TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Sábado, 13 de Outubro de 2018
Debate em Viseu: «A saúde é um direito, não é um negócio»

Imagem convite saúde viseu Outubro 2108.jpg

 

Clicar na imagem para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:34
link do post | comentar | favorito

Domingo, 29 de Maio de 2016
Ganhos e perdas nos CTT privados

CTT logo1

 Num documento ali divulgado, o sindicato da Fectrans/CGTP-IN apresentou contas

  • dos lucros que deixaram de reverter para o Estado;

  • dos 2853 postos de trabalho eliminados entre 2009 e 2015;

  • da deterioração da qualidade do serviço;

  • do encerramento de 481 estações e 1047 postos de Correios, entre 2002 e 2015;

  • do aumento desmesurado das tarifas, sobretudo no serviço universal, com a tarifa-base a subir 12 por cento, em 2014, e 6,8 por cento, em 2015.

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:04
link do post | comentar | favorito

Domingo, 3 de Maio de 2015
UPP: «Da Resistência Antifascista à Nacionalização da Banca»

UPP Nacionalização Banca

Clicar na imagem para ampliar

 


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:17
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 6 de Junho de 2014
Contributo de Alexandre Soares dos Santos & Cia para a violência gratuita

Desenho de Fernando Campos (o sítio dos desenhos)

-

Uma trabalhadora da loja do Pingo Doce de Miraflores foi impedida pela hierarquia directa e gerente da loja de fechar a caixa para fazer as necessidades fisiológicas.

Como já aconteceu, com os nervos em franja, acabou por urinar-se no posto de trabalho.

De violência em violência…

Nessa altura, fechou mesmo a caixa registadora, solicitando aos clientes que fossem para a caixa do lado.

Dirigiu-se ao gerente a comunicar que precisava de ir a casa tomar um duche e mudar de roupa.

Resposta do negreiro, «você é que sabe»!!

Depois do regresso de casa, e de tanta humilhação, ainda foi interrogada se «ia fazer alguma coisa»...

-

sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 10:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 8 de Novembro de 2013
Intervenção da eleita do PCP na Assembleia Municipal de Viseu
-

Intervenção da eleita do PCP na Assembleia Municipal de Viseu

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 29 de Outubro de 2013
Fulgorauto: Câmara de Viseu não cumpre sentença do Tribunal de Trabalho

-

Câmara de Viseu não cumpre sentença do Tribunal de Trabalho relativa ao pagamento às ex-trabalhadoras da Fulgorauto

-

Publicado neste blog:

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 15:21
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 5 de Setembro de 2013
Portugal perde mais dois lugares no 'ranking' mundial de competitividade

-

Gamado AQUI:

  • Dois anos de redução de salários,

  • dois anos de redução do preço da hora extraordinária,

  • dois anos de aumento do horário de trabalho,

  • dois anos de diminuição do número de feriados e do número de dias de férias,

  • dois anos de redução das indemnizações pagas por rescisão de contrato,

  • dois anos de redução do valor do subsídio de desemprego e de doença,

  • dois anos de marcha à ré,

  • dois anos perdidos em nome da competitividade.

«Portugal voltou a perder lugares no 'ranking' mundial de competitividade de 2013-2014»

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:10
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 10 de Outubro de 2012
Viseu: Câmara Municipal conivente com salários em atraso
Clicar na imagem para visualizar a ligação

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 09:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 12 de Junho de 2012
Conferências Seara Nova: Comunicação Social e Poder

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 12:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 16 de Maio de 2012
Alexandre Soares dos Santos e os trabalhadores do Grupo Jerónimo Martins

-

Leiam um levantamento de problemas relativo ao Pingo Doce/Grupo Jerónimo Martins realizado pelo CESP (Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal), e que tem no seu âmbito a responsabilidade pelo acompanhamento dos trabalhadores deste tipo de superfícies comerciais:

As violações de regras e normas que mais afectam os trabalhadores, a sua saúde e vida pessoal e familiar são:

  • As relacionadas com a organização dos horários de trabalho; as alterações diárias de horário; as mudanças sistemáticas dos dias de descanso semanal; os descansos em dias não consecutivos (seguidos); os descansos que para muitos trabalhadores não coincidem com os sábados e domingos; as alterações de horário impostas consecutivamente pelas chefias, forçando os trabalhadores a assinar o impresso a pedir a alteração para escamotear a imposição da chefia, muitas vezes para encobrir desleixo, falta de organização ou de formação.

