Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Portugal 2-3 Alemanha

                                                                    

PORTUGAL, PORTUGAL, PORTUGAL

                                                                                     

Suiça 2-0 Portugal

                                                                                                      

 

                                                                    

PORTUGAL, PORTUGAL, PORTUGAL              

                                                                        

República Checa 1-3 Portugal

                                                                                                      

 

                                                                    

PORTUGAL, PORTUGAL, PORTUGAL              

                                                                        

Portugal 2-0 Turquia

                                                                                                      

 

                                                                    

PORTUGAL, PORTUGAL, PORTUGAL              

                                                                        

Faleceu Rogério Ribeiro

    Faleceu Rogério Fernando da Silva Ribeiro destacado professor e artista plástico. Abraçou desde jovem a luta antifascista pela liberdade e a democracia. Em nota, o Secretariado do Comité Central do PCP evoca Rogério Ribeiro como «uma das figuras maiores da arte portuguesa, (...) ao legado da sua imensa obra plástica junta-se (...) o do combatente político pelas causas da emancipação humana, o do resistente e dirigente comunista».

                                      

Ler Texto Integral

                                                        

Ver AQUI seis serigrafias de Rogério Ribeiro para o romance «Até amanhã, camaradas» de Manuel Tiago

                       

Funeral de Luiz Pacheco

    José Casanova, da Comissão Política do PCP, fez uma breve intervenção no funeral de Luiz Pacheco em que lembrou o autor como «espírito livre e independente, personalidade lúcida e irreverente. Escritor e personalidade singular, soube reconhecer no PCP o partido dos trabalhadores, com tudo o que isso significa, e fez dele o seu partido

          

Ler Texto Integral

              

Na morte de Luiz Pacheco (1925-2008)

    Editor e escritor, Luiz Pacheco assegurou um lugar na  história da literatura portuguesa. Enquanto editor, deve-se-lhe a publicação de obras de vários autores importantes, de Mário Cesariny a outros surrealistas e a Herberto Helder. Enquanto escritor a sua obra, em grande parte ainda dispersa - foi autor, entre outros títulos, de "Comunidade", "O libertino passeia por Braga, a idolátrica, o seu esplendor", “O Teodolito", "Exercícios de estilo" e "Memorando, mirabolando" - dá testemunho de uma prosa depurada e segura, ágil e capaz de recriar a palavra oral e popular, e o calão.
Luiz Pacheco é um autor em que vida e obra se confundem e se ampliam mutuamente, em que a ficção, a crítica literária e a crítica da mundanidade literária se respondem e ecoam um fundo insistente e desassombradamente autobiográfico. Autor satírico, a sua obra combina a ironia e a subversão das convenções do moralismo conservador e hipócrita, com a capacidade de revelar o rosto agredido do ser humano, entre a opressão e o sofrimento da miséria e a alegria insurrecta.
Espírito livre e independente, personalidade lúcida e irreverente, Luiz Pacheco soube reconhecer no PCP o partido dos trabalhadores, o partido consequente, longa e tenazmente fiel aos seus princípios e objectivos, o seu Partido. Assim, em finais de década de oitenta, tornou-se por sua iniciativa militante do PCP - qualidade que manteve até morrer.
A Comissão Nacional do PCP para a Área da Cultura lamenta profundamente a morte de Luiz Pacheco e a perda que ela significa para a Cultura Portuguesa e manifesta aos seus familiares sentidas condolências.
(sublinhados meus)
                  
In Nota da
Comissão Nacional do PCP para a Área da Cultura
                    

Leitura Obrigatória (LII)

       Salazar: Biografia da Ditadura (Pedro Ramos de Almeida)

Um livro de análise histórica construído numa base cronológica, e servido por dezenas e dezenas de páginas de índices onomástico e analítico. Indispensável.

Portugal foi submetido durante quase meio século a uma ditadura terrorista de classe, sob um regime político assente, no essencial, na soberania pessoal de António de Oliveira Salazar.

Uma ditadura que serviu a formação de grandes grupos financeiros, que consagrou a concentração e centralização de capitais e a expansão e aceleração do domínio monopolista; tal como atomizou e inibiu a iniciativa social das massas operárias, trabalhadoras e populares, restringiu os seus direitos económicos, sociais, cívicos, culturais e políticos e fez definhar a independência e soberania nacionais.

Um regime político autocrático baseado no contínuo esvaziamento da soberania e cidadania populares e cuja mola real – seu motor de arranque e de cruzeiro, sua base de segurança – Foi o poder pessoal do chanceler, isto é, do presidente do Conselho de Ministros: António de Oliveira Salazar. Era uma ditadura com biografia. [...]

da Introdução

  

In Edições «Avante!»

   

  

Leitura Obrigatória (XLV)

    A Revolução Portuguesa O Passado e o Futuro (Álvaro Cunhal)

A presente obra de Álvaro Cunhal foi escrita por ocasião do VIII Congresso do PCP, realizado em 11/14 de Novembro de 1976, constituindo o relatório aprovado pelo Comité Central ao referido congresso.

Decorridos cerca de 31 anos da sua publicação, A Revolução Portuguesa - o Passado e o Futuro permanece — pela enormíssima quantidade de dados factuais que reúne e sistematiza, pelo rigor das análises e conclusões que faculta — uma obra inesperada de referência e de consulta para o estudo dos dois anos e meio da Revolução Portuguesa.

Não admira, pois, que as comemorações dos 20 anos do 25 de Abril tenham provocado uma renovada procura desta obra, tomando necessária uma nova edição.

  

In Edições «Avante!»

  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D