte estadunidense prossegue a política de terrorismo de Estado»

-

publicado por António Vilarigues às 17:36
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 10 de Julho de 2013

A guerra dos drones

-

Tal como se imagina que fazem os chefes mafiosos, o “Nobel da PazBarack Obama tem uma reunião semanal em que decide quem vai ser assassinado a seguir. Essas execuções extrajudiciais são levadas a cabo pela mais sofisticada tecnologia, e comandadas à distância. O mesmo sistema monstruoso que tem o mundo inteiro sob escuta tem igualmente o mundo inteiro como alvo, se Obama assim o entender. É um criminoso de guerra, como os seus antecessores.

-

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 08:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2012

Atribuição do Prémio Nobel da Paz à União Europeia: 3 declarações

«A realidade da acção e dos propósitos enunciados pela União Europeia muito se distanciam dos valores e princípios proclamados e estabelecidos pela histórica Conferência de Helsínquia, realizada em 1975, como: o respeito da soberania; o não recurso à ameaça ou uso da força; o respeito pela integridade territorial dos Estados; a resolução pacífica dos conflitos; a não ingerência nos assuntos internos dos Estados; o respeito pelos direitos humanos e liberdades fundamentais; o direito à autodeterminação dos povos; e a cooperação entre os Estados – valores e princípios inscritos na Carta das Nações Unidas.»

«A CGTP-IN considera a atribuição do Prémio Nobel da Paz à U.E. uma profunda afronta aos trabalhadores e povos que sofrem no seu dia a dia as consequências das políticas e medidas crescentemente anti-laborais, anti-sociais e anti-populares desenvolvidas pelas estruturas dirigentes da União Europeia e por uma grande parte dos governos que a constituem. Não é aceitável que se atribua este galardão ressaltando “a luta pela paz e reconciliação, pela democracia e pelos direitos humanos”, ao mesmo tempo que se omite a profunda deriva de uma U.E. crescentemente neoliberal e orientada por princípios e práticas que lesam os interesses dos trabalhadores e dos povos, sobretudo dos países economicamente mais débeis

«Trata-se de uma inaceitável decisão, tão mais hipócrita quanto a União Europeia, pilar europeu da NATO, assume nestes dias um destacado papel nas operações de ingerência, chantagem e agressão militar na região do Médio Oriente, nomeadamente com as ameaças de agressão à Síria e a outros países soberanos da região. Simultaneamente constitui uma operação de branqueamento da história da União Europeia - marcada pela sua militarização e pela sua participação em algumas das principais guerras de agressão imperialista nos últimos 20 anos – e um vergonhoso atentado à memória dos milhões de seres humanos que deram a vida para libertar a Europa da guerra e do jugo do nazi-fascismo.»

-

-
sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 09:49
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 4 de Janeiro de 2011

Thorbjørn Jagland nas suas palavras e actos

-

Thorbjørn Jagland (há quem escreva Thorbjorn Jagland ou Thorbjoern Jagland) é um nome que, praticamente, nada diz aos nossos leitores...

Todavia, este norueguês é uma pessoa importante.

Thorbjorn Jagland é Secretário Geral do Conselho da Europa desde 1 de Outubro de 2009. Foi Primeiro-Ministro da Noruega de 25 de Outubro de 1996 a 17 Outubro de 1997. Foi Ministro dos Negócios Estrangeiros de 17 de Março de 2000 a 19 de Outubro de 2001. Foi Presidente do Parlamento da Noruega (Storting) de 10 de Outubro de 2005 a 1 de Outubro de 2009. E foi membro do Parlamento entre 1993 e 2009.

É um dos muitos vice-presidentes da Internacional Socialista.

Caramba, é uma pessoa mesmo importante!


Em 2009, Thorbjørn Jagland tornou-se Presidente do Comité Nobel Norueguês, aquele que distribui o Prémio Nobel da Paz.