  • O uso das avaliações e dos correspondentes prémios como «armas de arremesso» ou te sujeitas a fazer o que eu mando, o que eu quero e te calas, ou já sabes...

  • A contratação a termo para ocupar postos de trabalho permanentes, para classificar os trabalhadores sucessivamente no nível de Operador Ajudante, o mais baixo da grelha salarial, dispor deles e submeter às violências e arbitrariedades de algumas hierarquias, que nalguns casos, são tão precárias e mal qualificadas quanto as suas vítimas.

  • Os salários dos trabalhadores mais antigos e qualificados que estão a ser «apanhados» e ultrapassados pelo salário mínimo dos novos trabalhadores, porque não foram actualizados e se desvalorizaram.

  • A colocação de trabalhadores, mais antigos e mais qualificados, a desempenhar por «castigo», funções menos qualificadas e desprestigiantes, exemplo: recolha de carros nos parques, limpeza de espaços nos bares, recolha de louças, etc, ... em algumas lojas, para saturar os trabalhadores e os forçar a despedir-se, exemplo: Braga (ex– Feira Nova).

  • Deficiente, inferior qualificação profissional de muitos trabalhadores, desempenham funções superiores à categoria e salário que lhe está atribuído, exemplo: trabalhadoras da limpeza a desempenhar as funções de operadores e operadores a desempenhar funções de chefia.

  • Estagiários que devem ser operadores e continuam estagiários.

  • Refeitórios atulhados de lixo, transformados em arrecadações, vestiários, outros com falta de luz, ventilação, equipamento, higiene e limpeza.

  • Corredores e portas de emergência pejados, atafulhados a servir de armazém de retém.

  • Casas de banho atafulhadas com pouca limpeza e higiene, avariadas e insuficientes.

  • Cacifos pessoais insuficientes, colocados fora do sítio adequado nalguns casos em corredores e refeitórios.

Como se pode verificar as estruturas sindicais estão muito longe de se preocuparem «apenas» com salários...

-

Já agora, leiam a resposta dos recursos humanos do Grupo Jerónimo Martins à solicitação do CESP para o agendamento de uma reunião com vista à apresentação do Caderno Reivindicativo do Pingo Doce:

-

Lisboa, 21 de Outubro de 2011

-
Exmos. Senhores,

-

Acusamos a recepção de carta de V. Exas. datada de 19 de Outubro de 2011 sobre o assunto «Envio de Caderno Reivindicativo».
Informamos que, não nos será possível reunir com V. Exas. em qualquer das datas propostas.

Com os melhores cumprimentos,

-
Assina:
(...)
Direcção Relações Laborais Grupo JM 

-

Sem Comentários...

-

adaptado de um e-mail

-


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 08:19
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Domingo, 24 de Maio de 2009
Chrysler – o grande embuste

Texto de Martha Grevatt

     Numa atmosfera de medo e intimidação, os trabalhadores das diferentes fábricas da Chrysler representados pelo sindicato United Auto Workers (UAW) votaram quatro contra um, em 29 de Abril, a favor da aceitação de grandes concessões. Se não votassem, disseram-lhes, a empresa declararia bancarrota. Um voto favorável significaria a segurança de emprego e a protecção das pensões através de uma nova aliança com a companhia automobilística italiana Fiat.

Menos de 24 horas depois da contagem dos votos, a Chrysler atraiçoou os trabalhadores e apresentou o seu pedido de bancarrota ao abrigo do Art.º 11. A 4 de Maio, quase todos os trabalhadores da Chrysler nos EUA foram colocados em regime de lay-off, à espera que a «cirurgia» da bancarrota transforme a Chrysler LLC numa mais ajustada e cruel «New (Nova) Chrysler».

