Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Truques, Truques e ainda mais Truques

    Como já afirmei não conhecia o Tomás Vasques (T.V.). Os seus truques, vá-se lá saber porquê, lembram-me algumas brincadeiras de escola. Tudo começou aqui.
  1. Primeiro truque: associar comunistas e ditos «ex-comunistas». Fica sem se perceber qual a afinidade ideológica entre Zita Seabra e António Barreto e a minha pessoa. Será o antifascismo? Só para rir. Talvez fosse de ser um pouco mais sério.
  2. Segundo truque: definir o que são «ex-comunistas». T.V. não o faz e é pena. Ficamos sem perceber o critério. Dez anos? Vinte anos? Trinta anos? Mais? Menos? Ou será que é quando convém para demonstrar uma tese peregrina à falta de melhores argumentos?
  3. Terceiro truque: em resposta a uma correcção minha sobre a não autoria da frase citada (neste caso T.V. está inocente...), logo muda de assunto, saltando da pseudo confusão entre democracia e fascismo para a ex-URSS e a ditadura do proletariado.
  4. Nesta fase os leitores deste blog já perceberam a essência dos truques do T.V.. Saltitando graciosamente (ou nem por isso) de assunto em assunto evita ter de dar a sua opinião. Não está mal visto. Um bocado primário, mas enfim.
  5. Quarto truque: face à minha resposta fazer-se de virgem ofendida.
  6. Quinto truque: este já é muito antigo. Tem milénios e há de perdurar. Por na boca do adversário o que ele não disse. Nunca falei (aqui e aqui) de «ditadura do proletariado». Nem pró, nem contra. Mas o que interessa isso ao T.V.? Nada, niente, népias. Pelo caminho sempre serviu para me apelidar de «oportunista táctico». A propósito. Nos 11.049 caracteres em questão também não falei do Benfica. Qual a conclusão sobre o meu benfiquismo?
  7. O Vítor Dias também já disse muito sobre os truques do T.V..
 

O que gostaria de saber é o que o Tomás Vasques pensa sobre as novas leis ditas de “reforma do sistema político”. Sobre os processos de governamentalização e concentração de poderes nas áreas da segurança interna. Sobre o processo de reorganização das forças de segurança. Sobre os novos projectos de governamentalização da justiça. Sobre o cartão único. Sobre as anunciadas alterações às leis eleitorais. Concorda? Discorda? Ou nem por isso?

O que gostaria de saber é o que o Tomás Vasques pensa sobre as crescentes limitações ao direito de propaganda política. Sobre as múltiplas acções visando iniciativas de divulgação e afirmação política. Sobre as exigências ilegítimas de licenciamento. Sobre a imposição excessiva de limitações quanto a espaços (quando a lei, e só ela, claramente tipifica os locais e regras a que deve obedecer). Sobre a pretensão da obrigação de informação ou autorização prévia. Sobre a invocação de abusivos regulamentos de publicidade para impedir iniciativas de propaganda. Sobre a retirada de propaganda visual e das estruturas que lhe dão suporte. Sobre o impedimento de distribuição de documentos escritos em locais públicos, invocando a natureza privada da propriedade dos espaços e locais. Sobre a aprovação dos chamados regulamentos municipais de propaganda e publicidade. Sobre a identificação de membros do PCP e da JCP, de activistas e dirigentes sindicais e associativos por parte das forças de segurança. Sobre o levantamento de processos no sentido de criminalizar essas actividades. Concorda? Discorda? Ou nem por isso?

O que gostaria de saber é o que o Tomás Vasques pensa sobre  as medidas que, visando a alteração da correlação de forças nas relações de trabalho, se traduzem em retrocessos graves no plano da democracia participativa e nos direitos de organização e acção sindical. Sobre a proibição da actividade sindical e das comissões de trabalhadores nas empresas. Sobre a perseguição e na repressão aos dirigentes sindicais e activistas e a todos aqueles que assumem a defesa dos interesses dos trabalhadores. Sobre o refinamento dos mecanismos de pressão e repressivos limitativos do simples direito à sindicalização e do direito à greve. Sobre o Código do Trabalho. Sobre a ofensiva contra os trabalhadores da Administração Pública. Sobre a degradação das relações laborais dos profissionais da comunicação social. Sobre a imposição da Lei do Estatuto do Jornalista ou da chamada flexigurança. Concorda? Discorda? Ou nem por isso?

O que gostaria de saber é o que o Tomás Vasques pensa sobre  as medidas relativas à escola com a desvalorização da participação dos estudantes nas suas estruturas associativas. Sobre as crescentes limitações nos processos eleitorais. Sobre a negação do direito à propaganda. Sobre as pressões inadmissíveis para fazer abortar as suas formas de luta. Sobre a reforma do ensino superior. Concorda? Discorda? Ou nem por isso?

Tudo isto e muito mais tem que ver com liberdade e democracia em Portugal. Digo eu.

               

Será que o Tomás Vasques nos vai dar, nem que seja sobre uma só questão, a sua opinião?

               

Leitura Obrigatória (XXXVIII)

    Manuel da Silva 30 anos de Vida e Luta na Cladestinidade (Entrevista-depoimento)

A vida de Manuel Luís da Silva Júnior, é parte integrante da história viva do Partido Comunista Português, construída por homens e mulheres que, com o seu entusiasmo e inteligência, a sua dedicação e esforço, e por vezes, com o sacrifício da própria vida, lutam por uma sociedade mais justa, mais fraterna, liberta da exploração do homem pelo homem.

Nesta sua entrevista-depoimento, Manuel da Silva transporta-nos das masmorras de Angra do Heroísmo às lutas dos corticeiros do Algarve; da peregrinação pelo país com o seu táxi ao serviço do Partido, à organização do aparelho clandestino de fronteira...

Mas Manuel da Silva será sempre recordado como o comunista que, durante mais de dez anos coordenou a actividade dos prelos clandestinos do PCP, que assegurou a logística das tipografias, renovando o chumbo dos caracteres gastos no rolar das lutas da classe operária – prelos comunistas que durante a longa noite fascista iluminaram o caminho de um povo.

  

In Edições «Avante!»

   

Leitura Obrigatória (XXXI)

    Relatório sobre a Manifestação de 15 de Abril no Porto contra a Carestia de Vida (DORN do PCP)

A manifestação de 15 de Abril de 1972 ocorreu num momento político particular, no qual se tornava evidente o avolumar de contradições e dificuldades no interior do regime fascista. A situação social apresentava sinais de acelerada degradação. A base de descontentamento popular alargava-se. A intervenção e a luta dos trabalhadores crescia e o movimento sindical dava importantes passos na sua organização e intervenção contra o regime. Registava-se uma ampla mobilização social e política da juventude contra o fascismo e crescia o protesto contra as guerras coloniais. Na situação marcavam também presença, contraditoriamente, atitudes paralisantes em alguns sectores da oposição que ainda manifestavam ilusões em relação à chamada «primavera marcelista» ou que acreditavam num processo de desagradação automática da ditadura.

As repercussões desta importante jornada de luta foram de grande importância para animar e dar confiança ao movimento antifascista no qual os comunistas desempenhavam um papel decisivo.

  

In Edições «Avante!»

  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D