Deu os prémios de 2009 (Obama) e 2010 ( Liu Xiaobo ).

Aqui, os nossos leitores mais ingénuos dirão que ele é uma espécie de Sua Santidade que faz beatificações e santificações ao distribuir os Prémios Nobel da Paz.

Os nossos leitores menos ingénuos quererão saber o que ele disse e o que ele fez.


A verdade, a crua e cruel verdade!, é que Thorbjørn Jagland é, também, membro da Assembleia Parlamentar da NATO! Leia em francês

Para Ler : (a posição que ele tomou em 26 de Maio de 2003 na referida Assembleia)

Em francês:

  • «Thorbjørn Jagland (N) regrette que, en l'absence d'un accord préalable de l'ONU, la Norvège n'ait pu suivre les États-Unis sur la manière de traiter le régime irakien. La politique étrangère de Washington est incohérente : si l'administration américaine veut véritablement combattre le fondamentalisme islamiste et le terrorisme, pourquoi soutient-elle l'Arabie saoudite et n'intervient-elle pas en Syrie et en Iran? L'intervenant a demandé qu'une définition commune du terrorisme et de ses causes soit établie, de même qu'une stratégie conjointe visant à combattre les deux. À cet égard, la "feuille de route" pour le règlement du conflit israélo-palestinien est un grand pas en avant

Em inglês

  • «Thorbjørn Jagland (N) regretted that without prior UN approval Norway could not follow US leadership over how to tackle the Iraqi regime. He commented that, in his view, US foreign policy had been inconsistent and asked why, if it was serious about combating Islamic fundamentalism and terrorism, the US supported Saudi Arabia and why it did not act in Syria or Iran? He called for a common understanding of terrorism and its causes as well as a common strategy to fight both. In this respect, the "Road Map" for a solution to the Israeli-Palestinian conflict was an important step forward.»

In NATO PA - 26 May 2003 – MINUTES of the meeting of the Political Committee...

Para Ler : (algumas posições que ele tomou em 13 ou 14 de Novembro de 2004 na referida Assembleia)

Em francês:

  • «Jagland (NO) déplore l’absence de principe clair pour lutter contre les groupes terroristes. (...) M. Jagland (NO) juge "impératif " d’impliquer des pays musulmans en Irak

Em inglês

  • «Thorbjoern Jagland (NO) bemoaned the lack of a clear concept to tackle terrorist groups. (...) Mr Jagland (NO) considered it " imperative " to involve Muslim countries in Iraq

In NATO PA - 13-14 November 2004 - SUMMARY of the meeting of the Political Committee..

-

Para Ler : (algumas posições que ele tomou em 26 de Novembro de 2009 na referida Assembleia)

Em francês:

  • «M. Jagland dit que si l’Alliance est en Afghanistan ce n’est pas pour son intérêt propre, mais pour mettre un terme à la tyrannie, dans le cadre d’une résolution des Nations unies visant à faire cesser le terrorisme et à empêcher des conflits futurs. Chaque défi réaffirme la nécessité, pour l’OTAN, de mettre en place des alliances et de s’adapter aux nouvelles réalités.»

Em inglês

  • «Mr Jagland said that NATO is not in Afghanistan for the sake of NATO; it is there to stop tyranny under a UN resolution to stop terrorism and future wars. Each challenge reaffirms the need for NATO to build alliances and adapt to the new realities.»

In NATO PA - Tuesday 26 May 2009 - SUMMARY of the PLENARY SITTING ..

Para Ler:

(Dois artigos que ele escreveu no jornal norueguês Aftenposten, com as respectivas traduções)

Publicado neste blog:
adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge
-
sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 5 de Janeiro de 2010

Entretanto...

Notícia de 23 de Dezembro de 2009:

Guantánamo adiada para 2011

Obama parece condenado a falhar segunda vez a promessa de encerrar a prisão depois de o Congresso ter fechado a torneira dos dólares.

