Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

O CASTENDO

TERRAS DE PENALVA ONDE «A LIBERDADE É A COMPREENSÃO DA NECESSIDADE»

Um Congresso diferente

    Realizou-se o XVIII Congresso do PCP. Nele se aprovou uma «Resolução Política» e se elegeram os novos órgãos dirigentes deste partido. 

A «Resolução Política» é um documento dividido em 4 grandes áreas: Situação Internacional, Situação Nacional, Luta de Massas e Acção do PCP, O Partido. Nele se abordam ao longo de 32 capítulos e em mais de 700 (setecentas!!!) diferentes «Teses» temas tão «anacrónicos» e «ultrapassados» como a economia mundial e a crise do capitalismo, o socialismo alternativa necessária e possível, a evolução da União Europeia, a situação económica e social do país, a evolução política e o regime democrático, a política necessária, a luta dos trabalhadores e de outras camadas e grupos sociais e das populações, as batalhas eleitorais, o quadro partidário e institucional, a luta por uma alternativa de esquerda, um PCP mais forte condição fundamental para a alternativa de esquerda, para só citar alguns.

Ouve quem ficasse desiludido porque não houve, nas palavras de Jerónimo de Sousa, “cenas de faca e alguidar” e “guerras de alecrim e manjerona”. Antes se verificou grande convergência nas análises e nas votações.

Pelas reacções escritas e faladas surgidas na comunicação social há quem não tenha perdido os preconceitos. Manifestamente não sabem, ou não querem, comparar a profundidade das análises, o conhecimento da realidade, as propostas, o projecto que anima os comunistas. E só depois julgar.

Não entendem, ou não querem entender, o valor que tem o envolvimento directo e participativo de mais de 26 mil militantes. Que agarraram no projecto como seu. Que discutiram e reflectiram o que seria melhor para o seu partido, para os trabalhadores, para o povo e para Portugal. Propondo, questionando, sugerindo e decidindo.

O funcionamento do próprio Congresso foi diferente das reuniões magnas de outros partidos. Assistiu-se a uma permanente e elevada presença de delegados durante os trabalhos. Escutando a intervenção mais simples que fosse. Prova provada que, respeitando o colectivo partidário, se respeita o indivíduo.

Os delegados não estavam no Campo Pequeno, para ouvir falar os chefes ou os candidatos a chefe. Não estavam para apoiar ou desapoiar a pensar num lugar ou no poder. Este Congresso do PCP representou o que de mais nobre e digno tem a política. Foi luta, trabalho, força de um ideal, opiniões e contribuições, participação.

Como disse Jerónimo de Sousa: «Aqui forjámos, actualizámos e assinámos um compromisso de honra com o povo português: de tudo fazer por uma vida melhor, num país mais justo e democrático sem perder rumo em direcção ao horizonte de uma sociedade liberta da exploração do homem por outro homem

Notas soltas: «E no entanto ela [a Terra] move-se», terá dito Galileu perante o Tribunal da Inquisição. A actuação da Câmara de Viseu relativamente às acções de propaganda do PCP e da JCP é coerente: perseguir, impedir a liberdade política do PCP, criminalizar a acção política. Resultado: o concelho de Viseu é o único onde neste país se condenam pessoas por fazer inscrições murais. Uma vergonha.

Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação

In "Jornal do Centro" - Edição de 5 de Dezembro de 2008

 

Teoria da conspiração

    O mundo está confrontado com uma das mais graves crises do sistema capitalista. Sucedem-se as análises e as propostas. Os media são literalmente inundados de artigos, entrevistas, debates e declarações.

Quais as causas? O capital monetário está cada vez mais concentrado e valendo menos. Porque, mantendo-se a necessidade vital de criação de mais-valia e agudizando-se o desenvolvimento da contradição fulcral entre a capacidade de produção e a capacidade de consumo, esse capital monetário está cada vez mais empolado pela desmedida circulação D-D' (troca de dinheiro por mais dinheiro). Com intervenção também cada vez mais relevante do crédito, até pelos constrangimentos e travões na evolução dos níveis salariais.

Onde estamos? A crise financeira vai continuar a agravar-se, na medida que mais ajustamentos serão necessários nos mercados de capitais e no sector bancário, nomeadamente tendo em conta o grau de inflação dos activos financeiros. A actual crise financeira é apenas a ponta do iceberg. Estima-se que a capitalização bolsista, a dívida titularizada e os activos financeiros em posse dos bancos comerciais, representem mais de 4,2 vezes o produto mundial.

Ainda e sempre o exemplo irlandês. A Irlanda foi o primeiro país europeu em entrar em recessão, o que nos mostra que, só por si, a formação profissional e o aumento das qualificações de um povo – questão de enorme importância, não se nega – não são suficientes. A Irlanda serviu de placa giratória ao investimento estrangeiro, americano e inglês, que foi o mais atingido pela crise, o que põe em evidência a importância decisiva de um forte e dinâmico sector empresarial do Estado.

Esta crise resulta, por um lado, da contradição entre a sobreprodução e sobreacumulação de meios de produção. Por outro, da contracção dos mercados e níveis de consumo decorrentes das desvalorizações salariais e abismais assimetrias de rendimentos, agravadas pelas reduções das despesas públicas e pouca solvabilidade de inúmeros países.

A substituição dos salários dos trabalhadores e dos rendimentos da população – incluindo pensões – pelo estímulo ao crédito numa espiral de endividamento, serviu e serve inteiramente o propósito da extracção de benefícios pelos detentores do capital financeiro. Mas não só se revelou insuficiente e transitória, como se tornou num factor central de aprofundamento da crise. Agravado ainda pelo endividamento dos Estados e das pequenas empresas.

Vários e competentes economistas reúnem publicamente com Jerónimo de Sousa. Os 180 membros da direcção do PCP dedicam um dia inteiro apenas a analisar a crise do capitalismo. As suas causas e consequências. A sua expressão em Portugal. Trata-se de algo inédito por parte dos comunistas. É que, recorde-se, o XVIII Congresso realiza-se já no último fim-de-semana de Novembro e nunca tal hiato se tinha verificado durante a preparação deste órgão máximo. Mais. Foi o único partido político português que realizou uma reunião com estas características.

Qual a cobertura da comunicação social? Os jornalistas estão presentes. Na esmagadora maioria dos casos elaboram as suas peças. Mas estas não vêem a luz do dia. Nos jornais e revistas da especialidade é quase preciso andar com uma lupa para encontrar uma análise marxista da crise.

Eu sei que este silenciamento global, sistemático e sistémico das posições dos comunistas portugueses sobre a crise do capitalismo é pura coincidência. Eu sei que não há nenhuma central de comunicação no governo, nem nos banqueiros, nem nas associações patronais. Mas lá que parece, parece…

Antes que me esqueça e me acusem de plágio: muito do que acima foi escrito baseia-se nas análises PÚBLICAS dos economistas Sérgio Ribeiro, Pedro Carvalho e Carlos Carvalhas. Bem como no documento de 27 de Outubro do Comité Central do PCP. Está tudo disponível aqui.


Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação
            

In jornal "Público" - Edição de 14 de Novembro de 2008

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    K

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    W

    X

    Y

    Z

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D