Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

As últimas palavras do último discurso de Martin Luther King

24h antes de ser assassinado por James Earl Ray

Martin Luther King.jpg

Discurso de Memphis, 3 de Março de 1968

As últimas palavras do último discurso de Martin Luther King:

(...)
Well, I don't know what will happen now. We've got some difficult days ahead. But it doesn't matter with me now. Because I've been to the mountaintop. And I don't mind. Like anybody, I would like to live a long life. Longevity has its place. But I'm not concerned about that now. I just want to do God's will. And He's allowed me to go up to the mountain. And I've looked over. And I've seen the promised land. I may not get there with you. But I want you to know tonight, that we, as a people will get to the promised land. And I'm happy, tonight. I'm not worried about anything. I'm not fearing any man. Mine eyes have seen the glory of the coming of the Lord.

Bem, eu não sei o que acontecerá agora. Teremos alguns dias difíceis. Mas, para mim, isso não importa. Porque eu estive no cimo da montanha. E não me importo. Como todos, gostaria de ter uma vida longa. Por que não? Mas não estou preocupado com isso agora. Só quero fazer a vontade de Deus. E Ele permitiu que eu subisse a montanha. E eu vi lá de cima. E vi a terra prometida. Talvez não vos acompanhe até lá. Mas, quero que saibam esta noite que nós, como povo, chegaremos à terra prometida. E estou feliz esta noite. Nada me preocupa. Não temo nenhum homem. Os meus olhos viram a glória da chegada do Senhor. 

 

James Earl Ray_1.jpg

James Earl Ray

Para ouvir na íntegra o discurso de Martin Luther King, de 3 de Março de 1968, em Memphis clicar AQUI e para ler (em inglês) clicar AQUI.

 

Publicado neste blog:

 

28 de Agosto de 1963 – Marcha sobre Washington

28 Agosto 1963 – Marcha sobre Washington

Mais de 250 mil pessoas, oriundas de todas as partes do país, concentraram-se em Washington para exigir trabalho, liberdade, justiça social e o fim da segregação racial contra a população negra dos EUA.

Organizada, entre outros, pelo activista dos direitos humanos e pacifista Martin Luther King, a manifestação foi determinante para a aprovação das leis de direitos civis e direito de voto, em 1964 e 1965.

Foi nesta impressionante manifestação de massas que Luther King fez o discurso com a frase que ficou célebre em todo o mundo: «I Have a Dream!» (Eu tenho um sonho!).

Distinguido em 1964 com o Prémio Nobel da Paz, Martin Luther King foi assassinado em 4 de Abril de 1968, em Memphis, Tennessee.

Mais de meio século depois da Marcha, o racismo nos EUA está longe de ter sido erradicado.

AQUI

 

O cúmplice de Dylann Roof

EUA Black-Lives-Matter

Antes de Dylann Roof, de 21 anos, começar o massacre, sentou-se, durante quase uma hora, com o grupo de estudos bíblicos da Igreja episcopal Emanuel, o principal local de culto da comunidade afro-americana de Charleston, Carolina do Sul. Fundada há 199 anos por Denmark Vesey, o organizador do (que por pouco não foi o) maior levantamento armado de escravos da História dos EUA, não foi um alvo aleatório.

Incendiada por grupos racistas e proibida durante a guerra civil, foi na Igreja Emanuel que se refugiaram, na década de sessenta, os grevistas dos hospitais de Charleston. Mais tarde na década de oitenta e noventa, foi também esta Igreja que acolheu os estivadores em luta e sindicatos dos operários da indústria automóvel. E foi também por todas estas razões que Dylann Roof a escolheu para pôr em marcha o seu plano de «fazer estalar uma guerra racial».

Ler texto integral

 

50 verdades sobre Nelson Mandela

-

Clicar na imagem para visualizar a ligação

-

50 verdades sobre Nelson Mandela que não encontraremos na comunicação social dominante...

E isto também não...

-

Um ano depois do início da agressão israelita - Gaza continua devastada

     Um ano depois da operação «Chumbo Fundido», os cerca de 1,5 milhões de habitantes da Faixa de Gaza permanecem encarcerados num território de pouco mais de 40 por 15 quilómetros que apresenta o nível de destruição registado aquando do fim da agressão, a 18 de Janeiro de 2009. Os prometidos 4500 milhões de dólares para a reconstrução doados pela «comunidade internacional» nunca chegaram, o bloqueio israelita em vigor desde 2007 agrava a situação de carência estrema. Oito em cada dez habitantes depende totalmente da ajuda internacional. A imensa maioria (90 por cento) sofre cortes diários de água, luz e gás.

Publicado neste blog:

                                                   

Gaza vista pelos caricaturistas de Rebelión

Enrique Lacoste

Ver também:

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

                                                                    

O arquipélago da Palestina Oriental

 

«Découverte d’une Cisjordanie transformée en «archipel» par quarante-deux ans de colonisation et de «processus de paix».

Cette carte a été imaginée et produite par Julien Bousac à partir de documents fournis par le Bureau de coordination pour les affaires humanitaires dans les territoires palestiniens occupés et B’Tselem.

Toutes les zones de Cisjordanie aux mains d’Israël ont été transformées en mer

Ler Texto Integral
-
Tradução:

A descoberta de uma Cisjordânia transformada em «arquipélago» por quarenta e dois anos de colonização e de «processos de paz».

Este mapa foi imaginado e produzido por Julien Bousac a partir de documentos fornecidos pelo Gabinete de coordenação para os assuntos humanitários nos territórios palestinianos ocupados e B’Tselem.

Todas as zonas de Cisjordânia nas mãos de Israel foram transformadas em mar.

-

Que Estado palestiniano?

-

adaptado de um e-mail enviado pelo Jorge

-

Genocídio sistemático na Palestina - A barbárie da civilização

Texto José Goulão

    Não podemos falar em rescaldo da tragédia de Gaza porque ela está longe do fim e, sob as bombas israelitas ou sofrendo as agonias da fome impostas pelo bloqueio humanitário, continuam a morrer inocentes naquele pequeno território asfixiado. À luz das bitolas adoptadas em Washington e que se aplicam a todo o mundo, o drama que se vive em Gaza e também em todos os territórios palestinianos, incluindo Jerusalém Oriental, deve ser entendido, porém, como um acto «civilizacional» e «anti-terrorista».

                    

Ler Texto Integral

                                  

Publicado neste blog:

                                                        

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D