Barack Obama parece condenado a falhar segunda vez a promessa de fechar Guantánamo depois de o Congresso ter recusado à Administração o dinheiro necessário para comprar a nova prisão, no Ilinóis, para onde deviam ser transferidos os terroristas mais perigosos.

O Presidente dos EUA admitiu há um mês que não será possível encerrar o centro de terroristas na ilha de Cuba a 22 de Janeiro, como ele próprio ordenara no segundo dia do seu mandato. (...)

Mas em 22 de Janeiro de 2009 era assim:

«O presidente dos EUA, Barack Obama, cumpriu uma de suas promessas de campanha nesta quinta-feira (22) e ordenou que o centro de detenção de Guantánamo, em Cuba, seja fechado em até um ano.»

                                                            

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:08
link do post | comentar | favorito

... e a PAZ de Luther King

A PAZ de Luther King

Excertos do discurso Nobel (The Quest for Peace and Justice, Martin Luther King, Nobel Lecture)

«Recent events have vividly reminded us that nations are not reducing but rather increasing their arsenals of weapons of mass destruction. The best brains in the highly developed nations of the world are devoted to military technology.

(...)

So man's proneness to engage in war is still a fact. But wisdom born of experience should tell us that war is obsolete. There may have been a time when war served as a negative good by preventing the spread and growth of an evil force, but the destructive power of modern weapons eliminated even the possibility that war may serve as a negative good. If we assume that life is worth living and that man has a right to survive, then we must find an alternative to war. In a day when vehicles hurtle through outer space and guided ballistic missiles carve highways of death through the stratosphere, no nation can claim victory in war. A so-called limited war will leave little more than a calamitous legacy of human suffering, political turmoil, and spiritual disillusionment. A world war - God forbid! - will leave only smoldering ashes as a mute testimony of a human race whose folly led inexorably to ultimate death. So if modern man continues to flirt unhesitatingly with war, he will transform his earthly habitat into an inferno such as even the mind of Dante could not imagine.

Therefore, I venture to suggest to all of you and all who hear and may eventually read these words, that the philosophy and strategy of nonviolence become immediately a subject for study and for serious experimentation in every field of human conflict, by no means excluding the relations between nations. It is, after all, nation-states which make war, which have produced the weapons which threaten the survival of mankind, and which are both genocidal and suicidal in character.

Here also we have ancient habits to deal with, vast structures of power, indescribably complicated problems to solve. But unless we abdicate our humanity altogether and succumb to fear and impotence in the presence of the weapons we have ourselves created, it is as imperative and urgent to put an end to war and violence between nations as it is to put an end to racial injustice.

(...)

We will not build a peaceful world by following a negative path. It is not enough to say "We must not wage war." It is necessary to love peace and sacrifice for it. We must concentrate not merely on the negative expulsion of war, but on the positive affirmation of peace. There is a fascinating little story that is preserved for us in Greek literature about Ulysses and the Sirens. The Sirens had the ability to sing so sweetly that sailors could not resist steering toward their island. Many ships were lured upon the rocks, and men forgot home, duty, and honor as they flung themselves into the sea to be embraced by arms that drew them down to death. Ulysses, determined not to be lured by the Sirens, first decided to tie himself tightly to the mast of his boat, and his crew stuffed their ears with wax. But finally he and his crew learned a better way to save themselves: they took on board the beautiful singer Orpheus whose melodies were sweeter than the music of the Sirens. When Orpheus sang, who bothered to listen to the Sirens?

So we must fix our vision not merely on the negative expulsion of war, but upon the positive affirmation of peace. We must see that peace represents a sweeter music, a cosmic melody that is far superior to the discords of war.»

In The Quest for Peace and Justice, Martin Luther King, Nobel Lecture

                                                            

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:05
link do post | comentar | favorito

A GUERRA de Obama...