Depois de ter dito aos trabalhadores que o seu sacrifício garantiria a segurança de emprego, a Chrysler informou o juiz da bancarrota em Nova Iorque, Arthur J. Gonzáles, da intenção de encerrar oito das suas fábricas até final de 2010. Já se sabia do plano para encerrar quatro delas, mas os trabalhadores das fábricas de Wisconsin, Michigan, Missouri e Ohio foram apanhados de surpresa por estas unidades estarem agora classificadas como «maus activos» e serem postas à venda. Cerca de 88 por cento dos efectivos da fábrica de Twinsburg (TSP), no Ohio, votou a favor das concessões. Nem sequer imaginavam o que estava para lhes suceder.

                                                                      

Ler Texto Integral

                                                                           


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 00:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007
Salário Mínimo Nacional
    O anúncio feito da fixação do valor do Salário Mínimo Nacional para 426 euros mensais em 2008 constitui uma derrota da estratégia das associações patronais, a que o governo se preparava para se associar, visando pôr em causa o que estava acordado e estabelecer um valor muito abaixo dos 426,5 euros, base de progressão para os 450 euros em início de 2009.
O estabelecimento deste valor do Salário Mínimo Nacional para 2008, na concretização do acordo estabelecido o ano passado, apesar de estar longe de responder às necessidades da vida dos trabalhadores, só foi possível com a forte e persistente luta dos trabalhadores dinamizada pela CGTP-IN, que derrotou a estratégia de degradação do poder de compra e o ataque ao SMN.
O PCP chama a atenção que mesmo assim as associações patronais, a pretexto do rompimento do acordo estabelecido, contaram com a conivência do Governo e com novos favores e mordomias que este lhes facultou.
O PCP salienta que a situação nacional, o fraco crescimento económico, as gritantes injustiças sociais, a degradação do poder de compra de parte importante dos trabalhadores, exigem um aumento geral dos salários que, tal como o aumento do salário mínimo, constitui um elemento importante de combate à pobreza e de promoção da justiça social e um factor essencial de estímulo à elevação do perfil produtivo e ao desenvolvimento económico do País.
(sublinhados meus)
  
In Nota do Gabinete de Imprensa do PCP
             

sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 08:03
link do post | comentar | favorito

Sábado, 15 de Dezembro de 2007
POLÍTICA DE CLASSE?

    Ele há coisas que nos devem fazer pensar. Será propositado? Será coincidência?

 

Durante nove anos um Presidente da República, inequivocamente um democrata, visitou dezenas de países estrangeiros. Nunca nas suas delegações foi incluído um sindicalista. Nem um para amostra. Mais. Jorge Sampaio, porque é dele que falamos, agastou-se quando Carvalho da Silva chamou a atenção para o facto. Será que esta anormalidade já se tinha tornado tão “normal” que ninguém dava por ela?

 

O tratamento dado pela comunicação social portuguesa à maior manifestação dos trabalhadores portugueses nos últimos 20 anos é também revelador. Mas não só em Portugal. Uma acção que englobou mais de 200 mil trabalhadores foi pura e simplesmente apagada da comunicação social mundial. O silêncio é particularmente chocante se nos recordarmos que mais de 1 300 jornalistas de todo o mundo estavam a cobrir a Cimeira da União Europeia no Parque das Nações. Não duvidamos que muitos desses jornalistas terão transmitido a notícia para as suas redacções. Mas nesse dia 18 de Outubro de 2007, os chefes de redacção, directores e proprietários da comunicação social devem ter esgotado os seus stocks de lápis azuis. Porque terá sido?

 

Mas não se pense que o problema tem apenas a que ver com o que se passa em Portugal.