Allan McDonald, Rebelión, 23 de Dezembro

A GUERRA de Obama

Excertos do Discurso Nobel (A Just and Lasting Peace, Barack Obama, Nobel Lecture)

«We must begin by acknowledging the hard truth that we will not eradicate violent conflict in our lifetimes. There will be times when nations – acting individually or in concert – will find the use of force not only necessary but morally justified.

I make this statement mindful of what Martin Luther King said in this same ceremony years ago – "Violence never brings permanent peace. It solves no social problem: it merely creates new and more complicated ones." As someone who stands here as a direct consequence of Dr. King's life's work, I am living testimony to the moral force of non-violence. I know there is nothing weak –nothing passive – nothing naïve – in the creed and lives of Gandhi and King.

But as a head of state sworn to protect and defend my nation, I cannot be guided by their examples alone. I face the world as it is, and cannot stand idle in the face of threats to the American people. For make no mistake: evil does exist in the world. A non-violent movement could not have halted Hitler's armies. Negotiations cannot convince al Qaeda's leaders to lay down their arms. To say that force is sometimes necessary is not a call to cynicism – it is a recognition of history; the imperfections of man and the limits of reason.

(...)

But we do not have to think that human nature is perfect for us to still believe that the human condition can be perfected. We do not have to live in an idealized world to still reach for those ideals that will make it a better place. The non-violence practiced by men like Gandhi and King may not have been practical or possible in every circumstance, but the love that they preached – their faith in human progress – must always be the North Star that guides us on our journey.»

In A Just and Lasting Peace, Barack Obama, Nobel Lecture

                                                            

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 12:02
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010

Os «festejos» de passagem de ano de Obama (III)

Happy 2010 from Obama Latuff2 (Carlos Latuff)

                                                            

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 20:08
link do post | comentar | favorito

Os «festejos» de passagem de ano de Obama (II)

Josetxo Ezcurra, Rebelión de 1 de Janeiro

                                                            

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                   

sinto-me:
publicado por António Vilarigues às 19:03
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 26 seguidores

.pesquisar

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. 22 de Dezembro 1993 – Abo...

. Instigação ao terror

. A guerra dos drones

. Atribuição do Prémio Nobe...

. Thorbjørn Jagland nas sua...

. Entretanto...

. ... e a PAZ de Luther Kin...

. A GUERRA de Obama...

. Os «festejos» de passagem...

. Os «festejos» de passagem...

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Outubro 2018

. Julho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. álvaro cunhal

. assembleia da república

. autarquia

. avante!

. bce

. benfica

. blog

. blogs

. câmara municipal

. capitalismo

. caricatura

. cartoon

. castendo

. cds

. cdu

. cgtp

. cgtp-in

. classes

. comunicação social

. comunismo

. comunista

. crise

. crise do sistema capitalista

. cultura

. cultural

. democracia

. desemprego

. desenvolvimento

. desporto

. dialéctica

. economia

. economista

. eleições

. emprego

. empresas

. engels

. eua

. eugénio rosa

. exploração

. fascismo

. fmi

. futebol

. governo

. governo psd/cds

. grupos económicos e financeiros

. guerra

. história

. humor

. imagens

. imperialismo

. impostos

. jerónimo de sousa

. jornal

. josé sócrates

. lénine

. liberdade

. liga

. lucros

. luta

. manifestação

. marx

. marxismo-leninismo

. música

. notícias

. parlamento europeu

. partido comunista português

. paz

. pcp

. penalva do castelo

. pensões

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. precariedade

. ps

. psd

. recessão

. revolução

. revolucionária

. revolucionário

. rir

. salários

. saúde

. segurança social

. sexo

. sistema

. slb

. socialismo

. socialista

. sociedade

. sons

. trabalhadores

. trabalho

. troika

. união europeia

. vídeos

. viseu

. vitória

. todas as tags

.links

.Google Analytics

blogs SAPO

.subscrever feeds