 

Quantos portugueses sabem que no passado dia 2 de Outubro, 100 mil dinamarqueses saíram à rua em Copenhaga, para se opor aos cortes nos programas sociais do Estado? E que esta é a terceira grande manifestação do último ano e meio nesse país, berço da flexigurança? Quantos saberão que dois dias depois da manifestação de Lisboa, centenas de milhar de italianos saíram à rua em Roma numa manifestação em que o mar de bandeiras vermelhas com foice e martelo não deixa margem para dúvidas sobre o sentir dos manifestantes? Quantos de nós sabemos que a Bulgária está a ser varrida por uma onda de greves, com destaque para a greve dos professores, que recebem reformas de apenas 60 euros por mês? Ou que a Suíça conheceu a maior manifestação sindical desde há várias décadas, quando 20 mil trabalhadores da construção civil se manifestaram pelos seus contratos nas ruas de Zurique em 22 de Setembro? Ou que os trabalhadores britânicos estão a protagonizar um ascenso de lutas que chegam a ser ilegais, organizadas clandestinamente e apanhando o governo de surpresa com uma adesão quase total, como foi o caso da recente greve dos guardas prisionais? Ou que algo de análogo se passa na Alemanha?

 

Noutro plano ficámos a saber que José Sócrates, mais alguns ministros e secretários de estado trocam confidências com Francisco Van Zeller. Não me consta que o façam com líderes sindicais.

 

Presidentes da República, 1º ministros e governos raramente falham na sua presença em conclaves das associações patronais. Sejam do comércio, da indústria ou da agricultura. Sejam de âmbito nacional ou regional. Já se a reunião é de trabalhadores do sector, salvo raras e honrosas excepções, nem vê-los. Porque será? Há cidadãos de primeira e cidadãos de segunda? Uma associação patronal é mais importante que uma associação sindical?

 

Também no uso das forças de segurança os nossos governantes têm dois pesos e duas medidas. Um balanço retirado da intervenção de Odete Santos na Conferência do PCP sobre Questões Económicas e Sociais realizada nos passados dias 24 e 25 de Novembro no Seixal fala por si.

 

Envia-se a PSP e a GNR para desmobilizar manifestações de Estudantes, como aconteceu em Vila Nova de Gaia e em Valongo. Envia-se a PSP à sede de um Sindicato para vigiar o protesto que se sabe poder eclodir contra a política do 1º Ministro. Envia-se a PSP para identificar pessoas que se encontram numa vigília de protesto perante a Assembleia da República. Envia-se a PSP para identificar pessoas, de preferência dirigentes sindicais, como aconteceu em Braga, que se juntaram para protestar contra as políticas anti-sociais. Envia-se a PSP ou a GNR, para a Valorsul, para interferir com o direito de greve. Envia-se a PSP ou a GNR para impedir a realização de plenários sindicais, ou a divulgação de documentos sindicais, sempre com a ameaça da tentativa de identificação dos famigerados e perigosos agitadores.

 

Recorre-se à PSP para impedir a pintura de murais. Apreendendo tintas, identificando jovens, impedindo a criatividade através de uma forma de arte utilizada mesmo por pintores célebres como Portinari.

 

Quer-se criar o convencimento (errado) de que uma manifestação tem de ser autorizada. Recorre-se mesmo aos Tribunais para, através do medo, fazer diminuir o volume dos protestos.

 

Mas não nos consta que semelhante tratamento seja dado aos protestos, que também os há, e às reivindicações, mais do que muitas, das associações de empresários. Porque será?

 
Como disse Odete Santos: «Com tanta desconfiança no Povo, apetece dizer com Bertolt Brecht: Não seria melhor para o Governo dissolver o Povo e eleger outro?»
 

Luta de classes? Política de classe? Nah, isso acabou com a queda do muro de Berlim…

 

Nota final: Depois de me terem cobrado o que deviam e não deviam as Finanças reconheceram em Abril de este ano, em carta enviada ao meu advogado, que se tinham cobrado duas vezes dos mesmos impostos. O que eu andava a dizer desde Agosto de 1999 (!!!), tendo enviado cópia dos respectivos recibos várias vezes em carta registada com aviso de recepção. Situação resolvida pensei eu. Puro engano. Nesta data, quase 8 meses depois, continuo a aguardar que me sejam devolvidos mais de 2 mil euros. Com os respectivos juros, espero…

 

    

 

Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação

 

     

 

In jornal "Público" - Edição de 13 de Dezembro de 2007

 

     


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 08:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 9 de Outubro de 2007
Dia Mundial dos Professores

     Um programa cultural de grande qualidade, com as actuações da banda "Oppoente" e do Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra (GEFAC); quatro intervenções marcadas pela análise rigorosa de destacados sindicalistas de Portugal, Espanha e França; um convívio bem animado com largas centenas de educadores e professores oriundos de várias regiões do País; e uma mensagem firme e determinada, dirigida à opinião pública e aos responsáveis políticos, da parte dos professores, em defesa dos seus legítimos direitos e da Escola Pública de Qualidade - foi assim, entre nós, o 5 de Outubro, Dia Mundial do Professor. Uma jornada de quase quatro horas, vivida no histórico Coliseu dos Recreios de Lisboa, por iniciativa da FENPROF.

Convívio e festa com forte
componente reivindicativa

Sala mítica e prova de fogo para muitos artistas nacionais e estrangeiros, o sempre jovem Coliseu (foi inaugurado em 14 de Agosto de 1890) acolheu desta vez um cartaz diferente: pôs Lisboa na rota das comemorações que, pelos quatro cantos do mundo, assinalaram o Dia Mundial dos Professores, juntando o convívio, a música e a festa com "uma forte componente reivindicativa". E isto porque, como realçou o secretário-geral da FENPROF, "os professores continuam a ser vítimas de um ataque sem precedentes no Portugal de Abril, concretizado em palavras, actos e omissões, e desferido por um Governo que tem, de facto, os docentes como mal-amados". Como neste 5 de Outubro de 2007 o próprio Primeiro Ministro fez questão, uma vez mais,  de realçar.../ JPO

  

In FENPROF

  

Nota colocada a 10/09: Se pretender pronunciar-se sobre as nossas escolas faça-o neste post, nos comentários (sugestão de um leitor deste blog)

  


sinto-me:

publicado por António Vilarigues às 16:26
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Debate em Viseu: «A saúde...

Ganhos e perdas nos CTT p...

UPP: «Da Resistência Anti...

Contributo de Alexandre S...

Intervenção da eleita do ...

Fulgorauto: Câmara de Vis...

Portugal perde mais dois ...

Viseu: Câmara Municipal c...

Conferências Seara Nova: ...

Alexandre Soares dos Sant...

Chrysler – o grande embus...

Salário Mínimo Nacional

POLÍTICA DE CLASSE?

Dia Mundial dos Professor...

arquivos
tags

álvaro cunhal

assembleia da república

autarquia

avante!

bce

benfica

blog

blogs

câmara municipal

capitalismo

caricatura

cartoon

castendo

cds

cdu

cgtp

cgtp-in

classes

comunicação social

comunismo

comunista

crise

crise do sistema capitalista

cultura

cultural

democracia

desemprego

desenvolvimento

desporto

dialéctica

economia

economista

eleições

emprego

empresas

engels

eua

eugénio rosa

exploração

fascismo

fmi

futebol

governo

governo psd/cds

grupos económicos e financeiros

guerra

história

humor

imagens

imperialismo

impostos

jerónimo de sousa

jornal

josé sócrates

lénine

liberdade

liga

lucros

luta

manifestação

marx

marxismo-leninismo

música

notícias

parlamento europeu

partido comunista português

paz

pcp

penalva do castelo

pensões

poema

poesia

poeta

política

portugal

precariedade

ps

psd

recessão

revolução

revolucionária

revolucionário

rir

salários

saúde

segurança social

sexo

sistema

slb

socialismo

socialista

sociedade

sons

trabalhadores

trabalho

troika

união europeia

vídeos

viseu

vitória

todas as tags

LIGAÇÕES A CASTENDO
Visitantes
eXTReMe Tracker
Google Analytics
blogs SAPO
subscrever feeds